priscilla 1 <i>Priscilla, Rainha do Deserto</i> é o melhor musical de São Paulo

André Torquato, Ruben Gabira e Luciano Andrey: o competente trio de Priscilla - Foto: Caio Gallucci

Por Miguel Arcanjo Prado

Na última década, o teatro musical brasileiro voa em velocidade estonteante. Tal fôlego transformou São Paulo na Broadway brasileira e culmina em um espetáculo à altura da nova alcunha da cidade.

Nos últimos dias, estrearam quatro grandes produções: A Família Addams, O Violinista no Telhado, Tim Maia, Vale Tudo e, por último, Priscilla, Rainha do Deserto, na última sexta (16). Como na frase bíblica, o último já é o primeiro da lista.

A história criada pelo australiano Stephan Elliot em apenas 12 dias, em 1993, tornou-se, no ano seguinte, o filme Priscilla, Rainha do Deserto, vencedor do Oscar de melhor figurino e um dos grandes sucessos de todos os tempos do cinema australiano.

Em 2006, Elliot resolveu o que parecia óbvio: aquela história daria um musical. Para tanto, uniu-se a Allan Scott e estreou a obra naquele ano nos palcos de Sidney.

O sucesso foi imediato e, desde então, Priscilla foi visto por 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo Nova York, onde está em cartaz há um ano na Broadway e foi visto por 300 mil pessoas.

A versão brasileira é assinada por Flávio Marinho. Mas a tradução se concentrou nos diálogos, já que a maior parte das canções foram mantidas em inglês. Afinal, hits como It’s Raining Men, Material Girl, True Colors e I Will Survive dispensam apresentações.

Em conversa com o blog logo após a estreia da última sexta (16), o simpático Elliot, que é casado com um brasileiro, contou que ficou impressionado com o elenco paulistano.

Revelou que, “enquanto em outros países via atores olhando para o relógio quando os ensaios demoravam, os brasileiros demonstraram garra e disposição para fazer sempre o melhor, levasse o tempo que fosse”.

Tal compromisso é perceptível no palco. Luciano Andrey, Ruben Gabira e André Torquato, o trio que dá vida às drag queens que viajam pelo interior da Austrália em um ônibus performático, apresentam construção minuciosa de cada personagem, coisa não muito comum em musicais.

Em Priscilla, interpretação e diálogos não foram postos de lado diante dos números musicais. Demonstram igual força e cuidado.

O talentoso Andrey, que já havia chamado a atenção ao interpretar outro gay confuso em Mambo Italiano, empresta força cênica a Mitzi, o drag queen que tem medo de não ser aceito pelo filho que deixou no interior do país, agora com seis anos.

Gabira dá charme e carisma à transexual Bernadette, a veterana do trio. Já o jovem Torquato exibe invejável técnica corporal aliada a um timing cômico em seus ousados números.

O elenco traz nomes conhecidos: Saulo Vasconcelos, nosso primeiro grande ator de musicais, abraça o caipira Bob, Lissah Martins, que protagonizou Miss Saigon, faz uma engraçada participação como a fogosa mulher deste, Cynthia.

Simone Gutierrez incorpora o time de divas, ao lado das também ótimas cantoras Priscila Borges e Lívia Graciano, e causa impacto no número de Girls Just Wanna Have Fun, de Cyndi Lauper.

São 28 nomes no elenco, incluindo três crianças que se dividem para interpretar Benji, o filho de Mitzi. Todos num mesmo registro. Ponto para a direção.

Entretanto, Priscilla não conquista apenas por sua grandiosidade. Tudo bem, são 500 figurinos de cair o queixo, 200 perucas espalhafatosas e 23 toneladas de cenário, somando-se aí o impressionante ônibus de oito toneladas e 30 mil pontos de LED. Mas o que realmente pega o público é a história bem contada e interpretada.

A inventiva direção de Simon Phillips, com direção musical de Stephen “Spud” Murphy (em parceria com a diretora residente Tania Nardini e o diretor musical residente Miguel Briamonte), mantém o espectador dentro da história.

O luxo dos figurinos de Tim Chappel e Lizzy Gardiner, a luz de tirar o fôlego de Nick Schlieper ou as verdadeiras obras de arte das maquiagens e perucas de Ben Moir não concorrem com o texto. Muito pelo contrário, aliam-se a ele para tornar o musical impactante.

Isto faz o público de Priscilla deixar os preconceitos do lado de fora do teatro. Não são apenas drags exuberantes e engraçadas no palco. Apesar do bom humor mantido, há vida humana, com o drama dos sucessos e fracassos.

Como disse Elliot ao blog, qualquer um que assistir à obra, seja gay ou heterossexual, sairá do teatro com menos preconceito e com uma lição aprendida: a de que, apesar das perucas, saltos e maquiagem em excesso de alguns, todos nos igualamos em sermos simplesmente humanos.

O desenho de sentimentos caros ao homem como o amor e a amizade é a força deste belíssimo espetáculo, sem dúvida alguma, o melhor musical de São Paulo e, por isso, é imperdível.

