Posts de 04/07/2012

moliere guilherme Saiba quem já concorre ao Prêmio Shell no Rio e SP

Guilherme Sant’Anna concorre como melhor ator por L’illustre Molière: obra recebeu quatro indicações

O Prêmio Shell de Teatro divulgou a primeira lista de indicados do Rio de Janeiro e de São Paulo à sua 25ª edição. Estes espetáculos concorrem ao troféu juntamente com aqueles que forem selecionados no segundo semestre. A entrega só acontece no começo de 2013.

Em São Paulo, o espetáculo L’illustre Molière, que retrata a vida e obra do dramaturgo francês Molière, recebeu quatro indicações: Sandra Corveloni foi indicada pela direção; Guilherme Sant’Anna como ator; figurino com Zé Henrique de Paula; e Fernanda Maia em música.

Na categoria especial concorrem a Cia. São Jorge de Variedades pelo trabalho de pesquisa e criação de Barafonda e a Companhia Antropofágica pelo processo de pesquisa em Máquinas de Intervenção Urbana.

Quatro obras cariocas do primeiro semestre empataram quanto ao número de indicações. Obsessão, A Primeira Vista, As Mimosas da Praça Tiradentes e Adeus a Carne ou Go to Brazil receberam, cada uma, duas indicações.

Veja a lista completa de indicados em SP:

Autor
Ana Roxo por Cabeça de Papelão
Luís Alberto de Abreu por Francesca

Direção
Neyde Veneziano por Mistero Buffo
Sandra Corveloni por L’illustre Molière

Ator
Domingos Montagner por Mistero Buffo
Guilherme Sant’Anna por L’illustre Molière
João Paulo Lorenzon por Eu Vi o Sol Brilhar em Toda sua Glória

Atriz
Lucia Romano por A Travessia de Kalunga Grande
Walderez de Barros por Hécuba

Cenário
José Takla por Vermelho
Zé Henrique de Paula por Bichado

Figurino
Gabriel Villela e Shicó do Mamulengo por Macbeth
Zé Henrique de Paula por L’illustre Molière

Iluminação
Lúcia Chedieck por Eu Vi o Sol Brilhar em Toda sua Glória
Wagner Freire e Armazém da Luz por Ifigência

Música
Adilson Rodrigues por Cabeça de Papelão
Ernani Maletta por Hécuba
Fernanda Maia por L’illustre Molière

Categoria Especial
Cia. São Jorge de Variedades pelo trabalho de pesquisa e criação de Barafonda
Companhia Antropofágica pelo processo de pesquisa em Máquinas de Intervenção Urbana

O júri de São Paulo é formado por Alexandre Mate, Carlos Colabone, Marici Salomão, Noemi Marinho e Mario Bolognesi.

Veja a lista completa de indicados no Rio:

Autor
Carla Faour por Obsessão
Julia Spadaccini Quebra-Ossos

Direção
Henrique Tavares por Obsessão
Moacir Chaves por Negra Felicidade

Ator
Gustavo Gasparani por As Mimosas da Praça Tiradentes
Tonico Pereira por A Volta ao Lar

Atriz
Drica Moraes por A Primeira Vista
Kelzy Ecard por Breu

Cenário
Adriano Guimarães, Fernando Guimarães e Ismael Monticelli por Nada
Doris Rollemberg por Querida Helena Sergueievna
Vandré Silveira por Farnese de Saudade

Figurino
Flavio Souza por Os Mamutes
Samuel Abrantes por O Auto da Compadecida

Iluminação
Adriana Ortiz por Adeus a Carne ou Go To Brazil
Maneco Quinderé por A Primeira Vista

Música
Domenico Lancellotti por Modéstia
Lucas Macier e Fabiano Krieger por Adeus a Carne ou Go To Brazil

Categoria Especial
Beto Carramanhos pelo visagismo dos espetáculos As Mimosas da Praça Tiradentes e O Mágico de Oz
Frederico Reder pela reforma e reabertura do teatro Tereza Rachel, atual Theatro Net Rio
Grupo Alfândega 88 pela ocupação do teatro Serrador

O júri do Rio é formado por Ana Achcar, Bia Junqueira, João Madeira, Macksen Luiz e Sérgio Fonta.

Em mês olímpico, atores correm 42 km no palco

Surdos ganham linguagem de sinais nos teatros

Véspera tem filosofia de botequim em meio ao caos

Descubra agora o segredo de cada miss

Viva Zélia Gattai!

