Publicado em 06/12/2014 às 15h26

Silvia Ribeiro: “A gente não conta para ninguém”

violencia rio Silvia Ribeiro: A gente não conta para ninguém

Engolimos em silêncio, enquanto comemoramos: "Ainda bem que não sou eu" - Foto: Divulgação

Por SILVIA RIBEIRO*
Editora-executiva do R7 Rio

A violência estampada nos jornais está longe daquela sentida na carne.

À criança flagrada nesta semana pelo jornal O Globo tomando banho num bueiro do centro do Rio, reservamos uma pouca parcela da nossa indignação, enquanto viramos a página do periódico e nos esquecemos por completo daquela violência.

Engolimos em silêncio a execução de um PM com 17 tiros, no último sábado (29), em São João de Meriti (Baixada Fluminense), enquanto comemoramos, lá no fundo do pensamento: "Ainda bem que não sou eu".

O cardápio é tão extenso, as solução tão longínquas, impossíveis, que nem nos damos mais ao trabalho de digeri-las. As violências.

Desde que me mudei para o Rio de Janeiro e fui além dos limites da turística zona sul temo a bala perdida que não me encontrou ou o criminoso de fuzil em riste ao dobrar a esquina.

Nascida e criada na cidade de São Paulo, cheguei ao Rio há quase quatro anos, quando os efeitos do programa de UPPs (Unidades de Polícias Pacificadoras) eram tímidos e a violência alcançava a todos.

Não pretendo aqui avaliar erros, acertos e ajustes dessa política de segurança. Fato é que o descontrole do Estado sobre extensos territórios da capital fluminense abria ainda mais espaço a violências inimagináveis.

— Ah, os anos 90... Você não tem ideia da cobertura jornalística dos anos 90. Em operação da polícia, era tiroteio que não acabava mais. Artilharia pesada — comentou uma vez um colega de profissão.

— Silvia, quando a gente via imagem aérea de fumaça preta, era batata: mais um microondas. — relatou outra jornalista se referindo à prática de traficantes de queimar vivas vítimas envoltas em pneus, o chamado "microondas".

— Iiiihhh... Aqui na Mangueira era rajada de tiro direto. Ouvia-se de longe.

A ocupação do Estado em favelas cariocas, onde facções criminosas agiam (e continuam a agir, diga-se), reduziu sim a criminalidade, ainda que tudo esteja há léguas e léguas do ideal.

Se ontem todos tinham um caso de violência recente na manga, da zona sul à baixada, hoje ela se concentra mais em áreas pobres — claro que as demais áreas não estão blindadas.

São o Amarildo; o estupro coletivo realizado por PMs no Jacarezinho; mulheres, idosos e crianças vítimas de balas perdidas em tiroteios entre polícia e bandido nas comunidades; mais de cem PMs mortos só neste ano em serviço e em folga... Exemplos não faltam.

Cruzar parte da cidade, da zona sul ao subúrbio, é tarefa da qual não abro mão. Minha dose diária de realidade. Para mim, a violência é um monstrão debaixo da cama.

Na noite do segundo turno das eleições deste ano, um tiquinho dele apareceu para que eu não deixe de acreditar que ele existe. Para que eu não confie demais nessa fantasia de que somos blindados, de que temos o "corpo fechado".

Voltava de Benfica, na zona norte, para casa em um carro insulfimado (quem estava de fora não nos via dentro do carro  — eu, uma colega e o motorista). Já havíamos passado diante da Mangueira e de sua estátua de Cartola, quando ao dobrar uma esquina, demos de cara com uma blitz policial.

Sentava no banco da frente. O motorista parou o carro, acendeu a luz interna e baixou o vidro elétrico. Procedimento padrão. Aos olhos do PM, conforme a janela se abria, surgiu aos poucos a imagem de uma mulher - o cabelo, a testa, os olhos, o nariz, a boca — falando com o marido ao telefone, o cotovelo apoiado na janela.

Num átimo, como um golpe marcial, vi o cano de seu fuzil baixar e mirar o meu nariz a menos de 1 m de distância.

