Publicado em 25/06/2015 às 03h03

Museu de Hollywood custará US$ 300 milhões

Hollywood Museu de Hollywood custará US$ 300 milhões

Academia de Hollywood ganhará museu em Los Angeles - Foto: Divulgação

Da EFE, em Los Angeles

O Conselho Municipal da Prefeitura de Los Angeles aprovou nesta quarta-feira (24), oficialmente e por unanimidade, o projeto de construção do museu da Academia de Hollywood, cujas obras custarão US$ 300 milhões.

O museu contará com o projeto do arquiteto Renzo Piano, ganhador de um prêmio Pritzker, e restaurará um edifício anexo ao Museu de Arte do condado de Los Angeles.

"Será a cara pública da Academia durante todo o ano", comentou a presidente da entidade que a cada ano concede os prestigiados prêmios Oscar, Cheryl Boone Isaacs.

A campanha de financiamento do museu, que começou em 2012, já arrecadou US$ 250 milhões de dólares, segundo informou a organização em comunicado.

A iniciativa foi respaldada por figuras como Annette Bening, Tom Hanks, Brett Ratner e Bob Iger, e somou contribuições econômicas de mais de 1.300 pessoas de diferentes parte do mundo.

O edifício, uma vez terminado em 2017, terá 27.000 metros quadrados distribuídos em seis andares nos quais haverá locais para exposições, salas de projeção, espaços educativos e fóruns para eventos especiais, assim como uma cafeteria e uma loja de souvenires.

Suas instalações incluirão também uma sala de cinema de última geração com capacidade para mil espectadores.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Posts relacionados

Publicado em 05/06/2015 às 03h04

Descoberta de navio naufragado honra memória de escravos africanos

11071116 10153047486608152 7087150211523728628 o Descoberta de navio naufragado honra memória de escravos africanos

Museu na África relembra tráfico de escravos com descoberta - Foto: Reprodução/Facebook

Da EFE,

A África do Sul lembrou na última terça-feira (2) os mais de 400 escravos moçambicanos que viajavam no navio português São José-Paquete da África, uma embarcação com destino ao Brasil que naufragou há mais de 200 anos no litoral da Cidade do Cabo.

Os destroços da embarcação escravista, que afundou ao chocar-se com uma rocha dois dias depois do Natal de 1794, foram apresentados no Museu Iziko da Cidade do Cabo para celebrar este achado histórico, o do primeiro navio acidentado com escravos a bordo.

"É a primeira prova concreta do uso de pessoas do leste da África no comércio transatlântico de escravos", afirmou à Agência Efe Melissa Scheepers, do Museu Iziko, destacando a relevância científica da descoberta porque até agora só havia documentos que provavam este fato.

Este êxito arqueológico é responsabilidade do SWP (Slave Wrecks Project), fruto da colaboração entre o Iziko, a Agência Sul-Africana de Patrimônio, a Universidade George Washington e o recém criado Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana dos Estados Unidos.

A primeira prova física da existência do São José-Paquete da África remonta ao anos 80, quando exploradores de tesouros marítimos encontraram restos do navio, que foi identificado então como uma embarcação holandesa. Anos depois, em 2011, o arqueólogo do Iziko, Jaco Boshoff, encontrou nos arquivos do Cabo uma declaração judicial sobre o naufrágio do capitão do São José, que o fez reunir dados e concluir que o navio holandês era na realidade esta embarcação escravista procedente de Moçambique.

Documentos achados em arquivos portugueses e moçambicanos - sobre a carga do navio ao partir de Lisboa e a compra de escravos no país africano, respectivamente - confirmaram pouco depois a teoria de Boshoff, segundo contam fontes do museu sul-africano.

Seguindo o delicado processo científico que permite conservar em bom estado todos os objetos para seu posterior estudo, os destroços do naufrágio foram trazidos à superfície, o que permitirá reconstruir os detalhes das condições nas quais viajavam escravos e traficantes. Segundo informações dos arquivos, a tripulação foi resgatada e levada a terra, assim como, aproximadamente, metade dos escravos, que foram revendidos na Cidade do Cabo e para quem a salvação só representou uma mudança de donos.

A outra metade dos moçambicanos morreu entre as violentas ondas do Atlântico, muito longe das plantações brasileiras de cana de açúcar, seu destino quando embarcaram em 3 de dezembro de 1794.

"É realmente um lugar diante do qual se deve abaixar a cabeça em sinal de respeito, um lugar no qual refletir sobre todos os que fizeram essa viagem, sobre todos os que morreram", comentou o diretor do Museu de História Afro-Americana, Lonnie G. Bunch, sobre o local de descoberta do navio.

