Jose Sampaio 014 Dois ou Um com José Sampaio

O ator paulistano José Sampaio é destaque na peça Adormecidos, do Satyros - Foto: Thiago Abe

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O paulistano José Sampaio é ator da Cia. Os Satyros. Neste sábado (26), às 19h, encerra a temporada da peça Adormecidos (leia a crítica), com texto do norueguês Jon Fosse e direção do brasileiro Rodolfo García Vázquez, no Espaço dos Satyros Um, na praça Roosevelt, no centro de São Paulo. Vive um homem apaixonado do começo ao fim. Sua atuação é um dos destaques da obra. Na TV, esteve em 2013 na premiada série A Menina sem Qualidades, da MTV, dirigida por Felipe Hirsch. O ator aceitou o convite do Atores & Bastidores do R7 para participar de nossa coluna Dois ou Um. Dez perguntas cheias de possibilidades. Ou não.

E agora, José ou mundo mundo vasto mundo?
Engraçado que os dois poemas sempre me acompanharam pela vida. José, claro, por meu nome, e o Poema de Sete Faces, pela ideia de ser gauche na vida, essa coisa de fim de festa e época errada, de alguma forma sempre me pegou. Me vi muito neles e aprendi. Sempre achei Drummond um dos maiores gênios de todos os tempos, com essa capacidade de fazer caber o aperto no peito em suas palavras. Escolho os dois e mais tantos outros.

O rei da brincadeira ou o rei da confusão?
Sempre evitei confusão, ê José...

Satyros Um ou Satyros Dois?
No Dois eu comecei, tenho grande carinho pelo espaço, pelo porão, as memórias e aquela carga pesada de lá. No Um eu me encontrei, me desenvolvi, e encontrei muitos amigos. O Dois tá na memória, o Um no agora.

Dilma ou Aécio?
Um outro modelo de democracia.

Israel ou Palestina?
Tenho ótimos amigos judeus, mas não dá pra respeitar a atitude do Estado de Israel e a loucura que isso virou. Eles só estão querendo acabar com tudo logo, destruir de uma vez a Palestina. É só ver como a ofensiva deles foi avançando durante os anos, até deixar o povo palestino sem saída. E ninguém vislumbrará saída enquanto a humanidade permanecer dividida em religiões (todas as religiões) e Estados (todos os Estados), porque ambos só existem para cegar as pessoas e difundir o ódio e o medo. Não há diplomacia que dê jeito nisso.

Ucrânia ou Rússia?
Outro triste exemplo de divisão, étnica, política e econômica, que gera apenas guerra e morte. Enquanto uma estúpida crença étnica existir, haverá tantos outros casos de Ucrânia x Russa, Palestina x Israel. A salvação é que existem pessoas por aí que compreendem o fato de existir uma única humanidade, uma única raça humana. Sem países, sem religiões, sem dominação étnica. Só assim a guerra pode terminar.

Lars von Trier ou Quentin Tarantino?
Trier para encontrar a sombra. Tarantino para rir dela.

Elis ou Rita?
Elis.

Praia carioca ou interior de Minas?
Não sou lá muito afeito a praia. E Minas está no meu coração... então...

Todas as mulheres do mundo ou eu quero a sorte de um amor tranquilo?
Tenho a sorte de um amor tranquilo. Bjoteamo, minha nega!

Leia outras edições da coluna Dois ou Um

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Adormecidos José Alessandro Sampaio Foto de Rodrigo Dionisio Frame1 Crítica: Satyros se dá bem com drama Adormecidos

José Sampaio, em Adormecidos: ator conquista respeito como idoso apaixonado - Foto: Rodrigo Dionisio

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A gente acaba sempre querendo muita coisa. O te amo pra sempre junto do te amo demais é uma das nossas obsessões. Às vezes, é possível. Às vezes, não. Na cidade fria erguida no concreto, essas dores podem ser mais intensas.

A Cia. Os Satyros, acostumada a desvendar tabus no palco, resolveu mergulhar na simplicidade do relacionamento a dois na peça Adormecidos.

