Lançado recentemente no Brasil, o livro Fios de Prata, do escritor brasileiro Raphael Draccon, é uma agradável surpresa em meio aos inúmeros  (Leia mais)

... lançamentos que chegaram às prateleiras das livrarias neste semestre.

Autor da trilogia Dragões de Éter, sucesso de vendas da editora Leya, Draccon repete a mesma fórmula dos outros livros: uma mistura de fantasia com diversas referências.

A diferença entre Dragões e Fios está nessas referências. Enquanto em Dragões vemos diversos personagens dos contos de fadas, Fios não só se aproxima mais da mitologia grega, como também do cristianismo. A começar pelo próprio título do livro, uma referência clara aos fios da vida, tecidos pelas moiras, o trio de “mulheres” que define a duração da vida de cada um dos seres humanos.

Mas o ponto principal do livro é a importância de sonhar. Draccon colocou em cada linha todas as consequências que um sonho, ou a falta dele nas pessoas, pode acabar causando. É a velha história do efeito borboleta, e ele demonstra que até mesmo o sonho de uma única pessoa pode causar uma reviravolta, incluindo no mundo dos sonhos, o Sonhar, onde nos vemos as voltas com uma guerra entre os três governantes, Morpheus, Phobetor e Phantasos, e o anjo do sonho, Madelein, cheia de tramoias dignas de A Guerra dos Tronos.

A questão de que uma pessoa pode fazer a diferença fica mais evidenciada com o passar dos capítulos, conforme o leitor acompanha os passos da personagem principal: Mikael Santiago, o Allejo, referência clara ao personagem futebolítisco dos jogos antigos de videogame, e aparentemente a solução para que a guerra acabe.

Parece que Fios de Prata foi feito para ser lançado especialmente depois das Olimpíadas e atrair mais brasileiros para o mundo dos livros. Essa atração se deve

também ao fato dos protagonista serem não apenas brasileiros, mas também esportistas.

E dos bons. Com Allejo, nós temos em mãos não só o melhor jogador de futebol de que sem tem notícia, mas também outra referência claríssima a um Orfeu moderno disposto a ir até ao inferno em busca de sua Eurídice. Esta qual é Ariana, a ginasta olímpica que mostra do que Brasil é capaz em uma competição esportiva.

E é com esses personagens-atletas que podemos observar grande parte das discussões sobre o esporte brasileiro, como a falta de incentivo e o peso de ser tão jovem e ter tanto dinheiro. Nessa parte também é que alguns preconceitos contra os atletas são quebrados: quem iria imaginar discussões filosóficas sendo discutidas por pessoas que passam a maior parte de suas vidas treinando?

Todas estas e outras referências e discussões fazem com que Fios de Prata seja um livro que te faça pensar, seja por quem notar todas as questões levantadas, como a

importância de se sonhar, ou mesmo depois que o próprio livro mostra abertamente determinadas referências (o que pode frustrar alguns leitores que gostam de imaginar e depois verem suas suspeitas confirmadas em uma entrevista com o autor). O fato é que Fios de Prata é um livro que a pessoa pode ler e ficar presa aos personagens sem correr o risco de “cair nos braços de Morpheus”.

(Indicado por Rodson Baldan, repórter do R7)

fios de prata 450 Livro de Draccon ensina a importância de sonhar

Fios de Prata

352 páginas

R$ 39,90

Editora Leya

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com