Publicado em 22/06/2015 às 15h22

Jurassic World estraçalham bilheteria nos EUA

jurassic world Jurassic World estraçalham bilheteria nos EUA

Cena do filme Jurrasic World: arrasa-quarteirão de bilheteria - Foto: Divulgação

Da EFE, em Los Angeles

Os dinossauros de "Jurassic World " dominaram a bilheteria americana ao arrecadar US$ 102 milhões neste fim de semana, mas a animação "Divertida Mente" não ficou atrás e bateu o recorde para a estreia de uma obra original, com US$ 91 milhões.

A marca de "Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros" é a segunda melhor da história para um filme em sua segunda semana em cartaz, atrás somente dos US$ 103,1 milhões de "Os Vingadores" (2012).

A receita global do filme, dirigido por Colin Trevorrow e protagonizado por Chris Pratt e Bryce Dallas Howard, já se aproxima de US$ 1 bilhão.

O filme se passa em um resort de luxo onde os visitantes interagem com criaturas pré-históricas em seu próprio habitat, mas acabam sendo imersos em um pesadelo quando um animal geneticamente modificado escapa e ameaça destruir tudo a sua volta.

Posts relacionados

Publicado em 22/06/2015 às 03h03

Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

18942379345 21ca80c1aa z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

Milton Gonçalves chora ao receber o Troféu Vila Rica, no CineOP, em Ouro Preto - Foto: Nereu Jr./Universo Produção

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O ator Milton Gonçalves se emocionou ao receber a homenagem principal da 10ª edição da Mostra de Cinema de Ouro Preto, o CineOP, que acontece até o dia 22 na cidade histórica mineira.

Em seu discurso, ele relembrou a luta dos negros no Brasil. De punho cerrado, bradou: "Lutar! Vamos lutar".

A homenagem foi realizada na última quinta (18), no Cine Vila Rica. Milton dedicou o troféu recebido à sua mulher, já falecida. "O que fiz de bom até hoje eu devo a ela e eu gostaria muito que ela estivesse fisicamente aqui conosco”, disse, emocionado.

O troféu Vila Rica foi entregue a Milton por Antonio Pitanga e Antônio Carlos da Fontoura. Seu discurso foi ouvido com atenção pela plateia.

"Durante toda a vida eu precisei aprender a me defender. O negro passa por situações de muita dor. Eu entrei na arte por acaso, mas hoje há milhares de jovens tentando não sofrer nem serem humilhados o tempo todo”, falou.

O tema do 10º CineOP é O Negro em Movimento.

Veja mais imagens da homenagem a Milton Gonçalves:

18914899306 acab46de9d z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

Milton Gonçalves não aguentou a emoção e chorou copiosamente - Foto: Leo Lara/Universo Produção

18937062312 0446509f59 z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

O ator recebe o abraço dos amigos Antonio Pitanga e Antonio Carlos da Fontoura - Foto: Foto: Nereu Jr./Universo Produção

18779769210 3fdca9e7cb z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

Maurício Tizumba representou a música negra na homenagem a Milton Gonçalves - Foto: Nereu Jr./Universo Produção

18916137906 3f84a82d58 z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

Em seu discurso, Milton Gonçalves lembrou a luta do negro no Brasil - Foto: Nereu Jr./Universo Produção

18753504998 13cdca959c z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

O ator se emocionou com o aplauso de pé que recebeu do público mineiro - Foto: Leo Lara/Universo Produção

18321744243 63e9dc4472 z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

A plateia aplaudiu de pé Milton Gonçalves por vários minutos - Foto: Nereu Jr./Universo Produção

18320504143 b5503a6c99 z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

O ator Milton Gonçalves vibra com o reconhecimento de sua trajetória no cinema - Foto: Leo Lara/Universo Produção

18944074431 a0f06bd1cc z Milton Gonçalves chora com homenagem no CineOP

Com o punho cerrado para o alto, o ator conclamou que os negros sigam sua luta - Foto: Leo Lara/Universo Produção

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Posts relacionados

Publicado em 21/06/2015 às 11h19

Diretor argentino diz que não sabe fazer filme para o povão

jauja2 Diretor argentino diz que não sabe fazer filme para o povão

Cena do filme Jauja, de Lisandro Alonso, exibido em Fortaleza, no Cine Ceará - Foto: Divulgação

Da EFE, em Fortaleza

Nos últimos festivais cinematográficos, o argentino Lisandro Alonso tem sido um dos diretores que mais divide a crítica com suas produções independentes, mas como ele mesmo reconheceu neste sábado (20) em Fortaleza não sabe fazer filmes "para todo o mundo".

