Publicado em 25/05/2015 às 03h04

Núcleo Luz aborda o risco e a incerteza em espetáculo de dança

Okinosmov 7891 Crédito Pamella Gachido Núcleo Luz aborda o risco e a incerteza em espetáculo de dança 

Do R7

Nos dias 26 e 27 de maio, no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo, o Núcleo Luz estreia Okiиosmóv - Um ballet nada яusso. Com entrada gratuita, o espetáculo de dança de Chris Belluomini teve seu processo de pesquisa iniciado em agosto de 2014.

Ele é resultado do trabalho realizado pelos aprendizes do Ciclo II, do programa de formação do Núcleo Luz, projeto que dá oportunidade a jovens de famílias com baixa renda a vivenciarem a dança de forma aprofundada. O projeto é gratuito e oferece bolsa-auxílio, alimentação e transporte aos aprendizes da região metropolitana de São Paulo.

Okiиosmóv tem como centro o risco e a incerteza. O que nos movimenta? O que nos paralisa? Essa e outras inquietações humanas estão contidas na construção dramatúrgica, que tem como principal instrumento de comunicação a linguagem da dança contemporânea.

Além da dança, o espetáculo integra linguagens do teatro e da música. O nome é uma brincadeira, mas que tem um significado sério. Revela nas entrelinhas o acolhimento das múltiplas formas de expressão que compõe o corpo dentro do cenário atual.

Nos últimos seis anos, o Núcleo Luz já criou e apresentou os espetáculos Pedrinho Luz (2007), inspirado no balé russo Petrouchka; Villa Luz – Mestiçagem, a rota das nossas Histórias (2009), baseado na vida e obra de Villa-Lobos, ambos sob a direção artística de Susana Yamauchi; Rito de Passagem (2011), inspirado em A Sagração da Primavera, também de Stravinsky, e Heurói (2013), ambos com a direção artística de Chris Belluomini.

Okinosmov 7529 Crédito Pamella Gachido Núcleo Luz aborda o risco e a incerteza em espetáculo de dança

Okiиosmóv - Um ballet nada яusso
Quando: 26 e 27 de maio, às 20h30.
Onde: Teatro Sérgio Cardoso (r. Rui Barbosa, 153, Bela Vista, São Paulo. Informações: 0/xx/ 11 3288-0136)
Quanto: Grátis
Duração: 90 minutos
Classificação: Livre

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 22/05/2015 às 03h04

Cisne Negro de dança faz apresentações neste fim de semana

 

Sra. Margareth FOTO TOMAS KOLISCH JR Cisne Negro de dança faz apresentações neste fim de semana

Sra. Margareth, por Cisne Negro - Foto: Tomas Kolisch Jr.

Do R7

Entre os dias 22 e 24 de maio, a Cisne Negro Cia. de Dança faz uma curta temporada na Sala Jardel Filho do Centro Cultural São Paulo, com duas coreografias: Trama e Sra. Margareth – Excertos de Monger.

No domingo, a companhia faz uma apresentação especial para deficientes visuais, com audiodescrição dos aspectos visuais: cenários, figurinos e linguagem corporal são apresentados ao público por meio da fala.

A companhia nasceu de uma circunstância especial: sua diretora artística, Hulda Bittencourt, juntou as alunas do Estúdio de Ballet Cisne Negro com alguns atletas da Faculdade de Educação Física da Universidade de São Paulo (USP). A aproximação desses dois universos deu ao grupo sua principal característica: uma dança espontânea, energética, viril e de grande qualidade técnica e artística.

Monger é uma adaptação de Barak Marshall e conta a história de um grupo de funcionários, presos no porão de uma patroa abusiva. Na trilha musical estão elementos da música cigana, clássica e rock. A coreografia explora as dinâmicas de poder, hierarquia, livre-arbítrio e os compromissos que são necessários para sobreviver.

Já o coreógrafo Rui Moreira explica um pouco do que é Trama.

— Neste Brasil mestiço, misterioso e mágico, todos os retratos são tendenciosos, parciais ou comprometidos, observando os brincantes e suas brincadeiras, as festas populares, os folguedos, seus personagens místicos, criam danças que revelam um pouco desta complexa trama de simplicidade, que mostra o transcendente e o contagiante caminho da alegria neste País.

