planiomarcos sergio araki ae 1974 redacaoestadodesaopaulo Peça mostra Plínio Marcos apaixonado por futebol

Grande jornalista: Plínio Marcos na redação do Estado de S. Paulo em 1974 - Foto: Sergio Araki/AE


Por Miguel Arcanjo Prado

A diretora e atriz Graça Berman, da Cia. Letras em Cena, foi amiga íntima de Plínio Marcos, jornalista e dramaturgo dos bons que nos deixou em 1999, conhecido como autor do teatro maldito. Com ele viveu situações divertidas e também provocadoras de reflexão.

O espetáculo A Bola da Vez: Plínio Marcos, em cartaz no Teatro Maria Della Costa, em São Paulo, é uma forma que ela encontrou de deixar viva a memória dele, bem como mostrar ao público contemporâneo, que muitas vezes só conhece o dramaturgo, o grande jornalista que Plínio foi, com passagem por veículos como Veja e Placar.

Além de ir ao encontro do jornalista esportivo, o espetáculo traz, a cada quinta-feira, nomes que tiveram contato com ele, entre artistas, futebolistas e amigos. Nesta quinta (16), Cléber Machado, Luis Gonzaga Belluzzo e Oswaldo Mendes conversam com a plateia ao fim da montagem.

A obra tem no elenco Décio Pinto, Ana Arcuri, Fabricio Garelli, Gira de Oliveira, Jota Barros, Ricardo Pettine e Tania Luares.

Graça conversou com o R7 sobre o trabalho e relembrou a amizade com Plínio, em conversa marcada pela emoção. Leia a entrevista:

graca berman Peça mostra Plínio Marcos apaixonado por futebol

Graça Berman foi amiga de Plínio - Arquivo pessoal

R7 – De onde surgiu a ideia de homenagear o Plínio jornalista esportivo em um espetáculo?
Graça Berman - Desde 2002, o grupo trabalha com futebol, com o espetáculo Nossa Vida É uma Bola. No trabalho da pesquisa, descobrimos o lado boleiro do Plínio Marcos. Havia três contos dele nessa peça, ao lado de textos de Carlos Drummond de Andrade, Luis Fernando Veríssimo e Juca Kfouri, entre outros. Eram 13 autores ao todo. Como o material era muito rico, pnesamos: por que não faz peças com os diferentes olhares de um artista sobre o futebol? Assim surgiu o projeto Bola da Vez.

R7 – Quer dizer que será uma série de peças?
Graça Berman – Sim. Optamos por começar com o Plínio, de como ele via o futebol. São sete atores no palco vivendo e contando as histórias dele.

R7 – Você era amiga do Plínio Marcos?
Graça Berman – Eu era amiga dele. Era meu irmão. Convivemos muito do início da década de 1980 até o fim da vida dele [em 1999]. Então, é mais simples falar de uma pessoa que eu conheço.

R7 – Como era o Plínio?
Graça Berman – O Plínio era muito brincalhão. Adorava tirar sarro das pessoas. Eu participei do movimento estudantil, fui uma das fundadoras do PT [partido com o qual não tem mais ligação], mas nunca fui presa. Só fui detida em uma passeata. O Plínio conhecia minha mãe de encontros no Gigetto [restaurante paulistano frequentado por jornalistas e classe teatral]. Um dia, a minha mãe atendeu o telefone e alguém do outro lado da linha disse: “Onde está a camarada Graça?”. Como minha mãe disse que eu não estava, ele ordenou: “Então, a senhora anote aí: vovô viu a uva”. Minha mãe não entendeu. Ele explicou: “É um código, minha senhora”. Quando voltei para casa, minha mãe queria saber em que eu estava metida. Mas ela não acreditou e me deu a maior dura. E tudo foi culpa do Plínio, que passou aquele trote. Quando fui reclamar com ele, ele ria muito. Ele adorava fazer brincadeiras assim.