Referência do teatro underground brasileiro, o diretor Rodolfo García Vázquez imprime seu olhar ao drama burguês contemporâneo.

O texto é do minimalista Jon Fosse, dramaturgo norueguês de 54 anos que vem conquistando espaço na cena mundial com suas peças.

Apresenta um jovem filho que conta a história de amor de seus pais e a de desamor de um outro casal que também morou naquele lugar. O primeiro casal está em constante sintonia fina por toda a vida; o outro se afoga na falta de comunicabilidade.

O amor intenso, a aventura barata, a traição, o cuidar do outro e o passar dos anos — sempre implacável — é acentuado na montagem, na qual inventivamente a direção brinca com espelhos —um acertado cenário criado por Luiza Gottschalk. Isso cria e desconstrói atmosferas e, mais, joga o público para dentro daqueles conflitos, que são de todos nós.

Adormecidos é simples, mas não superficial, sobretudo porque dialoga com expectativas que trazemos conosco.

adormecidos andrestefano Crítica: Satyros se dá bem com drama Adormecidos

Elenco se destaca em Adormecidos, do Satyros: em primeiro plano, o casal formado por Tiago Leal e Katia Calsavara, ao fundo e ao centro, o casal formado pelos atores José Sampaio e Luiza Gottschalk - Foto: André Stéfano

O elenco está afinado. Joga junto. Henrique Mello, na pele do filho e ao mesmo tempo executor da trilha, em cena, dialoga com aquele entorno onde a perda está sempre à espreita. Vai, acertadamente, no mínimo.

Atores experientes, Katia Calsavara e Tiago Leal concretizam o desencontro constante do casal que interpretam. Há um certo enfado no ar, de ambos, com aquela situação de amor forçado. Exigido. Os atores passam todos estes sentimentos com propriedade.

Com uma atuação repleta de força, Calsavara é um dos destaques da peça, ao lado do ator José Sampaio, que vive o casal eternamente apaixonado ao lado de Luiza Gottschalk. Sampaio está tão presente e intenso em cada cena que conquista o respeito do público, sobretudo quando seu personagem chega à velhice. Neste momento, o ator se impõe ainda mais, com uma atuação comovente.

O ar alternativo dos Satyros se fez presente na sessão vista pelo R7. A lanterna empunhada por Katia Calsavara não acendeu em uma cena em que era fundamental que isso ocorresse. Os Satyros precisa se dar conta que, em certos aspectos, não é preciso levar o espírito underground às últimas consequências. Ou não, que fique assim mesmo. Talvez seja já charme e parte do folclore.

Entretanto, antes que esta crítica termine, é preciso ressaltar a delicadeza com que Daise Neves compôs os figurinos da obra. Eles dialogam intensamente com a encenação. São belos e frágeis como o amor e a vida.

Leia a coluna Dois ou Um com o ator José Sampaio!

Adormecidos
Avaliação: Muito bom
Quando: Sábado (26/7/2014), 19h, última apresentação
Onde: Espaço dos Satyros Um (praça Roosevelt, 214, São Paulo, tel. 0/xx/11 3258-6345)
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Classificação etária: 12 anos
Avaliacao Muito Bom R7 Teatro PQ Crítica: Satyros se dá bem com drama Adormecidos

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

coluna dafoe selfie Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Jovem faz selfie com Willem Dafoe após estreia de The Old Woman - A Velha - Foto: Marcelo Brammer e Thiago Duran/AgNews

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Faz uma selfie comigo?
Nem o ator estadunidense Willem Dafoe se livrou da nova moda. Assim que surgiu no saguão do Teatro Paulo Autran, em São Paulo, teve de tirar uma selfie com um jovem fã. Havia acabado de estrear em solo brasileiro a peça The Old Woman – A Velha, nesta quinta (24), no Sesc Pinheiro. Ele e Mikhail Baryshnikov, estrelas da peça de Bob Wilson, ficaram no coquetel com os convidados. Foram assediados até não poder mais...