Cisne Negro no CCSP
Quando: De 22 a 24 de maio. Sexta e sábado, às 21h, domingo, às 20h.
Onde: CCSP (r. Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo. Informações: 0/xx/11 3397-4002)
Quanto: R$ 10
Duração: 80 minutos
Classificação: Livre

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 18/05/2015 às 03h04

Explosão embaixo de viaduto no Bixiga mobiliza os corpos em Blow Up (Vol.2)

Lado A. Crédito Mariana Sucupira Explosão embaixo de viaduto no Bixiga mobiliza os corpos em Blow Up (Vol.2)

Foto da performance Lado A - Foto: Mariana Sucupira/Divulgação

Do R7

O que acontece com as coisas após uma explosão? Essa é a pergunta que mobiliza o Núcleo Cinematográfico de Dança em Blow Up (Vol.2), espetáculo performance que se divide em duas partes, Lado A e Lado B, que agita a cidade de São Paulo nas próximas semanas.

Lado A (Você não Pode Construir Uma Árvore de Volta a partir de Fumaça e Cinzas) ocupa o Terreyro Coreográfico, embaixo do viaduto Júlio de Mesquita Neto, no tradicional bairro do Bixiga, de 21 a 24 de maio. Segundo Mariana Sucupira, uma das diretoras do espetáculo, Lado A é uma decomposição progressiva de uma explosão.

— Uma metamorfose contínua, que consiste em abrir os movimentos e as imagens. É uma tentativa de adentrar o silêncio e habitá-lo, mas tudo fica ruidoso, quase insuportável.

Lado B (Tudo é Desastre) conta com o sexteto de bailarinas dirigido por Mariana e Maristela Estrela mais artistas convidados da companhia Les Commediens Tropicales, que propuseram ações que foram incorporadas ao espetáculo. Maristela  fala sobre o roteiro complementar, que ocupa o Cine Art-Palácio, uma das salas da Cinelândia, na avenida São João, de 28 a 31 de maio.

— Essa grande inflamação agita violentamente nossos corpos, perturbando com entrechoques de energia e com agradável humor essa nossa carne. O que sobra da explosão é nada.

Interessante, não? E tudo gratuito! O Núcleo Cinematográfico de Dança usa diferentes técnicas e ferramentas para construção coreográfica e dramatúrgica. A organização, ou seja, a disposição de tudo foi proposta pela companhia em colaboração com cenógrafo e arquiteto Luciano Bussab. Há ainda projeção de imagens, com concepção e edição de Mariana Sucupira. Fause Haten assina o figurino cheio de camadas e volumes, onde peças de roupas são reutilizadas em novas funções.

Blow Up (Vol.2): Depois, Após, Seguinte: Bifurcação Imprevisível

Lado A
Quando: 21 a 24 de maio, quinta a sábado, às 21h, domingo, às 20h.
Onde: Terreyro Coreográfico (embaixo do viaduto Júlio de Mesquita Filho, ponto de encontro em frente ao Teatro Oficina, r. Jaceguai, 520, Bela Vista)
Quanto: Grátis (bilheteria abre uma hora antes)
Classificação: 16 anos
Duração: 60 minutos

Lado B
Quando: 28 a 31 de maio, quinta a sábado, 21h, domingo, 20h.
Onde: Cine Art-Palácio (av. São João,419, centro)
Quanto: Grátis
Classificação: 16 anos
Duração: 60 minutos

Lado B. Crédito Mariana Sucupira Explosão embaixo de viaduto no Bixiga mobiliza os corpos em Blow Up (Vol.2)

Lado B - Foto: Mariana Sucupira/Divulgação

 

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 01/05/2015 às 03h03

Balé Romeu e Julieta é exibido nos cinemas

4Romeu e Julieta3 Balé Romeu e Julieta é exibido nos cinemas

Romeu e Julieta: balé russo nos cinemas - Foto: Divulgação

Do R7

Quem curte a mais trágica história de amor da dramaturgia universal pode ver uma versão poética do texto de William Shakespeare nos cinemas neste fim de semana.

O balé Romeu e Julieta poderá ser visto nas telas da rede UCI de cinemas nos dias 2 e 3 de maio, sábado e domingo agora, às 15h30.

Encenado pela companhia russa Belé Bolshoi, a produção será exibida em 17 salas da rede distribuídas pelo Brasil.

Dirigido por Yuri Grigorovich e regido por Sergei Prokofiev,  o balé apresenta as performances estelares de Alexander Volchkov e Anna Nikulina para contar essa trágica história de amor.

O ingresso é R$ 50 a inteira.