Os objetos coletados do fundo do Atlântico serão cedidos durante dez anos pelo Iziko à instituição dirigida por Bunch, que abrirá suas portas ao público o ano que vem em Washington. "Está projetado quase como um memorial", afirmou Bunch sobre a maneira em que os destroços do navio serão expostos no museu.

Entre o material achado no litoral da Cidade do Cabo, utilizado frequentemente como escala pelos navios que navegavam entre o Índico e o Atlântico, há algemas e correntes para imobilizar os escravos, além de diversas ferramentas de ferro e de madeira utilizadas no funcionamento da embarcação.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 12/01/2015 às 03h03

Museu revela história das Cataratas do Iguaçu

cataratas anos 40 Museu revela história das Cataratas do Iguaçu

Acrobatas corajosos se apresentam nas Cataratas na década de 1940 - Foto: Espaço Memória das Cataratas

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O Brasil divide com a Argentina uma das sete maravilhas naturais do mundo: as Cataratas do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, Paraná.

O Parque Nacional, além das famosas quedas de água, acaba de ganhar uma nova atração: o Espaço Memória das Cataratas, aberto no último fim de semana e que já funciona todos os dias das 9h às 17h.

O museu tem 1.500 fotografias digitalizadas em seu acervo — a grande maioria tirada com a paisagem deslumbrante de fundo ao longo das décadas do século 20.

Veja 7 dicas imperdíveis em Foz do Iguaçu

A exibição das imagens é interativa e o espaço ainda conta ainda com depoimentos de quem viveu os tempos em que se aventurar até as Cataratas era missão para corajosos, já que exigia desbravar a mata virgem, bem diferente do parque estruturado que recebe os turistas de hoje em dia.

O padrinho do parque é Santos Dumont, o pai da aviação que visitou o local em 1916. Ficou tão encantado que escreveu ao governador do Paraná, incentivando-o a transformar o espaço em parque público.

E turista não falta por lá desde então. Mesmo competindo com Copa do Mundo e eleições, o Parque Nacional do Iguaçu recebeu 1.550.607 visitantes em 2014, vindos de 172 países. Depois do Brasil, com 904.305 visitantes, as nações que mais mandaram turistas foram: Argentina, Paraguai, Estados Unidos, França, Alemanha, Espanha, Japão, Inglaterra, Austrália e Peru.

O parque ainda faz um apelo para incrementar ainda mais o museu. Pede para quem tiver fotos familiares antigas das Cataratas do Iguaçu para enviá-las por meio do site Memória das Cataratas. Pelo jeito, o acervo vai crescer e muito.

cataratas do iguacu antonio bartuccio divulgacao Museu revela história das Cataratas do Iguaçu

Cataratas do Iguaçu: parque recebeu 1,5 milhão de visitantes em 2014 - Foto: Antonio Bartuccio/Divulgação

Veja 7 dicas imperdíveis em Foz do Iguaçu

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 24/12/2014 às 03h08

Passaporte libera entrada em museus em 2015

pinacoteca Passaporte libera entrada em museus em 2015

Pinacoteca do Estado de São Paulo está na lista de 18 museus liberados pelo passaporte que será distribuído no dia 26 de dezembro - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Quer ser uma espécie de visitante VIP dos museus de São Paulo? Pois é só visitar um dos 18 museus paulistas geridos pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo nesta sexta (26).

Todo visitante, neste dia, receberá um interessantíssimo presente de Natal: um passaporte que valerá até novembro de 2015 para as 18 instituições.

Serão distribuídos 5.000 passaportes ao todo, por ordem de chegada e sujeitos à disponibilidade do material em cada instituição.

Portanto, após a comilança natalina, acorde cedo na sexta e vá ao museu.

Em São Paulo, fazem parte desta programação a Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida, Catavento, Museu Afro Brasil, Museu de Arte Sacra, Memorial da Resistência, Museu da Imigração, Museu da Casa Brasileira, Museu do Futebol, Museu da Língua Portuguesa, Paço das Artes, Pinacoteca, Estação Pinacoteca e MIS.

No interior, participam o Museu Índia Vanuíre, em Tupã; o Museu de Esculturas Felícia Leirner, em Campos do Jordão; o Museu do Café, em Santos e o Museu Casa de Portinari, em Brodowski.