Soneca
Um senhor idoso dormiu na primeira fila na estreia de The Old Woman - A Velha.

coluna bruna lombardi Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

A beleza de Bruna Lombardi chamou a atenção na estreia - Foto: Marcelo Brammer e Thiago Duran/AgNews

Culturete
Bruna Lombardi também foi ver a peça. Aliás, ela está mergulhada na cultura. No dia 17, foi ver Rei Lear, com Juca de Oliveira, no Teatro Eva Herz. Na segunda (21), foi ver o show de Gil no Theatro NET São Paulo. É beleza com conteúdo.

O convite
Willem Dafoe passou por uma situação constrangedora no encontro com a imprensa (leia o que eles falaram ao R7), na última terça (22). Um idoso cineasta, infiltrado entre os jornalistas, pegou o microfone e disparou: "Sou cineasta e estou captando recursos para um filme que terá cenas em inglês. Gostaria muito de ter o Willem Dafoe no elenco, mas não sei como funcionam essas coisas de contrato em Hollywood..." Não conseguiu terminar a frase. O microfone foi retirado de sua mão, sob a declaração: "Aqui não é o lugar para você fazer isso". Tadinho.

Provocação
Já que muita gente está em frenesi por conta da presença de Baryshnikov e Dafoe em São Paulo, Zé Celso, que não perde tempo, fará uma paródia da obra de Bob Wilson em seu novo espetáculo, Cacilda 5, que estreia no Oficina deste sábado (26). Ele é mesmo genial.

ze celso bob sousa5 Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Zé Celso vai fazer uma provocação a Bob Wilson em Cacilda 5 - Foto: Bob Sousa

Entrevista de Quinta
Falando nisso, causou furor a Entrevista de Quinta que Zé Celso deu a este colunista, com fotografias de Bob Sousa, no banheiro de seu apartamento. Todo mundo só fala nisso. Leia também.

Contagem regressiva
Falta só um dia para a estreia de Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada. É neste sábado (26), às 19h. Um monte de gente vai.

Agenda Cultural da Record News

coluna zebrinhas Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Zebrinhas na cena de sexo na peça Não Fornicarás: mudança na temporada - Foto: André Stéfano

Troca-troca
A Cia. Os Satyros, que não tem sossego, resolveu mexer outra vez no serviço das peças E Se Fez a Humanidade Ciborgue em 7 Dias. A partir de 4 de agosto, as sete peças serão apresentadas de segunda a sexta, sempre às 19h. Cada dia da semana terá uma. Anote aí para não se confundir: Não Vencerás (segunda); Não Permanecerás (terça); Não Saberás (quarta); Não Salvarás (quinta); Não Amarás (sexta); Não Morrerás (sábado) e Não Fornicarás (domingo).

Tome nota
O ingresso para as peças dos Satyros custa R$ 20 a inteira e R$ 10 a meia. Se alguém ainda não sabe, o Espaço dos Satyros Um fica na praça Roosevelt, 214, no centro de São Paulo. A nova temporada vai até 28 de setembro. Ah, a quem interessar possa, a peça com Phedra D. Córdoba cantando Beatles é Não Morrerás. E a do sexo explícito é Não Fornicarás.

Última chance
Adormecidos, também dos Satyros, encerra temporada neste fim de semana, no Satyros Um. Só tem nesta sexta (25) e sábado (26), às 19h. Depois, acaba. E pronto.

Novidade no ar
A nova peça dos Satyros, Pessoas Perfeitas, estreia em 14 de agosto. O texto é de Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez, que dirige. No elenco estão Henrique Mello, Julia Bobrow, Marta Baião, Eduardo Chagas, Adriana Capparelli, Fábio Penna e Ivam Cabral. Cadê a Cléo De Páris?

submarino foto 4 divulgação Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Com direção de Pedro Granato, Submarino estreia no Teatro Cultura Inglesa de SP - Foto: Divulgação

Mergulho profundo
Direto de Nova York, onde faz curso com outros diretores de diversas partes do mundo, Pedro Granato manda avisar que sua nova peça, Submarino, estreia no dia 2 de agosto no Teatro da Cultura Inglesa de São Paulo. O tema da obra é a morte.