Veja, abaixo, quais salas participam:

UCI Anália Franco (São Paulo), UCI Jardim Sul (São Paulo), UCI Santana Parque Shopping (São Paulo), UCI Kinoplex Norte Shopping (Rio de Janeiro), UCI New York City Center (Rio de Janeiro), UCI ParkShopping Campo Grande (Rio de Janeiro), UCI Kinoplex Plaza Casa Forte Shopping (Recife), UCI Kinoplex Recife Shopping (Recife), Iguatemi Fortaleza (Fortaleza), UCI Shopping Parangaba (Fortaleza), UCI Estação (Curitiba), UCI Palladium (Curitiba), UCI Bosque dos Ipês (Campo Grande), UCI Kinoplex Independência (Juiz de Fora), UCI Ribeirão (Ribeirão Preto), UCI Orient Shopping Barra (Salvador), UCI Kinoplex Shopping da Ilha (São Luís)

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

 

Posts relacionados

Publicado em 10/04/2015 às 14h26

Mineiros levam montanhas para dançar em SP

Entre o Ceu e as Serras Guto Muniz 2 Mineiros levam montanhas para dançar em SP

Bailarinos do Palácio das Artes: dança mineira em SP - Foto: Guto Muniz

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Os mineiros estão entre os melhores bailarinos do Brasil. Tanto que têm sede em Belo Horizonte grupos renomados como Corpo, Primeiro Ato e a Cia. Palácio das Artes. Esta última, apresenta seu celebrado espetáculo Entre o Céu e as Serras em São Paulo nos próximos dias.

As sessões serão dia 18 (sábado, 21h) e 19 (domingo, 18h) de abril, no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros, com entrada a R$ 40 (inteira).

A iluminação é assinada pelo cantor e compositor Ney Matogrosso. Já Cristina Machado é quem dirige a obra já vista por 30 mil pessoas.

Ela conta que o espetáculo "revisita as questões conceituais em torno da identidade e da experiência de mineiridade".

Ou seja, os mineiros levam suas montanhas para dançar em São Paulo. E fazem muito bem.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 16/01/2015 às 03h03

Bailarina discute o tempo no espetáculo Lapso

Lapso. Foto Flavio Samelo baixa 2 Bailarina discute o tempo no espetáculo Lapso

Tempo, tempo, mano velho: Marília Coelho voa em foto de Flavio Samelo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A bailarina Marília Coelho está fazendo os últimos preparativos para estreia de seu primeiro espetáculo solo, Lapso.

Serão duas apresentações: dias 30 e 31 de janeiro, sexta e sábado, sempre às 21h30, no Sesc Belenzinho, em São Paulo.

Filosófica, ela se inspirou na dificuldade de compreender o tempo. O ingresso está barato: custa R$ 20.

Uma curiosidade: o espetáculo tem trilha do compositor turco Serhan Berberoglu e luz de Leandro Dal Farra.

Para quem ficar inquieto após ver a dança, uma exposição de fotos de Flavio Samelo contará o processo de criação da obra nos mínimos detalhes.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 24/10/2014 às 03h08

O Retrato do Bob: Mikhail Baryshnikov, a lenda

mikhail baryshnikov foto bob sousa O Retrato do Bob: Mikhail Baryshnikov, a lendaFoto BOB SOUSA
Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Cada arte tem seus mitos. Na dança, Mikhail Baryshnikov é sinônimo de quando a técnica se encontra com o coração em cima de um palco. Seja nas mais importantes companhias do mundo ou em solos memoráveis, sempre arrancou aplausos fartos, frenéticos. Ao lado de Nijinksky e Nuereyev, forma a trindade dos maiores bailarinos que o mundo já viu dançar. No encontro com Bob Sousa, há o peso de quem é uma lenda.

*BOB SOUSA é fotógrafo e autor do livro Retratos do Teatro (Editora Unesp). Sua coluna O Retrato do Bob é publicada no Atores & Bastidores do R7 toda segunda-feira, com grandes nomes dos palcos. Já às sextas, a coluna O Retrato do Bob sai no blog R7 Cultura, com personalidades do mundo cultural.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 30/09/2014 às 03h10

Espetáculo quebra preconceito com respeito e dança

Olhar de Neblina foto Andre Stefano DSC 2102 Espetáculo quebra preconceito com respeito e dança

Cena do espetáculo de dança Olhar de Neblina: sessões grátis em SP - Foto: André Stéfano

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Os limites estão aí para serem ultrapassados. E os preconceitos, para serem quebrados. Afinal, a liberdade e o respeito ao próximo, ao diferente, é o que importa.