Após apresentar seu filme no 25º Cine Ceará - Festival Ibero-Americano de Cinema, Alonso afirmou durante um debate que ele gostaria que "Jauja", sua mais recente produção, "fosse vista pela maior quantidade de gente possível", mas "evidentemente não sou tolo e sei que a proposta não é para todos".

O diretor comentou que não sabe "fazer uma comédia romântica ou policial" e completou: "Faço este tipo de filmes porque é o que sei fazer" - um gênero que o protagonista de "Jauja", Viggo Mortensen, qualificou de "conto estranho" durante as filmagens.

Filmada em dois idiomas e países, o filme "vai se transformando" à medida que transcorre a projeção, razão pela qual - confessou o cineasta - "até hoje me dá trabalho falar sobre do que se trata".

E não é para menos já que o filme abriga tantas leituras e possibilidades como o espectador queira imaginar, desde um western clássico ao estilo de John Ford até o sonho de um cachorro mulherengo.

Com um roteiro de apenas 20 páginas e cores que remetem mais à pintura que a uma sala de projeções, "Jauja" desdobra paisagens hipnóticas onde a luz e a composição deixam o homem - um soldado dinamarquês destinado à Patagônia - em segundo plano.

"O que eu filmo é o não civilizado", explicou o cineasta, que já começou a trabalhar em seu próximo projeto, que será rodado - "se tiver sorte" - na Amazônia.

Por enquanto, Alonso confirmou apenas que gostaria repetir a experiência com Timo Salminem, o diretor de fotografia e colaborador habitual do finlandês Aki Kaurismäki, mas não revelou se voltará a contar com um elenco de luxo.

"É a primeira vez que trabalho com atores profissionais", lembrou o diretor, garantindo que, graças à participação de Mortensen, "Jauja", por exemplo, "tem mais possibilidades de ser exibida" - uma prova é que o filme será o primeiro de Alonso a ser distribuído no Brasil.

Com uma programação de forte sotaque espanhol e 25 anos de existência, o Cine Ceará exibirá em Fortaleza um total de 60 filmes até o próximo dia 24 de junho.

lisandro alonso Diretor argentino diz que não sabe fazer filme para o povão

Lisandro Alonso: diretor argentino diz que não sabe fazer filme para "todo o mundo" - Foto: Divulgação

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Posts relacionados

Publicado em 20/06/2015 às 03h03

Chris Oliveira estreia show Elixir na Virada Cultural

ChrisOliveira JulianaFreitas 2 Chris Oliveira estreia show Elixir na Virada Cultural

Estreante na Virada: Chris Oliveira solta a voz em Elixir - Foto: Juliana Freitas

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A Virada Cultural, que acontece em São Paulo neste fim de semana é a oportunidade não só de ver artistas já velhos conhecidos do público, como também de descobrir nomes que despontam em nossa música.

Um deles é Chris Oliveira, que grava o disco Elixir e que participa pela primeira vez do evento.

Seu show está marcado para o domingo (21), às 15h, no Teatro Luiz Gonzaga, no CEU Curuçá (av. Marechal Tito, 3400, Itaim Paulista), na zona leste paulistana.

Chris prepara surpresas para seu show: “A expectativa é imensa, de poder cantar as canções do álbum que ainda está no forno”. Outra alegria é poder cantar na região onde o músico cresceu e viu sua música desabrochar. Foi na zona leste também que ele foi premiado com a música São Paulo.