Veja abaixo o endereço dos que estão na capital paulista:

Casa das Rosas
Av. Paulista, 37 - Bela Vista - São Paulo-SP
Estação Brigadeiro do Metrô (850m)
(11) 3285-6986 | 3288-9447
Funcionamento: de terça a sábado, das 10h às 22h | domingos e feriados, das 10h às 18h.
Grátis
www.casadasrosas.org.br

Casa Guilherme de Almeida
Museu: R. Macapá, 187 - Pacaembu - São Paulo-SP - Metrô Sumaré (900m)
(11) 3672-1391 e 3868-4128
Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h.
Atende a escolas, mediante agendamento.
Grátis

Anexo: Rua Cardoso de Almeida, 1943 (próximo à estação Sumaré)
(11) 3673-1883
Funcionamento: variável com a programação.
Entrada gratuita.
www.casaguilhermedealmeida.org.br

Catavento Cultural e Educacional
Palácio das Indústrias - Praça Cívica Ulisses Guimarães, s/no (Av. Mercúrio), Parque Dom Pedro II, Centro – São Paulo/SP.
Estação Dom Pedro II (600m)
(11) 3315-0051
Funcionamento: terça a domingo, das 9h às 17h (bilheteria fecha às 16h).
Estacionamento: R$ 10 até 4 horas (para visitantes do museu). Adicional por hora: R$ 2,00 (capacidade para 200 carros). Ônibus e vans: R$20,00.
R$ 6,00 | Grátis aos Sábados
www.cataventocultural.org.br/mapas.asp

Memorial da Resistência
Largo General Osório, 66 - Luz - São Paulo-SP
Metrô Luz (500m)/ CPTM Julio Prestes (240m)
(11) 3335-4990
Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 17h30
Grátis
Agendamento de visitas educativas 3324.0943 ou 0944
www.memorialdaresistenciasp.org.br

Museu Afro Brasil
R. Pedro Álvares Cabral, s/nº - Pavilhão Manoel da Nóbrega - Parque do Ibirapuera, portão 10 - São Paulo-SP
Estacionamento pelo portão 3 (cartão Zona Azul)
(11) 3320-8900
Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h (entrada até as 17h)
R$ 6,00 | Grátis às quintas-feiras e sábados
www.museuafrobrasil.org.br

Museu da Casa Brasileira
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2,705 - Jardim Paulistano - São Paulo-SP
CPTM Cidade Jardim (850m)
(11) 3032-3727 / 3032-2564
Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h
R$ 4,00 | Grátis aos sábados, domingos e feriados
Entrada gratuita para crianças até 10 anos e idosos acima de 60 anos
www.mcb.org.br

Museu da Imagem e do Som - MIS
Av. Europa, 158 - Jardim Europa - São Paulo-SP
(11) 2117-4777
Funcionamento: de terça a sexta, das 12h às 22h | sábados, domingos e feriados, das 11h às 21h

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Posts relacionados

Publicado em 21/10/2014 às 03h10

Kotscho apresenta Inhotim, a Disney das artes

inhotim Kotscho apresenta Inhotim, a Disney das artes

Localizado nos arredores de BH, Instituto Inhotim é boa pedida - Foto: Divulgação

O colunista do R7 Ricardo Kotscho apresenta para Heródoto Barbeiro Inhotim, museu de arte contemporânea localizado em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, Minas Gerais. Veja o vídeo:

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

 

Posts relacionados

Publicado em 23/12/2012 às 05h00

Aprenda a entender a arte contemporânea

Quem nunca parou em frente a uma tela e ficou pensando: mas o que será que esse artista quis dizer com isso?  Como entender um quadro gigante com hambúrguer no meio? (mais...)

Posts relacionados

Publicado em 03/08/2010 às 13h35

Inhotim é obrigatório pra quem curte paisagismo

Localizado na pequena e simpática cidade de Brumadinho, a mais ou menos 1h de Belo Horizonte (e a uns 60 km de distância), o Instituto Inhotim é como um sonho que virou realidade. (mais...)

Posts relacionados

Perfil

Miguel Arcanjo Prado é editor de Cultura do R7, onde está desde o começo do portal, em 2009. É jornalista formado pela UFMG e pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP. É crítico membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes). Nasceu em Belo Horizonte e mora em São Paulo desde 2007, quando ingressou no Curso Abril de Jornalismo. Ainda em Minas, estreou como cronista do semanário O Pasquim 21, passando por TV UFMG e TV Globo Minas. Na capital paulista, foi repórter da Contigo!, da Ilustrada na Folha Online e do Agora São Paulo, no Grupo Folha. Edita e apresenta a Agenda Cultural da TV Record News.

PUBLICIDADE

TOP COMENTARISTAS

  1. 1
    R7 Cultura » Mar de...94 comentários
  2. 2
    lbraslauskas46 comentários
  3. 3
    Phillipe29 comentários
  4. 4
    Luiz Sergio Nacinovic3 comentários
  5. 5
    DIONE2 comentários
  6. 6
    Rafael Carvalho2 comentários
  7. 7
    MAURO ALEXANDRE PEREIRA D...2 comentários
  8. 8
    pedro2 comentários
  9. 9
    Jael Kuster2 comentários
Home de Blogs +