Priscilla, Rainha do Deserto
Avaliação: ótimo
Quando: quinta e sexta, 21h; sábado, 17h e 21h; e domingo, 16h e 20h; Até dez/2012
Onde: Teatro Bradesco (av. Turiassú, 2.100, Pompeia, Shopping Bourbon, São Paulo, tel. 0/xx/11 3670-4141)
Quanto: R$ 40 a R$ 250
Classificação: 12 anos (mas menores desta faixa etária podem entrar com os pais)

Leia também:

Tiago Abravanel é o destaque de Tim Maia

Musical tem ingresso grátis no centro de SP

 

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
12 Comentários

"Priscilla, Rainha do Deserto é o melhor musical de São Paulo"

19 de March de 2012 às 12:51 - Postado por Miguel Arcanjo Prado

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Crítica: Musical O Mágico de Oz, da dupla Möeller e Botelho, rompe fronteiras entre adultos e crianças - Teatro Atores & Bastidores - R7
    - 28/04/2013 - 12:01

    [...] Completam os amigos de Dorothy um correto, preciso e discreto Nicola Lama, como o Homem de Lata, e André Torquato, na pele do Espantalho, em uma construção de corpo e voz que reflete trabalho árduo, como o ator já havia demonstrado em Priscilla – Rainha do Deserto. [...]

    Responder
  • Leandro
    - 11/12/2012 - 14:37

    Simplesmente sensacional!

    Responder
  • Cibele T.
    - 09/09/2012 - 14:36

    Assisti ao espetáuculo "Priscilla" ontem, e estou simplesmente maravilhada. Atores fantásticos, e todo o elenco encanta. Vozes, figurinos, dança, criatividade, cenário. Quanta arte ! Vale a pena mesmo!!!!!!!!!! Aconselho a todos que não percam. Pretendo assistir novamente! Parabéns a todos, e que venham mais espetáculos como este!

    Responder
    • Miguel Arcanjo Prado
      - 15/09/12 - 12:37

      Cibele, eu também gosto muito de Priscilla. É um ótimo musical. Abraços e obrigado pela leitura!

  • Lana Santos
    - 03/09/2012 - 0:57

    Pena que em 02/09/2012, no espetáculo das 16h, uma falha técnica de automação do ônibus, conforme informaram após mais de 1h de paralisação, cancelou o espetáculo. O problema foi a falta de organização da produção para explicar o que estava acontecendo e depois para organizar filas para troca de ingressos. Lamentável. Das 16h30 as 17h35 sem satisfação alguma para o público. Só após vais, assobios e palmas, uma voz em off comentou que a tecnologia era muito complexa e uma falha de automação levou à parada, mas que o espetáculo já iria começar. 10 min depois, nova falha e o espetáculo foi cancelado. Os poucos funcionários não sabiam informar direito e pediram para quem quisesse o reembolso entrasse no sac, via internet. Quem quisesse trocar por outro dia de espetáculo, que fosse ao guiche para efetuar a troca e um funcionário estaria anotando os nomes. Dois guichês para atender a todos, tumulto e desorganização. Lamentável. Durante a parada (imensa) poderiam ter interagido ao menos com a platéia, com música (do próprio espetáculo), os atores para conversar com a platéia, ou qqr outra interação que não levasse todos a ficarem FRUSTRADOS!!!

    Responder
    • Miguel Arcanjo Prado
      - 15/09/12 - 12:38

      Lana, demos a nota na coluna Por trás do pano. É mesmo muito chato quando falhas técnicas acontecem em espetáculos deste tipo, cuja grandiosidade dos efeitos é um dos grandes atrativos. Um abraço e obrigado por se manifestar aqui! Volte sempre!

  • IEDA
    - 17/06/2012 - 2:26

    SENSACIONAL , MAAAARAVILHOSO , NÃO PERCAM , MUIIIITO BOM MESMO , PARABENS !!!

    Responder
  • Canto desafinado de atriz global Paloma Bernardi gera polêmica nos bastidores de Fame, o Musical | Atores & Bastidores
    - 23/05/2012 - 13:43

    [...] Antonio – Gabriela - Em turnê Avaliação: Priscilla, Rainha do Deserto - BradescoAvaliação: Tim Maia, Vale Tudo - Procópio FerreiraAvaliação: A Mecânica das Borboletas - [...]

    Responder
  • Ator de Priscilla, Luciano Andrey vira DJ da Gambiarra | Atores & Bastidores
    - 28/04/2012 - 18:18

    [...] Priscilla, Rainha do Deserto - BradescoAvaliação: Luis Antonio – Gabriela - Em turnê Avaliação: Marlene Dietrich - Teatro Nair BelloAvaliação: Tim Maia, Vale Tudo - Procópio FerreiraAvaliação: Vermelho - Teatro GEOAvaliação: Ultimos Posts / Comentários [...]

    Responder
  • Musicais investem R$ 60 milhões no Brasil | Atores & Bastidores
    - 20/04/2012 - 12:22

    [...] Priscilla, Rainha do Deserto - Teatro BradescoAvaliação: Tim Maia, Vale Tudo – O Musical - Procópio FerreiraAvaliação: Conversando com Mamãe - RenaissanceAvaliação: Vermelho - Teatro GEOAvaliação: A Família Addams - Teatro AbrilAvaliação: Ultimos Posts / Comentários [...]

    Responder
  • Sucesso em Priscilla, Luciano Andrey tem história de vida tão forte quanto à de seu personagem no musical | Atores & Bastidores
    - 03/04/2012 - 10:47

    [...] Priscilla, Rainha do Deserto - Teatro BradescoAvaliação: A História de Nós 2 - Teatro GazetaAvaliação: Conversando com Mamãe - RenaissanceAvaliação: Tim Maia, Vale Tudo – O Musical - Procópio FerreiraAvaliação: O Idiota – Uma Novela Teatral - Oficina Cultural Oswald de AndradeAvaliação: Ultimos Posts / Comentários [...]

    Responder
  • Atílio
    - 20/03/2012 - 20:01

    Numa cidade como Sao Paulo, onde gays sao mortos nas ruas, é uma vitória ver um sucesso de um espetáculo como este. Parabéns por abrir um espaco para que se fale da diversidade! E vamos todos ver Priscilla!

    Responder
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com