Elixir é um disco com 12 faixas com influências do samba, rock nacional, música latina, black music e música pop italiana. A primeira música do disco foi lançada em abril e já faz sucesso nas redes sociais: Bora.

Depois do show de Chris, o espaço ainda recebe a banda de reggae Planta e Raiz. Vale a pena conferir.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Posts relacionados

Publicado em 19/06/2015 às 03h03

Cine Ceará faz 25 anos com sotaque espanhol

cine ceara1 Cine Ceará faz 25 anos com sotaque espanhol

Cena da noite de abertura do 25ª Cine Ceará, em Fortaleza - Foto: Divulgação

Da EFE, em Fortaleza

Com uma homenagem ao cinema espanhol foi inaugurada nesta quinta-feira (18) a 25ª edição do Cine Ceará - Festival Ibero-Americano de Cinema -, que exibirá um total de 60 filmes até o dia 24 de junho em Fortaleza.

A noite de abertura teve uma sessão para 500 pessoas do longa "O Clube", do chileno Pablo Larraín, principal atração da seção latino-americana do evento e que ganhou o Urso de Prata no prestigiado Festival de Berlim.

Com 495 filmes inscritos nas Mostras Competitivas - 162 longas e 333 curtas -, o Cine Ceará terá nove produções na mostra Ibero-Americana de Longa-Metragem e 16 na Brasileira de Curta-Metragem.

Sotaque hispânico

Com uma programação de forte sotaque hispânico, o Cine Ceará aproximará o público brasileiro durante os próximos dias de oito curtos e sete longas que formam o ciclo "Mostra Novo Cinema Espanhol", liderada pela produção basca "Loreak", de Jon Garaño e José Mari Goenaga, que foi indicada em 2014 à Concha de Ouro no Festival Internacional de Cinema de San Sebastián.

Entre outros destaques estão o longa "Nem Tudo é Vigília", de Hermes Paralluelo, eleito Melhor Filme nos festivais do Uruguai e de Cosquim, e o curta "Ser e Voltar", de Xacio Baño, vencedor do Prêmio do Júri no Festival Clermont Ferrand, na França. Além da mostra espanhola, os filmes disputarão o primeiro posto na mostra Competitiva Ibero-Americana - a principal do evento -, a mostra Competitiva Brasileira de Curtas-metragens e o Olhar Ceará.

Para comemorar seu 25º aniversário, o Cine Ceará conseguiu retornar a sua casa original, o Cine-Teatro São Luiz, no centro de Fortaleza que teve que abandonar há alguns anos devido à degradação da sala.

Posts relacionados

Publicado em 18/06/2015 às 03h03

Artistas africanos invadem museu no Ibirapuera

el anatsui 594 Artistas africanos invadem museu no Ibirapuera

Obra no Museu Afro Brasil: El Anatsui é considerado o maior artista visual da África - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Muitas vezes há muito preconceito quando se pensa em arte africana.

É justamente para quebrar com velhos paradigmas sobre a produção artísticas no Continente Negro que o Museu Afro Brasil, no Parque Ibirapuera, em São Paulo, apresenta a exposição Africa Africans.

A entrada é gratuita, e a mostra está em cartaz até 30 de agosto.

São cerca de cem trabalhos de 20 artistas africanos. Há vídeos, pinturas, instalações e esculturas.

Um dos destaques é a gigante The British Library, do artista plástico nigeriano-britânico Yinka Shonibare MBE. Nascido em Londres em 1962, Shonibare foi criado na Nigéria e voltou para capital inglesa para estudar Artes, dando início à sua trajetória artística.

Sua instalação é formada por 6.225 livros coloridos encapados por tecidos dutch wax – conhecidos como ‘tecidos africanos’, mas fabricados na Holanda com uso de técnicas inspiradas na arte milenar do batik indonesiano. O uso deste material é uma marca registrada do artista.

Outro ponto forte é Skylines, de El Anatsui, ganês radicado na Nigéria. Nascido em 1944, ele é considerado o mais importante artista africano da atualidade, reconhecido na Europa e nos Estados Unidos e foi recém premiado, no dia 9 de maio de 2015, com um Leão de Ouro, na Bienal de Artes de Veneza.

