Livro de Hans Keilson, que fala sobre um líder populista em terra germânica, usa um recurso original e desafiador - palavras como “Hitler”, “judeu”, “nazista” e “Alemanha” não aparecem uma só vez ao longo das 264 páginas da obra.

Publicado em 1959, A Morte do Inimigo passou 50 anos relegado ao esquecimento, até ser reconhecido como obra-prima, com reedições na Europa e inúmeras traduções ao redor do mundo.

Esta não foi a primeira vez em que o romance desapareceu e tornou a aparecer. Suas 50 primeiras páginas ficaram, de fato, enterradas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando Keilson, combatia a ocupação nazista na Holanda. Ao final do conflito, o autor pôde enfim concluir sua obra.

Alemanha, 1930. Um jovem judeu fica fascinado por um “inimigo” que aos poucos ascende ao poder: B., líder populista cuja propaganda política cria uma atmosfera cada vez mais ameaçadora, opressiva e profundamente antissemita.

Diante da barbárie, o protagonista decide assumir uma neutralidade moral, defendendo que, até num duelo de vida ou morte, é preciso levar em conta as razões do inimigo. Assim, distancia-se cada vez mais de seu povo, enquanto se vê progressivamente absorvido pela figura carismática de um ditador.

(Indicado por Ligia Braslauskas, gerente de jornalismo do R7, @ligiakas)

a morte do inimigo hans keilson 450 Obra mostra loucura nazista sem judeus e Hitler

A Morte do Inimigo

264 páginas

R$ 42

Companhia das Letras

Compre no R7 Livros!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com