O Retrato do Bob: o charme de Giordano Castro

Conheça a musa e o muso do teatro de junho

Coluna do Miguel Arcanjo nº 182: A cartinha da Zizi

Veja dicas da Agenda Cultural do Record News SP e programe o seu fim de semana

Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

maratona Foto de Desirée do Valle NY 202  Em mês olímpico, atores correm 42 km no palco

Anderson Muller e Raoni Carneiro correm por uma hora de peça - Foto: Desirée do Valle

Por Miguel Arcanjo Prado

Quando tinha 12 anos, o ator Anderson Muller foi assaltado na praia do Leblon, no Rio. Petrificado, ouviu dos bandidos: “Corra sem parar e não olhe para trás”. No desespero, correu de forma desenfreada até Copacabana, onde ficava o apartamento de seus pais. Apesar do susto e do trauma, descobriu na corrida um prazer do qual jamais conseguiu se desvencilhar e que agora transforma em arte.

Ao lado de Raoni Carneiro, ele está no espetáculo Maratona de Nova York, que estreia em São Paulo nesta sexta (6), no Teatro Cacilda Becker, na Lapa.

A corrida mais almejada do mundo, com seus 42 quilômetros de puro charme cosmopolita, é o pano de fundo para o encontro de dois maratonistas.

Sob direção de Bel Kutner, Anderson Muller e Raoni Carneiro dão vida a dois esportistas, Mario e Steve, que treinam para a prova.

A peça estreia justo no mês de começo das Olimpíadas de Londres. Muller, que também assina a produção, explica que não foi de caso pensado. Trata-se daquelas coincidências boas da vida. Está tão empolgado, que deseja ficar em cartaz na capital paulista até 2013.

Beth Rabetti traduziu o original escrito pelo italiano Edoardo Erba, montado pela primeira vez no País. Carneiro conta que a coreógrafa Denise Stutz teve papel fundamental na preparação física do elenco.

— Tanto eu quanto o Anderson gostamos muito de esporte, mas ela me fez mexer com músculos que eu desconhecia. Apesar do esforço físico, ela nos fez impor uma linguagem teatral à corrida.

A obra ainda tem iluminação de Paulo César Medeiros e direção de arte de Mauro Vicente e Charles Boggis, além de trilha sonora de André Abujamra.

Bel Kutner, a diretora, destaca a “simplicidade a agilidade da conversa dos dois personagens” como ponto forte da obra. Ela, que se dividiu entre os ensaios e as gravações da novela Gabriela (Globo), tentou fazer com que o esforço físico dos atores em cena.

—Pretendo que os atores consigam passar todo prazer, toda a endorfina dos atletas, sem tensão, sem dor. Com muito suor.

Tanto Muller quanto Carneiro destacam esse encontro em um momento de superação física como metáfora para os obstáculos da vida. O primeiro crê que é aí que mora a beleza da obra. E aproveita para alfinetar.

— Teatro não é só para rir e achar lindo.

Peça tem novidade tecnológica

Para dar mais impacto às cenas noturnas de corrida dos dois personagens, a produção resolveu ambientá-los em pontos turísticos de São Paulo, como a avenida Paulista e a ponte Estaiada. Para tal, a produção contratou os videomakers Mauro Vicente e Charles Boggis, que captaram imagens em vídeo de 360 graus com câmera com seis lentes em alta definição, iguais àquelas usadas pelo Google em seu Street View. As cenas, de beleza impressionante, serão projetadas durante o espetáculo.

Qual corrida é a melhor?

  • Maratona de Nova York - EUA
  • Corrida de São Silvestre - SP

Maratona de Nova York
Quando: sexta e sábado, às 21h; domingo, às 19h. Até 29/7/2012.
Onde: Teatro Cacilda Becker (r. Tito, 295, Lapa, São Paulo, tel. 0/xx/11 3864-4513)
Quanto: R$ 20
Classificação: 12 anos

Surdos ganham linguagem de sinais nos teatros

Véspera tem filosofia de botequim em meio ao caos

Descubra agora o segredo de cada miss

Viva Zélia Gattai!

O Retrato do Bob: o charme de Giordano Castro

Conheça a musa e o muso do teatro de junho

Coluna do Miguel Arcanjo nº 182: A cartinha da Zizi

Veja dicas da Agenda Cultural do Record News SP e programe o seu fim de semana

Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com