Curta a nossa página no Facebook

Posts relacionados

Publicado em 17/06/2015 às 12h44

Mostra desvenda diretor argentino Torre Nilsson

 Mostra desvenda diretor argentino Torre Nilsson

Leopoldo Torre Nilsson: filmes de um dos principais diretores argentinos no Brasil - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Os brasileiros andam cada vez mais próximos do cinema argentino. E não só dos filmes com Ricardo Darín. Isso mostra que há, pelo menos, certa resistência à velha mania de povo colonizado, que só tem olhar para Europa e Estados Unidos.

Uma boa nova é a mostra O Olho que Espia, com 18 filmes do cineasta argentino Leopoldo Torre Nilsson (1924-1978), um dos principais da história do cinema feito em nosso país vizinho.

Ela é realizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil. A mostra estreou no CCBB de São Paulo, onde foi sucesso. Agora, segue para o CCBB do Rio, onde poderá ser vista entre 1º e 6 de julho, e depois para o CCBB de Brasília, onde os longas serão exibidos entre 22 e 27 de julho.

A curadoria é assinada conjuntamente por Andrea Armentano e Sofía Torre Nilsson, neta do cineasta argentino.

Filmes do avô na mala

Sofía conta que esta é a primeira vez que viaja com os filmes do avô debaixo do braço com um único objetivo: “difundir sua obra junto ao público brasileiro”.

Em sua visão, tudo foi um grande desafio. Diz que “foi uma verdadeira surpresa” a recepção positiva que o público paulistano deu aos longas na capital paulista.

“As sala esteve cheia; senti um público ávido por conhecer, fazendo perguntas sobre a vida e a obra de Leopoldo Torre Nilsson”, conta, satisfeita. Além de neta, Sofía também é filha e bisneta de cineastas — seu pai é o diretor Pablo Torre e seu bisavô é o diretor Leopoldo Torres Ríos, pai de Torre Nilsson.

Cinema em casa

Ela conta que o cinema sempre foi tema em casa e que os pais se preocuparam em dar uma boa formação cinematográfica aos filhos, mesmo durante os anos de repressão na Argentina.

“Quando meu irmão e eu éramos pequenos, nossos pais nos escondiam no baú do carro para entrar no autocine e vermos filmes que não eram aptos para todo o público em plena ditadura militar”, recorda.

Ela conta que foi a partir da adolescência que descobriu com um olhar mais sensível os filmes de seu avô e também de seu bisavô.

“Lembro-me de que, enquanto meus amigos viam Os Gremlins, meu pai me fazia ver La Caída ou La Mano em la Trampa. Neste momento, me parecia um castigo, hoje, creio que ele fez isso para que conhecêssemos nosso avô, que havia falecido quando éramos pequenos. Meu avô morreu poucos dias antes de meu aniversário de um ano”, conta.

Presença de um ausente

Para Sofía, tal ausência sempre doeu. “Isso deixou um estigma em minha vida. Eu sou uma grande colecionadora de objetos do meu avô. Guardo recortes de jornal, cartazes dos filmes, roteiros originais, fotos e seu óculos; estes pelos quais ele via o mundo, mundo tão maravilhoso que se transformou em filmes. Creio que como eu não pude conhecer meu avô em vida, sinto a necessidade que a gente o conheça por meio de sua obra”, confessa.

Instigada a definir o estilo cinematográfico de Leopoldo Torre Nilsson, Sofía fala com propriedade de especialista: “Meu avô tinha um estilo cinematográfico muito particular. Ele era míope, usava uns óculos fundo de garrafa, creo que, por isso, seu cinema foi tão intimista. A crítica sempre falou da estranheza dos primeiros planos que ele utilizava. Eu, que tenho seus óculos, creio que ele utilizava planos tão fechados porque senão, não conseguiria ver a expressão dos atores”.

leopoldo torre nilsson Alfredo Alcon Mostra desvenda diretor argentino Torre Nilsson

Leopoldo Torre Nilsson (com os óculos fundo de garrafa) ao lado do ator Alfredo Alcon, no set de filmagens de El Santo de la Espada, de 1969 - Foto: Divulgação

Aproximação com Argentina

Para a curadora brasileira da mostra, Andrea Armentano, é preciso aproximar a cultura cinematográfica dos dois países vizinhos.

