Mormac¸o Laerte Ke´ssimos Edu Zenati e Thiago Vieira Foto Bibi Piragibe Sucesso faz Mormaço prorrogar temporada em SP

Espetáculo do Núcleo Experimental tem bando de skinheads - Foto: Bibi Piragibe

Por Miguel Arcanjo PradoO espetáculo Mormaço prorrogou temporada até 4 de outubro no charmoso Teatro do Núcleo Experimental, na Barra Funda, em São Paulo. O motivo foi a farta procura da obra pelo público.

A montagem dirigida por Zé Henrique de Paula agora é apresentada às terças, quartas e quintas, sempre às 21h.

Retrato de uma geração perdida

Foi o escritor norte-americano Ernest Hemingway quem popularizou, no livro O Sol Também se Levanta, lançado em 1927, o termo “geração perdida”, criado na verdade pela escritora Gertrude Stein, sua contemporânea e compatriota..

Se num primeiro momento a alcunha serviu para descrever aqueles que viveram a juventude entre a Primeira Guerra e a Grande Depressão de 1929, nas décadas seguintes a expressão foi tomada de empréstimo várias vezes para definir juventudes largadas no mundo. Gente sem eira nem beira..
O termo parece se encaixar com precisão nos personagens do espetáculo Mormaço.

Texto sem esperança

O jovem dramaturgo Ricardo Inham escreveu um texto cru e sem esperanças. Nele, três histórias se sucedem: um grupo de skinheads persegue um casal de lésbicas punks; dois irmãos interioranos órfãos de mãe planejam a morte do pai tirano e estuprador, e, por fim, dois jovens skatistas que “pegam” a mesma “mina” desmiolada entram em confronto.

Como todo escritor, Inham acaba por imprimir em seu espetáculo comportamento comum de seus contemporâneos, a chamada geração Y, nascida pós 1980. Esta, apesar do advento da internet e da conexão mundial em redes sociais, padece de isolamento, solidão e falta de perspectiva diante do excesso de possibilidades. Só que assim como a geração perdida de Hemingway, a retratada por Inham também acredita estar sem possibilidade nenhuma.

Talvez o grande acerto da dramaturgia seja demonstrar que, diante da falta de olhar para o futuro, acrescida da miséria intelectual vigente, parte dessa geração – apresentada no espetáculo – preferiu abraçar a pior forma de manifestar-se no mundo: a violência, que no espetáculo pode surgir a qualquer momento, impiedosa.

Como se fossem desprovidos do pensamento racional, os personagens de Inham agem como os ferozes cães da raça pitbull. A ótima metáfora do autor ganha vida no palco por atores completamente nus tranformados em cachorros, em um bom achado cênico-corporal proposto pela direção e executado com vigor pelo elenco.

Apesar de algumas obviedades – e quem disse que o mundo real não o é também? –, a peça de Inham, chamada por ele de dramaturgia de fricção, consegue fugir do reducionismo ao distribuir a violência em lugares distintos. Tal qual os noticiários comprovam, ela não mais é exclusividade das grandes metrópoles.

O espetáculo mostra que o perigo pode estar em qualquer lugar onde exista cabeça vazia, o que faz lembrar um dito popular muito comum na boca das mães e avós de Minas, de onde vem o autor, natural de Guaxupé: “cabeça vazia é oficina do diabo”.

Iluminação sufoca públicoZé Henrique de Paula consegue transpor a aridez do texto na ambientação assinada por ele: um cenário cru composto apenas por um banco e pequenos ramos de mato quase seco que teimam crescer na dureza do cimento. O cenário (ou a falta dele) dialoga com os modernos e duros figurinos também sob responsabilidade do diretor.

A “suja” iluminação de Fran Barros, quase sempre em contra-luz, ajuda a trazer para o público a sensação de aprisionamento no mormaço em que se encontram os personagens, sensação esta reforçada pela fumaça que inebria e sufoca a pequena sala na Barra Funda.

Apesar de ficar evidente a proposta de atuação que foge do realismo ou naturalismo, o elenco não funciona em sua totalidade. Laerte Késsimos se sobressai como o líder dos skinheads na primeira cena, bem como também quando se transforma em cão. Ainda na primeira, Juliana Calderón e Ana Elisa Mattos, as punks lésbicas, também convencem e comovem, sobretudo quando são espancadas. Na segunda cena, Valmir Martins e Stephanie Lourenço conseguem passar a sintonia que une os irmãos subjugados da segunda cena.

Apesar de poucos destaques no elenco, o recado seco da obra funciona. Mormaço é um soco seco na barriga da plateia, que sai da sala como quem escutou um grito mudo de uma geração perdida que parece não querer ser encontrada.

Mormaço
Avaliação: Bom
Quando: Terça, quarta e quinta, às 21h. Até 4/10/2012
Onde: Teatro do Núcleo Experimental (r. Barra Funda, 637, Barra Funda, Metrô Marechal Deodoro, tel. 0/xx/11 3259-0898)
Quanto: R$ 30
Classificação: 16 anos.
 
Veja fotos exclusivas de Luis Antonio – Gabriela

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Comente

"Sucesso faz Mormaço prorrogar temporada em SP"

1 de September de 2012 às 14:15 - Postado por Miguel Arcanjo Prado

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com