saltaIMG 5269 Crítica: Peça do Coletivo Teatro Dodecafônico, ¡Salta! aposta no não dito para criar significados

Peça do Coletivo Teatro Dodecafônico: corpos falam mais do que palavras - Foto: Cacá Bernardes

Por Miguel Arcanjo Prado

A peça ¡Salta! dialoga com o público desde o começo. Pouco antes de a função do Coletivo Teatro Dodecafônico ter início no Sesc Santo Amaro, em São Paulo, o espectador é convidado a ouvir a apresentação de um dos personagens em fones de ouvido – cada pessoa ouve a de um personagem diferente.

Enquanto as palavras são ditas no ouvido de cada um, os personagens desfilam em silêncio sob o olhar de todos em espaço aberto, antes do convidarem o público a entrar na sala de teatro convencional, onde a história, já cheia de expectativa, promete se desenrolar. 

Mas, logo, o espectador acaba por perceber que o que não está dito será fundamental para a significação da obra.

Salta5508 crédito Cacá Bernardes Crítica: Peça do Coletivo Teatro Dodecafônico, ¡Salta! aposta no não dito para criar significados

¡Salta! está em cartaz no Sesc Santo Amaro (SP)

A cidade de Salta, no norte da Argentina, empresta seu nome à peça. Mas está longe do enredo querer ser um típico retrato do lugar. A proposta é outra: ser um retrato cênico da arte cinematográfica de uma saltenha, a cineasta argentina Lucrécia Martel, que deu ao lugar uma visão estética e poética com seu olhar artístico.

A encenadora Verônica Veloso, em parceria com seus atores, se inspirou em três longas de Martel, A Mulher Sem Cabeça, O Pântano e A Menina Santa, para a criação do espetáculo. O Dodecafônico assumiu a difícil tarefa de recriar uma atmosfera pensada por outro artista para uma outra linguagem. E obtiveram sucesso. O conhecedor do cinema de Martel percebe no palco a atmosfera delicada e cheia de silêncios que a diretora argentina imprimiu em seus filmes.

A peça, como os filmes, convida o público a preencher de significado as lacunas dessa poética. Assim, a visão da obra depende da sensibilidade de cada espectador.

Com pensamento aberto à cultura alheia, no caso a de nossos hermanos argentinos, os atores Beatriz Cruz, Gabriela Cordaro, Joaquim Lino, Katia Lazarini e Miriam Rinaldi conseguiram uma argentinidade que surpreende. Sobretudo, porque a trupe é brasileira. Pulsa na obra aquela mistura de pose europeia e decadência latino-americana que os argentinos sabem mesclar tão bem.

A peça, com dramaturgia de Veronica Stigger, expressa nos corpos o que não é dito pela palavra. E ajudam nesta composição estética os simples e refinados figurinos de Jorge Wakabara, bem como os objetos da delicada cenografia proposta Vânia Medeiros e a sensível luz assinada por Taty Kanter.

Coeso e à vontade, o elenco traz um destaque: Miriam Rinaldi. A atriz, com sua evidente experiência de palco, consegue dar peso necessário à proposta cênica desta obra.

¡Salta!
Avaliação: Muito bom
Quando: Sexta, às 20h. Sábado, domingo e feriado, às 19h. Até 3/3/2012
Onde: Sesc Santo Amaro (r. Amador Bueno, 505, Metrô Largo 13, São Paulo, tel. 0/xx/11 5541-4000)
Quanto: R$ 12 (inteira); R$ 3 (usuário do Sesc) e R$ 3 (comerciário e dependentes)
Classificação etária: 18 anos

Salta 3820 Cacá Bernardes miriam Crítica: Peça do Coletivo Teatro Dodecafônico, ¡Salta! aposta no não dito para criar significados

A atriz Miriam Rinaldi é o destaque no elenco do espetáculo ¡Salta! - Foto: Cacá Bernardes

Leia também:
 
Fique por dentro do que os atores fazem nos bastidores
 
Descubra agora tudo o que as belas misses aprontam
 
Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
3 Comentários

"Crítica: Peça do Coletivo Teatro Dodecafônico, ¡Salta! aposta no não dito para criar significados"

13 de February de 2013 às 15:04 - Postado por Miguel Arcanjo Prado

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Por trás do pano – Rapidinhas teatrais - Teatro Atores & Bastidores - R7
    - 19/04/2013 - 14:07

    [...] argentino 1 A peça  ¡Salta!, que fez sucesso no Sesc Santo Amaro com o Teatro Dodecafônico (leia a crítica) baseada nos filmes de Lucrécia Martel, volta aos palcos paulistanos no Tusp. Reestreia no dia 8 [...]

    Responder
  • Felipe
    - 17/02/2013 - 15:55

    Essa foto lembra a coreografia de PIECE OF ME, de Britney Spears (embora eu deteste essa cantora)... Mas entendi a cor Almodovariana dessa peça, até porque é um texto latino.

    Responder
    • Miguel Arcanjo Prado
      - 19/02/13 - 20:49

      Felipe, acho que a peça não tem a ver com Almodóvar. Tem a ver com outra cineasta, a argentina Lucrécia Martel. Mas é seu olhar... Aquele abraço!

Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com