“Apesar de estarmos localizados tão próximos, tanto o espectador brasileiro quanto o espectador argentino desconhecem muito da história do cinema de ambos os países”, diz.

Em sua visão, a mostra permite “a imersão no universo de um diretor reconhecido e importante na história do cinema argentino”. E dá a chance ao público brasileiro de ir além dos filmes com o ator argentino Ricardo Darín, "uma peça certeira para sucesso de público tanto na Argentina como no Brasil".

Ao ter contato com os filmes de Nilsson, os brasileiros podem ter ferramentas para compreender o cinema argentino contemporâneo, que tanto sucesso faz no Brasil.

“É importante para o público brasileiro entender que há um caminho longo traçado por cineastas como Torre Nilsson para que o cinema contemporâneo argentino seja hoje considerado uma referência no mundo todo”, declara Andrea.

Não custa nada lembrar que Torre Nilsson foi um precursor que abriu portas ao mercado internacional para a cinematografia argentina e latino-americana. Ele teve filmes indicados à Palma de Ouro em Cannes e em outros grandes festivais, como Berlim, Veneza e San Sebastian.

“Isso tem um reflexo direto no mercado atual”, diz a curadora. Para ela, o ponto forte do cinema argentino são roteiros bem estruturados, “uma espontaneidade e uma maneira de contar histórias cotidianas muito inteligente e criativa”, afirma Andrea.

ccbb Mostra desvenda diretor argentino Torre Nilsson

CCBB do Rio (à esq.) e CCBB de Brasília (à dir.) vão receber os filmes do diretor argentino Leopoldo Torre Nilsson após exibições de sucesso em São Paulo - Foto: Divulgação

Diálogo latino-americano

Mostras como esta ajudam a criar uma cultura de conversa cinematográfica entre o Brasil e seus países vizinhos. “A América Latina toda deveria se aproximar mais cinematograficamente falando. Nós brasileiros ainda temos uma cultura de consumo cinematográfica muito americana e europeia”, diz Andrea Armentano.

Ela lembra que há festivais que incentivam a produção latino-americana, contudo, os mesmos atingem um público reduzido. “Ainda falta um interesse por parte do público em olhar para os países vizinhos”, afirma.

“A América Latina tem uma cultura cinematográfica muito interessante e distinta do resto do mundo tanto no sentido criativo quanto na produção. Acho que o Brasil deveria estar mais atento a esse estilo e adaptá-lo aos modelos de produção nacionais”, considera.

E quem deseja ver mais novidades nas telas do CCBB, ela adianta que, em 2016, haverá a mostra Mulheres em Cena, focada em diretoras latino-americanas contemporâneas “com exibições de seus filmes e debates sobre o cinema latino-americano e a mulher no cinema”.

Curta a nossa página no Facebook

Posts relacionados

Publicado em 17/06/2015 às 03h03

Roberto Carlos receberá homenagem em Las Vegas

roberto carlos Roberto Carlos receberá homenagem em Las Vegas

Roberto Carlos será homenageado nos Estados Unidos - Foto: Divulgação

Da EFE

Roberto Carlos foi eleito a Personalidade do Ano pela Academia Latina da Gravação e receberá o prêmio em um evento anterior à festa do Grammy Latino, informou a organização nesta terça-feira (16).

"Falar do Brasil é falar de Roberto Carlos. Seu imenso talento, paixão e dedicação à sua arte fizeram dele um dos maiores cantores e compositores da música latina. É com grande orgulho que homenageamos esse tesouro musical e estamos ansiosos por celebrar sua carreira e seu inesquecível legado", disse Gabriel Abaroa, presidente da Academia.