R7 – O Plínio foi marcado por ser uma pessoa muito idealista e fiel a seus princípios...
Graça Berman – Sim, o Plínio era uma pessoa muito coerente. É uma das poucas pessoas coerentes que conheci. E ele cobrava isso das pessoas. Dizia que você não pode falar uma coisa e fazer outra. Uma vez ele me repreendeu: “Você é de esquerda, mas faz comercial na TV para banco, incentivando o povo a consumir uma coisa em que você não acredita”. São reflexões como essa que colocamos na peça de alguma maneira.

R7 – O Plínio é de um tipo de antes da queda das ideologias. Hoje somos todos iguais ao Cazuza, cantando “ideologia, eu quero uma pra viver”...
Graça Berman – Eu não acredito em mais ninguém. Quem pode ser meu ídolo hoje? Ninguém. Recuperar Plínio nesta peça é recuperar um artista de outra época. Mas será que essa época era legal? Eu fico também me preguntando.

R7 – Acho que o Plínio ainda mexe com você.
Graça Berman – Sim. Eu fiz muita campanha para o PT e fazia também a propaganda do Banco Real. Ele achava uma puta contradição e estava certo. Mas quando ele descobriu que estava com diabetes, ele me contou e falou que ia comprar a merda da insulina. Eu descolei com o médico a insulina e ele falou que tinha de ter geladeira. No outro dia, eu fui lá e comprei o frigobar e mandei entregar no apartamento que ele vivia, na Teodoro Baima, ali perto do Teatro de Arena. Eu falei para ele: “Eu comprei com o dinheiro dos comerciais”.

R7 – E essa história de trazer amigos do Plínio para a peça?
Graça Berman – Toda quinta feira vai ter bate-papo depois do espetáculo. É bom lembrar que quem for com camisa de time de futebol para ingresso com desconto. Nesta quinta vamos ter o Cléber Machado, o Beluso, que é ex-presidente do Palmeiras e amigo do Plínio no Gigetto, e o Oswaldo Mendes... Vamos montar uma biografia dele no palco.

R7 – Mexer com esse amigo do seu passado lhe deu saudade?
Graça Berman – Eu estou com 53 anos. E sinto que a vivência do tempo esta cada vez mais rápida. O cara de 30 já se acha de meia-idade. Nessa época, a gente era jovem. A gente acreditava. Hoje, as coisas são mais aceleradas e, infelizmente, há um excesso de informação, mas a memória está mais fragmentada. As pessoas perderam as referências. Por isso, elas acham difícil situar um cara que já morreu, como o Plínio. Mas a gente tem de lembrar desse cara. Estamos apresentando um cara do bem ao público, chamado Plínio Marcos.

A bola da Vez Plinio Marcos Peça mostra Plínio Marcos apaixonado por futebol

Elenco do espetáculo A Bola da Vez: Plínio Marcos, em cartaz no Teatro Maria Della Costa - Divulgação

A Bola da Vez: Plínio Marcos
Quando: Quinta e sexta, às 21h. Até 12/10/2012
Onde: Teatro Maria Della Costa (r. Paim, 72, Bela Vista, São Paulo, tel. 0/xx/11 3231-4725)
Quanto: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada). Atenção: quem for com camisa de time de futebol para apenas R$ 20
Classificação: 13 anos
Espalhe por aí:
Imprimir:
Enviar por e-mail:
2 Comentários

"Peça mostra Plínio Marcos apaixonado por futebol"

16 de August de 2012 às 06:00 - Postado por Miguel Arcanjo Prado

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Gabriel
    - 16/08/2012 - 18:47

    Adorei a ideia de relembrar dos caras legais que já passaram por aqui. Estamos acelerados mesmo?! O mundo nos trava e nos envelhece... acaba conosco.

    Responder
    • Miguel Arcanjo Prado
      - 17/08/12 - 18:51

      É isso mesmo, Gabi. Mas é preciso estar atento e forte, como cantava a Gal.

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com