Um espetáculo de dança celebra isso em São Paulo. A diretora Fernanda Amaral reuniu um grupo de cegos e cadeirantes para dançar ao lado de outros bailarinos sem "deficiências".

Por que, não?

Olhar de Neblina é o nome da montagem inspirada na obra do fotógrafo esloveno Evgen Bavcar, cego desde os 12 anos. O nome do grupo não poderia ser outro: Cia. Dança sem Fronteiras.

As sessões, gratuitas, acontecem nos dias 1º e 8 de outubro, às 21h, na SP Escola de Teatro da praça Roosevelt, 210, perto do metrô República. Já nos dias 18, às 20h, e 19 de outubro, às 19h, a montagem estará no Centro da Cultura Judaica, na rua Oscar Freire, 2.500, próximo ao metrô Sumaré.

No elenco estão os bailarinos Camilla Rodrigues do Carmo, Beto Amorim, Zilda Gonçalves, que é cega, Lucineia dos Santos, que só tem 20% da visão, e Rafael Barbosa, que é cadeirante.

Todos simplesmente artistas.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 03/07/2013 às 04h00

Teatro Sérgio Cardoso apresenta o espetáculo Oroboro

A partir desta quarta-feira (03), a Sala Paschoal Carlos Magno, no Teatro Sérgio Cardoso, recebe o espetáculo Oroboro, do coreógrafo Alex Soares. A apresentação tem como tema a memória e a relação entre a infância e a velhice e fica em cartaz até 25 deste mês. (mais...)

Posts relacionados

Publicado em 14/06/2013 às 08h00

Dançarina belga apresenta o espetáculo Riff neste fim de semana

Amplamente influenciada por seu passado na companhia de Pina Bausch, enriquecida por diversos encontros e experiências coreográficas, Dominique Duszynski traz, pela primeira vez ao Brasil, o espetáculo Riff, em duas apresentações no Teatro Anchieta do Sesc Consolação.trans Dançarina belga apresenta o espetáculo Riff neste fim de semana

Ao lado da dançarina Zoi Efstathiou, Duszynski oferece um dueto, lançado como uma onomatopeia, um sopro, um “coro rítmico”.

Em um círculo de areia com oito metros de diâmetro, duas gerações de mulheres se encontram para partilhar a exploração. Um piscar de olhos ao tempo, às suas formas sinuosas, ritmadas pela mudança de expressão.
permitem modificar as cores da coreografia em uma sequência de sensações sensuais, suspensas, caóticas, cúmplices.

(Indicado por Ligia Braslauskas, gerente de jornalismo do R7, @ligiakas)

danca1 Dançarina belga apresenta o espetáculo Riff neste fim de semana

Riff

Quando: sábado (15), às 21h; domingo (16), às 18h. Recomendação etária livre.

Onde:
r. Dr. Vila Nova, 245 - Vila Buarque, tel.: 00xx11-3258-3830.

Quanto: R$ 20 (inteira); R$ 10 (usuário matriculado no Sesc e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$ 5 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes).

 

Posts relacionados

Perfil

Miguel Arcanjo Prado é editor de Cultura do R7, onde está desde o começo do portal, em 2009. É jornalista formado pela UFMG e pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP. É crítico membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes). Nasceu em Belo Horizonte e mora em São Paulo desde 2007, quando ingressou no Curso Abril de Jornalismo. Ainda em Minas, estreou como cronista do semanário O Pasquim 21, passando por TV UFMG e TV Globo Minas. Na capital paulista, foi repórter da Contigo!, da Ilustrada na Folha Online e do Agora São Paulo, no Grupo Folha. Edita e apresenta a Agenda Cultural da TV Record News.

PUBLICIDADE

TOP COMENTARISTAS

  1. 1
    R7 Cultura » Mar de...90 comentários
  2. 2
    lbraslauskas46 comentários
  3. 3
    Phillipe27 comentários
  4. 4
    Luiz Sergio Nacinovic3 comentários
  5. 5
    DIONE2 comentários
  6. 6
    Rafael Carvalho2 comentários
  7. 7
    MAURO ALEXANDRE PEREIRA D...2 comentários
  8. 8
    pedro2 comentários
  9. 9
    Jael Kuster2 comentários
Home de Blogs +