A homenagem acontecerá em 18 de novembro no centro de convenções do Hotel Mandalay Bay, em Las Vegas, no estado americano de Nevada, e contará com a presença de artistas de renome que irão interpretar as músicas mais famosas do Rei.

Parte do lucro da homenagem irá para à Fundação Cultural Latin Grammy.

O evento servirá como prévia do Grammy Latino, que será realizado no hotel MGM de Las Vegas em 19 de novembro.

Posts relacionados

Publicado em 16/06/2015 às 03h03

Líder do Sex Pistols volta furioso em livro

John Lydon Líder do Sex Pistols volta furioso em livro

John Lydon está de volta mais feroz do que nunca em autobiografia - Foto: Divulgação

Por JUAN CARLOS GOMI, da EFE

Prestes a completar 60 anos, John Lydon, ex-Sex Pistols, ressurge no cenário musical com uma biografia, "Anger is an Energy: My Life Uncensored" e um novo álbum com sua banda Public Image Ltd (PiL).

Também conhecido como Johnny Rotten, o líder do movimento punk publicou suas memórias "sem censura", onde não poupa fúria e graça contra seus inimigos frequentes e outras personalidades. Lydon tem uma história difícil.

Nascido em 1956 em Londres, ele viveu uma infância pobre como um personagem de Charles Dickens - "venho do lixo", declarou.

Ele alcançou a fama universal como o cantor da banda punk mais famosa de todos os tempos, os Sex Pistols. Foi Lydon que, no 25º aniversário da coroação da rainha Elizabeth II, em 1977, popularizou o verso "Deus salve a rainha e seu regime fascista".

E foi detido, surrado, cuspido, odiado e, sobretudo, alcançou a glória.

Nesta autobiografia, a segunda de sua vida, há algumas lembranças das primeiras memórias escritas por esse ególatra incorrigível, publicada em 1993 e intitulada "Rotten: No Irish, No Blacks, No Dogs".

"Sinal do diabo"

Neste novo volume, de mais de 600 páginas, ele vai mais longe e confessa que a ira foi a energia que moveu sua vida. Ela começa na Londres do pós-guerra, onde teve meningite, era tratado pelas freiras como 'o sinal do diabo'.

Anos depois, afirmou que o catolicismo "é letal para os cantores". E vieram as drogas. Rotten lembrou o pacotinho de heroína com que a mãe de Sid Vicious presenteou o filho pelo seu aniversário e das botas da estilista Vivienne Westwood. Ele criticou seu falecido agente, Malcom McLaren, chamando-o de "desastre" e "covarde".

Sem dúvida, ele mostra no livro uma língua ferina em estado de fúria. Mas não é para se ofender: John Lydon foi talvez o primeiro britânico que disse "merda" em um programa da "BBC", e esse "dom para as línguas" é destilado em toda a biografia.

O 'avô' do punk distribui as cartas e sempre ganha. "Beyoncé, Rihanna, Jay-Z são tipo Las Vegas. Na realidade, não há muito mais por trás. A música nos anos 70 foi tão emocionante porque havia coisas muito diferentes, não como agora", comentou.

Atitude durona

Essa atitude durona se mantém em toda a narrativa, embora a fluidez ao contá-la (com a colaboração do jornalista musical do "Telegraph", Andrew Perry) faz o leitor perdoar o permanente ataque de superego do tipo "qualquer coisa que eu faça é punk" ou outras tolices que aparecem impressas sem complexos.

Johnny Rotten dedicou parte do livro a reivindicar o papel de seu grupo PIL na transformação mundial da cultura popular. É uma forma de defender seus 40 anos de carreira acima do mito que, de forma bipolar, alimenta as páginas destas memórias.

Posts relacionados

Publicado em 14/06/2015 às 11h20

Quando Brant foi embora fez-se noite em nosso viver

milton fernando brant Quando Brant foi embora fez se noite em nosso viver

Fernando Brant (1946-2015, à direita), ao lado de Milton Nascimento, seu grande parceiro: canções gravadas no inconsciente coletivo do povo brasileiro - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Editor de Cultura do R7

O compositor mineiro Fernando Brant, que nos deixou nesta sexta (12), aos 68 anos, definiu a essência de sua terra e de sua gente com potentes palavras melódicas.

