valsa divulgacao Peça mórbida de Nelson Rodrigues, Valsa nº 6 ganha frescor com boneca da Cia. Teatro Portátil no Rio

Boneca manipulada por três atores dá vida a personagem emblemática de Nelson Rodrigues - Divulgação

Por Átila Moreno, no Rio
Especial para o Atores & Bastidores*

Há várias maneiras de se contar a mesma história. No caso de uma obra escrita por Nelson Rodrigues, o risco se torna iminente em relação à tamanha responsabilidade, sobretudo no ano de centenário do dramaturgo.

A Companhia Teatro Portátil foi deliciosamente atrevida. O grupo resolveu remontar, mergulhando no teatro de animação, a peça Valsa nº 6. Aliás, depois de Vestido de Noiva (1943), essa é uma das mais emblemáticas na carreira do Anjo Pornográfico.

O texto é o primeiro monólogo do escritor, encenado pela primeira vez por meio do teatro de bonecos. A história gira em torno de uma paranoica personagem, que se depara com a árdua tarefa de ir decifrando um intrigante quebra-cabeça existencial.

Mais uma vez, Nelson Rodrigues inclui loucura, intrigas, crime e traição, só que num universo de uma adolescente.

A garota de 15 anos, obcecada pela Valsa nº6 de Chopin, tenta achar respostas diante de um assassinato. Mal sabe ela que ali vão surgir conflitos sobre sua identidade e personalidade.

Da montagem original sai de cena Dulce Rodrigues, irmã de Nelson, que em 1951 atuou como protagonista, e entra uma boneca incrivelmente personificada nas mãos dos atores-manipuladores Flávia Reis, Julia Schaeffer e Guilherme Miranda.

Muitas características continuam latentes nessa remontagem, como por exemplo, o roteiro com forte carga psicológica, que despeja reflexões aleatórias na cabeça do espectador.

Ninguém consegue sair ileso nesse misterioso terreno movediço nelsonrodrigueano, onde a dualidade humana é colocada em xeque.

O grande trunfo dessa equipe, em comparação com outras remontagens, foi utilizar o teatro de animação e as inserções audiovisuais para contar uma tragédia poética.

Trabalho tão impecavelmente bem produzido que se tornou um espetáculo à parte, dando um frescor contemporâneo.

De certa forma, tais elementos cenográficos e sonoros oferecem um clima singelo e encantador, que brinca com a vertente cômica, sem desmerecer a essência policial contida na história.

Além do mais, o diretor Alexandre Boccanera conseguiu suavizar na medida certa o drama excessivo, tão comum no estilo inconfundível e exagerado de Nelson Rodrigues.

*O jornalista Átila Moreno escreveu a convite do blog.

Valsa Nº6
Avaliação: Bom
Quando: quarta a domingo, às 19h30. Até 21/10/2012
Onde: Centro Cultural Banco do Brasil – Rio – Teatro 1 (r. Primeiro de Março 66, Centro, Rio, tel. 0/xx/21 3808-2020)
Quanto: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia-entrada)
Classificação: 14 anos

Veja também:

Mirada leva 100 pessoas ao teatro em Santos

 
 
 
 

 

Leia a coluna:

Leia ainda:


Leia mais:

Mexicanos incendeiam o Mirada

Adolf Shapiro fala ao R7 com exclusividade

Professorinha abusada vira tema de peça

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Comente

"Peça mórbida de Nelson Rodrigues, Valsa nº 6 ganha frescor com boneca da Cia. Teatro Portátil no Rio"

17 de September de 2012 às 16:10 - Postado por Miguel Arcanjo Prado

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com