caca carvalho foto lenise pinheiro Cacá Carvalho tenta virar um homem ordinário

Após estreia no FIT-BH, monólogo com Cacá Carvalho encerra temporada em São Paulo - Foto: Lenise Pinheiro

Por Miguel Arcanjo Prado

Hoje, todo mundo é alguma coisa. E a vida parece bem mais glamourosa do que é realmente. Nem que seja no Twitter ou no Facebook, caso a realidade não colabore muito. Certamente o furor das redes sociais, nas quais as pessoas constroem versões de quem são, instigaria, e muito, o dramaturgo italiano Luigi Pirandello (1867- 1936).

Afinal, essa construção de um ser a partir do olhar do outro é a grande questão de seu livro Um, Nenhum e Cem Mil, adaptado para os palcos por Stefano Geraci e Roberto Bacci no monólogo umnenhumcemmil, que o ator Cacá Carvalho apresenta até este domingo (23) no teatro do Sesc Bom Retiro, em São Paulo. A montagem é uma realização da Casa Laboratório para as Artes do Teatro e Fondazione Pontedera Teatro, com produção do Núcleo Corpo Rastreado.

A peça conta a história de Vitangelo Moscarda. Este um dia fica intrigado quando sua mulher – “que só serve para achar defeitos no marido” – lhe faz uma observação sobre o formato de seu nariz, que ele jamais havia se dado conta. Nisso, ele percebe que é resultado de uma imagem que os outros construíram dele e mergulha em uma crise existencial.

O diretor Roberto Bacci transforma a encenação em metáfora do recado do texto. Em um palco de recursos cenográficos diminutos propostos por Marcio Medina, Cacá incorpora o filho de banqueiro que termina limpando o chão, para tentar ser alguém comum e não aquele construído pelo olhar alheio. Singelas, a luz de Fábio Retti e a música de Ares Tavolazzi são quase anônimas, em cumplicidade com a proposta cênica.

A montagem encerra trilogia com textos de Pirandello feita pela dupla Carvalho e Bacci, junta há um quarto de século, que realizou também O Homem com a Flor na Boca, em 1993, e A Poltrona Escura, em 2003.

A premissa do texto de umnenhumcemmil é realmente instigante. Afinal, na contemporaneidade cada vez mais importante é o que se aparenta ser, em contraponto aos reais valores.

Todos querem ser vistos, notados, admirados, mesmo que não tenham qualidades para isso. Se falta estofo, o mundo virtual ajuda a criar aura de fantasia a respeito de qualquer um. É exatamente disso que o espetáculo debocha elegantemente.

Cacá abraça seu personagem com veemência, e não o abandona nem quando o público demonstra estar um pouco enfadonho – afinal é um monólogo de 80 minutos. Talentoso, o ator brinca com os instrumentos do ator, como a voz, o corpo e a expressão, e vai fundo nas matizes humanas.

Cacá está tão imerso na busca que move seu personagem – e ele próprio, é claro – que resolve levar parte da plateia para o centro do palco, aos poucos. Recurso talvez não tão feliz, mas compreensível.

Diante a luz da ribalta, esse espectador que foi pego pela mão pelo ator fica exposto contra a sua vontade. É violento. Mas talvez seja aí que more o real sentido disso. Essa exposição do público no palco – mesmo que involuntária – serve de metáfora para a busca de Vitangelo (e de Cacá), que se despe de suas máscaras de forma intensa. O ator não exige que o público faça nada. Apenas que permaneça sentado, no tablado, diante dos olhares de quem ficou na plateia. E continua seu espetáculo, muitas vezes interagindo com seus eleitos, que permanecem petrificados alguns.

Umnenhumcemmil mostra que tirar a carapuça dói. Expõe. Tal desejo soa forte num mundo onde a individualidade é exacerbada com máscaras pungentes que costumam resistir até ao mais terrível vendaval. Afinal, ninguém quer ser ordinário.

umnenhumcemmil
Avaliação: Bom
Quando: Sábado, 19h; domingo, 18h. 80 minutos. Até 23/9/2012
Onde: Sesc Bom Retiro (al. Nothmann, 185, Bom Retiro, São Paulo, tel. 0/xx/11 3332-3600)
Quanto: R$ 24 (inteira); R$ 12 (meia-entrada e usuários do Sesc) e R$ 6 (comerciários)
Classificação: 14 anos

Veja o vídeo com dicas para seu fim de semana:

[r7video http://videos.r7.com/confira-destaques-da-agenda-cultural-em-sao-paulo/idmedia/505c852cfc9bbe9cb321425e.html]

Leia mais:

Saiba quem é a rainha de Antonio Fagundes

Leia a coluna:

Por trás do pano - Rapidinhas teatrais

Leia ainda:
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
1 Comentário

"Cacá Carvalho tenta virar um homem ordinário"

22 de September de 2012 às 09:09 - Postado por Miguel Arcanjo Prado

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Tadeu Ibarra substitui Alberto Guzik em duas peças e diz: “Lido com respeito a uma memória presente” - Teatro Atores & Bastidores - R7
    - 23/07/2013 - 13:19

    [...] Cacá Carvalho tenta virar homem ordinário [...]

    Responder
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com