Crônica do Cosme: Por acidente

31 agosto 2012 às 10:30 - Postado por R7 Cultura
4 Comentários.

Deixe um Comentário:

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
  1. Simone - 12/12/2012 - 14:25

    Eu quero conhecer o Cosme!!! rs

  2. Luiz Sergio Nacinovic - 06/09/2012 - 10:07

    Conheci o Cosme na Faculdade da Cidade, na qual fui professor por algum tempo antes de vir parar em BH. Depois o vi segurando um microfone no jornalismo do SBT e, finalmente, vim reencontrá-lo na Record.
    A Faculdade da Cidade foi onde portadores de vocações completamente opostas tentou sintetizar algo em torno de um projeto educacional em que todos tentaram se encontrar e alguns, como foi o meu caso e de mais alguns que acreditaram que o sr. Ronald Levinsohn( Ex- DELFIN Crédito Imobiliário) tinha alguma boa intenção além de ganhar dinheiro com ensino unversitário, na época(1983) a mina de ouro da vez.
    O Cosme foi um dos poucos "alunos" que eu assisti à ascensão(como o Alexandre Raposo e o Tino Marcos)e um dos quais eu tive a ótima impressão de que todo o tempo que eles jogaram fora em sala de aula me assistindo a falar bobagens irrelevantes valeu tanto para mim( por conhecê-los) quanto para eles. E, pelo texto que li agora, o livro que vem aí será mais um dos sonhos desse meu desejo de ter contato com o novo e o inédito. Queria mesmo era mandar um abração para ele. Naquela época eu ainda estava com medo de usar o sobrenome e eu era conhecido como Guerra. Hoje eu voltei a ser Nacinovic. Fim.

  3. R7 Cultura - 06/09/2012 - 14:06

    Obrigada por comentar, as impressões dos leitores são muito importantes para o R7. Ligia Braslauskas @ligiakas