Foi uma espécie de Drummond da música, com sua poesia sutil, doce, quase nostálgica, um olhar do alto da montanha para a vida, para o ser.

Assim, sua morte deixa o Brasil menos inteligente e Minas com um olhar de desesperança.

Como ele mesmo descreveu na letra de Travessia, composta ao lado do grande parceiro Milton Nascimento: "Quando você foi embora fez-se noite em meu viver".

Ao tentar explicar a perda do amigo com palavras, Milton Nascimento apenas conseguiu balbuciar que, sem Brant, sua vida não seria tão linda. E a nossa, também.

Ao lado de Bituca, companheiro de uma vida inteira, Brant escreveu letras de músicas que fazem parte do imaginário coletivo do brasileiro e do inconsciente coletivo de qualquer mineiro que se preze.

Muitas destas canções voaram por sobre as montanhas, encantando a outras gentes, outros povos.

Falo da já mencionada Travessia, e também de Nos Bailes da Vida, Canção da América, Bola de Meia, Bola de Gude, Paisagem da Janela, Beco do Mota, San Vicente, Encontros e Despedidas e Maria Maria, esta última imortalizada em três grandes gravações de três grandes vozes do mundo: a do próprio Milton e as das duas maiores cantores que a América Latina já produziu, a argentina Mercedes Sosa e a brasileira Elis Regina.

Lembro-me de encontrar-me com Fernando Brant no campus da Universidade Federal de Minas Gerais, durante uma das greves que atravessaram a minha graduação.

Na época, o Diretório Central de Estudantes, o DCE, do qual fazia parte, o convidou para um bate-papo com os alunos sobre o papel da cultura na universidade.

Então na diretoria de Cultura do DCE, lembro-me que Brant, na época secretário municipal de Cultura de Belo Horizonte, aceitou o convite de bom grado e foi, com toda simplicidade do mundo, conversar conosco. O papo fluiu de forma linda, verdadeira e comovente.

Para nós, jovens mineiros acercando-nos de um pensamento intelectual, aquele encontro era mais do que especial. Era ter um mestre, uma referência, um ídolo ali, tão perto. Um homem que havia lutado contra as forças repressoras de uma ditadura com sua poesia. E vencido.

Ver Brant partir é um desalento. Muito de Minas se vai com ele, muito de nossa música popular brasileira também, e de nossa liberdade.

Dá vontade de pedir que ele, de vez em quando, nos mande notícias do mundo de lá para quem fica. Porque, sem o som de suas palavras, nossa música mergulha, ainda mais, nas trevas da noite.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Perfil

Miguel Arcanjo Prado é editor de Cultura do R7, onde está desde o começo do portal, em 2009. É jornalista formado pela UFMG e pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP. É crítico membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes). Nasceu em Belo Horizonte e mora em São Paulo desde 2007, quando ingressou no Curso Abril de Jornalismo. Ainda em Minas, estreou como cronista do semanário O Pasquim 21, passando por TV UFMG e TV Globo Minas. Na capital paulista, foi repórter da Contigo!, da Ilustrada na Folha Online e do Agora São Paulo, no Grupo Folha. Edita e apresenta a Agenda Cultural da TV Record News.

PUBLICIDADE

TOP COMENTARISTAS

  1. 1
    R7 Cultura » Mar de...94 comentários
  2. 2
    lbraslauskas46 comentários
  3. 3
    Phillipe29 comentários
  4. 4
    Luiz Sergio Nacinovic3 comentários
  5. 5
    DIONE2 comentários
  6. 6
    Rafael Carvalho2 comentários
  7. 7
    MAURO ALEXANDRE PEREIRA D...2 comentários
  8. 8
    pedro2 comentários
  9. 9
    Jael Kuster2 comentários
Home de Blogs +