Publicado em 21/12/2012 às 05h00

Livro de Marcelo Yuka expõe facetas do artista

Astronautas Daqui é navegável em quatro capítulos. Poesia Anti Completa é como Marcelo Yuka chama sua coleção de frases, que podem passar anos à espera de um complemento em cadernos e folhas soltas. (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 20/12/2012 às 15h03

Gatinho fofo e diferente aprende a ser feliz

Frederico Fellini, O Gato Com Um Olho de Cada Cor conta a história de um gatinho que não se sente bem, tampouco feliz, por ser diferente dos irmãos. (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 20/12/2012 às 05h00

Nova saga de 39 Clues começa a todo vapor

Após o fim da primeira parte da série The 39 Clues, o livro A Conspiração Medusa abre a nova saga de Amy e Dan Cahill com mais uma emocionante aventura. (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 19/12/2012 às 15h32

Crônica do Cosme: Samba nos Trilhos

- Peguei em Quintino, a próxima é?

- Cascadura.

- A próxima é?

- Madureira

- E depois vem o quê?

- Oswaldo Cruz

- E agora...

Era uma gincana, com prêmios e muita emoção. Os ouvintes recebiam o telefonema da rádio e eram convidados a enfrentar o desafio de acertar a sequência das estações do trem de subúrbio carioca.

O ponto de partida era a Central do Brasil, daí para frente valiam a memória e o conhecimento dos ouvintes.

Dependendo da linha eram muitas estações e a brincadeira ia longe. Ingênua, divertida, mexia com todo mundo que ouvia, mesmo os que moravam longe do subúrbio e, mais ainda, com quem viajava nos trens e acompanhava pelo rádio de pilha.

- E depois de Oswaldo Cruz?

- Marechal Hermes.

- Vamos chegar a...

- Bento Ribeiro.

O prêmio vinha dos gentis oferecimentos de Camélia Flores, Bolsas Ubirajara e 3BR Tapetes de Veículos.

Os patrocinadores bancavam o presente para quem mantinha a conversa nos trilhos, era mais ou menos assim o slogan.

Aqui em São Paulo, os nomes das linhas é que me chamam a atenção, são preciosos. Diamante, Esmeralda, Turquesa, Rubi, Safira.

As estações são muitas e se espalham por toda a região metropolitana. Apesar de alguns trens serem novos com ar condicionado e painéis eletrônicos, alguns problemas persistem: a gritaria dos camelôs (eles são proibidos de vender as bugigangas, mas estão sempre andando de um vagão para o outro),

a truculência dos guardas (são, claro, proibidos de bater nas pessoas, mas vivem usando os cassetetes, inclusive contra camelôs); e as desculpas esfarrapadíssimas para a impontualidade (os trens atrasam ou porque choveu,

ou porque não choveu, mas houve uma falha no sistema, ou porque alguém botou a mão na porta, uma vez culparam a alça de uma mochila que ficou para fora da porta). E o pior: são muitos acidentes, mesmo assim vale a pena. O trem não polui o ar, não congestiona, sacoleja menos, não dá aquelas freadas bruscas,

dificilmente derruba seus passageiros. É o mínimo, mas também é o máximo se a gente pensar na qualidade do nosso transporte público.

Também gosto do trem porque ele tem história, vira filme, livro, novela e muitas músicas.

Impossível não lembrar do trem do Adoniran, o das Onze, e o drama do filho único na estação do Jaçanã. O homem dividido entre duas mulheres. Orgulho paulistano!

Outro que adoro é o Trem Atrasou, um samba de Paquito, Estanislau Silva e Vilarinho.

Joia carioca que brinca com o horário e as relações de patrão e empregado.

Sambas de trilho e de brilho!

Pois foi assim, pensando em música e, ao mesmo tempo, falando ao celular, que me distraí e perdi a conta das estações na linha que me leva do trabalho até em casa.

O trem para e eu sem saber o que fazer, fico ou saio?

Olho para lá e para cá, mas não enxergo o nome da estação. Se continuar no trem e aquela for a estação certa, a próxima será em Osasco. Uau, outra cidade!

Se descer do vagão, corro o risco de desembarcar na estação errada.