Sem parar de falar ou perder o raciocínio, mantive o celular na orelha direita, enquanto levantei devargazinho a outra mão, como num clássico do velho oeste americano quando os bandidos são pegos com a boca na botija. O gesto era de "eu me rendo".

O motorista voltou a engatar a primeira marcha — certamente fora autorizado pelo policial —, enquanto eu e minha colega desatamos a rir. A gargalhada foi tão alta que olhei para trás, com medo de represália. Nosso riso foi uma espécie de grito de pavor. O motorista achou que era graça mesmo e me tranquilizou:

— Pode deixar. A gente não conta para ninguém que você levantou os braços.

*SILVIA RIBEIRO é editora executiva do R7 no Rio. Colunista convidada, escreve no R7 Cultura todo primeiro sábado do mês. A opinião dos colunistas convidados não reflete, necessariamente, a opinião do R7.

Posts Relacionados

Publicado em 29/12/2012 às 12h56

A Carioca: conheça o estilo da cidade maravilhosa

Este guia apresenta de forma charmosa e bem-humorada as situações e experiências vividas por quem mora no Rio.
(mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 17/12/2012 às 11h23

Obras de fotógrafo são ótimos presentes de Natal

O fotógrafo paulista de nascença, mas carioca por opção, Almir Reis, acaba de criar uma série de caixas de acrílico no tamanho 20x30 com as paisagens do Rio (Leia mais) (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 11/12/2012 às 06h00

Livro sobre o Rio e a moda será lançado nesta terça

A jornalista de moda Marcia Disitzer e a editora Casa da Palavra lançam nesta terça-feira o livro Um Mergulho no Rio – 100 Anos de Moda e Comportamento na Praia Carioca. (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 02/11/2011 às 09h58

Peça de Malkovich seduz plateia com confissões

Conhecido no Brasil pelo filme Quero Ser John Malkovich, o ator norte-americano John Malkovich é popular por estar em trabalhos excêntricos e também por ter uma personalidade esquisita.

(mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 28/09/2011 às 22h19

Celeiro de novos nomes da música chega ao RJ

Celeiro de novos nomes da MPB, chega ao Rio de Janeiro nesta sexta-feira (30) o Studio RJ, filial do Studio SP, casa que criou um conceito de cena musical paulistana. (mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 30/03/2011 às 17h56

Flor de Macambira encerra temporada no Rio

Com quase 6.000 km percorridos pelo Brasil nos últimos 40 dias, a turnê da peça Flor de Macambira, do grupo paraibano Ser Tão Teatro termina sua temporada na noite desta quarta-feira (30).

(mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 04/02/2011 às 12h52

Mostra ‘Warhol TV’ chega ao Rio

As experiências com a televisão são o alvo da exposição do artista que abre as portas nesta quarta-feira (02).

(mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 24/09/2010 às 06h30

Grupo de São Paulo estreia peça no CCBB do Rio

A Companhia do Latão, grupo teatral de São Paulo, desembarca mais uma vez no Rio de Janeiro

(mais...)

Posts Relacionados

Publicado em 07/08/2010 às 22h59

Leitores de todo o mundo se reúnem na Flip

A 8ª Festa Literária Internacional de Paraty (RJ) reúne leitores e escritores em uma das cidades históricas mais preservadas do país.

(mais...)

Posts Relacionados

Perfil

Miguel Arcanjo Prado é editor de Cultura do R7, onde está desde o começo do portal, em 2009. É jornalista formado pela UFMG e pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela ECA-USP. É crítico membro da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes). Nasceu em Belo Horizonte e mora em São Paulo desde 2007, quando ingressou no Curso Abril de Jornalismo. Ainda em Minas, estreou como cronista do semanário O Pasquim 21, passando por TV UFMG e TV Globo Minas. Na capital paulista, foi repórter da Contigo!, da Ilustrada na Folha Online e do Agora São Paulo, no Grupo Folha. Edita e apresenta a Agenda Cultural da TV Record News.

PUBLICIDADE

Home de Blogs +
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com