Publicado em 16/04/2015 às 03h04

Cartas de Frida Kahlo e amante são leiloadas por US$ 137 mil

frida kahlo Cartas de Frida Kahlo e amante são leiloadas por US$ 137 mil

Frida Kahlo manteve correspondência farta com seu amante espanhol radicado nos EUA - Foto: Divulgação

Da EFE, em Nova York

A casa de leilões Doyle, de Nova York, leiloou nesta quarta-feira (15), por US$ 137 mil, um lote de 25 cartas inéditas que a artista mexicana Frida Kahlo enviou a seu amante Josep Bartolí, um desenhista e pintor espanhol exilado na cidade americana.

A quantia final superou o preço que a Doyle tinha estimado a princípio, que girava entre US$ 80 mil e US$ 120 mil, e foram compradas por uma pessoa física.

O comprador, cuja identidade não foi divulgada, é um colecionador de arte e artista de Nova York, e um grande admirador de Frida Kahlo, indicaram à Agência Efe fontes da casa de leilões nova-iorquina.

Amor nova-iorquino

Foi precisamente em Nova York onde Bartolí conheceu a artista mexicana e onde começaram um apaixonado romance, que é revelado nas correspondências em questão, desconhecidas até o momento.

A mexicana conheceu Bartolí por meio de sua irmã Cristina, enquanto aguardava para enfrentar uma complicada operação na coluna em um hospital de Nova York, onde foi visitada pelo pintor catalão, a quem escreveu estas mais de cem páginas entre agosto de 1946, quando tinha 39 anos, e novembro de 1949.

A operação foi uma das muitas cirurgias às quais Frida se submeteu após um grave acidente de ônibus que sofreu quando tinha 18 anos, causando uma fratura na coluna vertebral.

JOSEP BARTOLI 02 Cartas de Frida Kahlo e amante são leiloadas por US$ 137 mil

O espanhol Josep Bartolí: correspondência de amor com Frida - Foto: Divulgação

Relação com Rivera

Estas 25 cartas falam de sua doença, de sua tempestuosa relação com seu marido, Diego Rivera, e de sua dificuldade para pintar, mas são principalmente declarações de amor que imortalizam o romance entre a mexicana e este artista.

"Meu Bartolí... Não sei como escrever cartas de amor. Mas queria te dizer que meu inteiro ser está aberto a você. Desde que me apaixonei por você, tudo se transformou e está cheio de beleza... O amor é como um aroma, como uma corrente, como a chuva. Sabe, meu céu que chove em mim e eu, como a terra, te recebo. Mara", diz uma delas.

Frida assinava suas cartas como "Mara", que seria um diminutivo de "maravilhosa", como seu amante a chamava. Ela pediu a Bartolí que assinasse as suas cartas com nome de mulher -"Sonja"- para que Rivera não suspeitasse de sua infidelidade, já que o pintor mexicano não tinha problemas com as relações de sua esposa com outras mulheres, mas era ciumento com os homens.

Segundo a biógrafa de Frida Kahlo Hayden Herrera, as mensagens "mostram uma solidão que rompe o coração e a miséria da dor física", já que foram escritas enquanto se recuperava no México da operação à qual se submeteu em Nova York Embora Frida estivesse profundamente ligada a Rivera, estas cartas sugerem que ela o teria abandonado para viver com Bartolí.

Seu amor pelo espanhol era "apaixonado, carnal, mole e maternal", segundo a análise dos especialistas da casa de leilões. Uma das cartas que escreveu em 1947 expressa sua angústia quando soube através de um amigo que Bartolí tinha estado no México durante três semanas e que não tinha ido vê-la.

A relação acabou em 1949, mas Bartolí nunca deixou de amar Frida Kahlo e guardou a correspondência em seu domicílio até que morreu em Nova York em 1995. Mais tarde, a família de Bartolí a vendeu ao dono que leiloou hoje alguns documentos que também contêm lembranças, como desenhos, flores prensadas e fotografias.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Posts relacionados

Publicado em 12/02/2013 às 10h43

Dor da 2ª Guerra é contada por 16 adolescentes

A 2ª Guerra Mundial sempre terá uma nova forma de ser relatada. Em Éramos Jovens na Guerra, os horrores do conflito são contados em cartas de 16 jovens de diferentes nacionalidades. Deles, apenas três sobreviveram. (mais...)

Posts relacionados

Perfil

Miguel Arcanjo Prado é editor de Cultura do R7, onde está desde o começo do portal, em 2009. É jornalista formado pela UFMG e pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP. É crítico membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes). Nasceu em Belo Horizonte e mora em São Paulo desde 2007, quando ingressou no Curso Abril de Jornalismo. Ainda em Minas, estreou como cronista do semanário O Pasquim 21, passando por TV UFMG e TV Globo Minas. Na capital paulista, foi repórter da Contigo!, da Ilustrada na Folha Online e do Agora São Paulo, no Grupo Folha. Edita e apresenta a Agenda Cultural da TV Record News.

PUBLICIDADE

TOP COMENTARISTAS

  1. 1
    R7 Cultura » Mar de...94 comentários
  2. 2
    lbraslauskas46 comentários
  3. 3
    Phillipe29 comentários
  4. 4
    Luiz Sergio Nacinovic3 comentários
  5. 5
    DIONE2 comentários
  6. 6
    Rafael Carvalho2 comentários
  7. 7
    MAURO ALEXANDRE PEREIRA D...2 comentários
  8. 8
    pedro2 comentários
  9. 9
    Jael Kuster2 comentários
Home de Blogs +