Restam segundos e eu... desço. Antes do fechamento da porta pergunto, já nervoso, a uma passageira, também ao celular, que estação é essa, Domingos de Moraes? E ela balança a cabeça confirmando.

Não é a minha, tento voltar, mas não dá mais tempo. A porta se fecha.

É domingo, dia em que os trens demoram mais a passar.

Estou atrasado e resolvo sair e ir a pé até em casa.

Penso que lembrar de música antiga, falar ao celular, observar os ambulantes e prestar atenção à sequência de estações é muito para mim.

Nesse momento já estou fora da estação e tenho uma surpresa, a melhor que podia ter naquela hora e naquela situação, quem se enganou foi a passageira. Desci na estação certa, estou ao lado de casa!!

Volto a viajar em sambas e trilhos e desembarco num terceiro.

Não é de trem, é de bonde!!

O Bonde de São Januário, composto na década de 40 por uma dupla sensacional, Ataulfo Alves e Wilson Batista.

Na época, a ditadura Vargas controlava cada verso. Logo na primeira estrofe a música embalava já meio patronal:

"Quem trabalha é que tem razão..."

e depois:

" O Bonde São Januário leva mais um operário"...

Mas Wilson, malandro e provocador, brincava: " O Bonde São Januário leva mais um grande otário". Por pouco os dois não foram em cana. Também no futebol surgiu a paródia: “O Bonde São Januário leva mais um português otário para ver o Vasco apanhar". Mais uma do Wilson, flamenguista de coração.

Separei para a gente ouvir O Bonde São Januário na voz de Gilberto Gil.

* Luis Cosme é editor executivo do Domingo Espetacular e escreve semanalmente no R7.

Cosme é autor do livro de crônicas Ponte Aérea, da editora Novo Século.

Veja mais:
+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!

+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7

 

Publicado em 19/12/2012 às 05h00

Manual didático ensina o uso da nova ortografia

Não é nenhum pecado não saber escrever tudo corretamente, ainda mais depois da alteração da regra ortográfica. Mas há caminhos que ajudam a não errar.  (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 18/12/2012 às 09h52

Infantil explica a pequenos o que é um sonho

Todo mundo sonha, mas explicar o que é um sonho não é tarefa fácil. Como explicar algo acontece quando dormimos e que parece um filme  dentro da nossa cabeça? (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 17/12/2012 às 12h46

Astros do rock falam de sexo abertamente em livro

Dicas de Sexo de Astros do Rock é o primeiro livro em que os rockeiros expõem sua real opinião sobre sexo e as vantagens e desvantagens de se ter à ponta dos dedos uma “chuva” de mulheres, (Leia mais) (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 17/12/2012 às 11h23

Obras de fotógrafo são ótimos presentes de Natal

O fotógrafo paulista de nascença, mas carioca por opção, Almir Reis, acaba de criar uma série de caixas de acrílico no tamanho 20x30 com as paisagens do Rio (Leia mais) (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 16/12/2012 às 05h00

Livro 0 da série The 39 Clues chama para nova saga

Após vencerem a busca pelas 39 pistas que revelariam a fórmula secreta  do soro de Gideon Cahill, os irmãos Dan a Amy precisam enfrentar os Vesper, uma organização secreta e tão poderosa quando (Leia mais) (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 15/12/2012 às 05h00

João e o Bicho-Papão é aventura cheia de bichos

João quer virar um caçador conhecido e, para isso, nada melhor do que encontrar o horripilante bicho-papão! Assim, cheio de coragem, mas sem muita certeza de que o monstro existe de verdade, (Leia mais) (mais...)

Posts Relacionados

Perfil

Miguel Arcanjo Prado é editor de Cultura do R7, onde está desde o começo do portal, em 2009. É jornalista formado pela UFMG e pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP. É crítico membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes). Nasceu em Belo Horizonte e mora em São Paulo desde 2007, quando ingressou no Curso Abril de Jornalismo. Ainda em Minas, estreou como cronista do semanário O Pasquim 21, passando por TV UFMG e TV Globo Minas. Na capital paulista, foi repórter da Contigo!, da Ilustrada na Folha Online e do Agora São Paulo, no Grupo Folha. Edita e apresenta a Agenda Cultural da TV Record News.

PUBLICIDADE

Home de Blogs +
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com