Repeteco
Submarino tem texto de Leo Moreira, aquele que ficou importante depois de ganhar muitos prêmios. Tudo se passa em uma piscina, onde adolescentes praticam natação. Curioso notar que outra peça de Moreira, Escuro, com a Cia. Hiato, também se passava em uma piscina com torneio de natação. É obsessão?

juliana galdino Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Juliana Galdino não gostou da lista dos indicados ao Prêmio Shell em SP - Foto: Divulgação

Cadê meu troféu?
A atriz Juliana Galdino ficou revoltada porque a peça Tríptico Samuel Beckett, que tinha ela no elenco ao lado de Nathalia Timberg no CCBB de São Paulo, não recebeu nenhuma indicação ao Prêmio Shell de Teatro de SP. A lista dos indicados do primeiro semestre saiu na última terça (22) e causou rebuliço na classe teatral. Quem foi nomeado comemorou. Já quem foi esquecido ficou irritado. Galdino resolveu dar um apelido ao famoso prêmio. Para ela, agora é “Prêmio Hell”, uma referência à palavra inferno, em inglês. Eita!

manual da bisca Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Manual da Bisca: comédia faz nova temporada no Teatro Maria Della Costa - Foto: Divulgação

Comédia
Está de volta a São Paulo a peça Manual da Bisca. No palco, Janaina Maranhão, Thiago Tavares e Guy D’vallis contam a história de uma “mulher-biscate”. A temporada é no Teatro Maria Della Costa, na Bela Vista (r. Paim, 72). Toda quinta, 21h. Ingresso a R$ 40 a inteira e R$ 20 a meia-entrada.

Noveleiro
Charles Möeller, o famoso diretor de musicais, está assistindo Império, de Aguinaldo Silva. Está empolgado: "Finalmente um novelão", afirmou. Também gosta de ver O Rebu. Já quando o assunto é Em Família, de Manoel Carlos, ele resume, simplesmente: "Helenas, adeus". Então, tá.

CDC 9848 Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Nathalia Timberg inaugurou o Teatro J. Safra com o monólogo Paixão, que fica até domingo - Foto: Caio Duran/AgNews

Dama
Nathalia Timberg inaugurou nesta quinta (24) o Teatro J. Safra, na Barra Funda, em São Paulo. Apresentou seu monólogo Paixão. Ao fim, recebeu flores dos produtores Maurício Machado (de azul) Eduardo Figueiredo. Foi aplaudidíssima por nomes como Eduardo Suplicy, Klara Castanho e Ana Lúcia Torre.

A pergunta que não quer calar
O que será que Ezequiel Neves, o Zeca, que era amigo da coluna, acharia do musical sobre Cazuza? Que pena que não dá mais para perguntar, já que ele está, lá em cima, com Caju, tomando mais uma dose...

CDC 8634 Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Sergio Maciel, o Serginho, acompanhou a estreia em São Paulo do musical sobre seu ex-namorado, o cantor Cazuza, na primeira fila - Foto: Caio Duran e Thiago Duran/AgNews

O amor de Caju
Causou frisson nos fotógrafos a presença de Sergio Maciel, o Serginho, na sessão para convidados do musical Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, na última segunda (21), no Teatro Procópio Ferreira. Todo mundo só queria clicar o ex-namorado de Cazuza. Até porque, desde a partida de nosso roqueiro, quase ninguém da classe artística teve coragem de sair do armário. O mundo sem Cazuza ficou bem mais careta. Como ele faz falta com suas mentiras sinceras e suas verdades desconcertantes.

Como ela consegue?
Corajosa como sempre, Lucinha Araújo viu a estreia de Cazuza - Pro Dia Nascer Feliz do começo ao fim. Sentadinha e concentrada. E se emocionou muito, sobretudo nos momentos em que a obra mostra a luta de Cazuza para sobreviver à Aids. A mãe de Cazuza é uma verdadeira rocha. Afinal, perdeu há pouco também seu marido, João Araújo. E viu, representados no palco, os dois homens de sua vida que se foram. Como diria o poeta, só as mães são felizes.

susan sontag Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

A intelectual norte americana Susan Sontag é o novo amor do fotógrafo Bob Sousa - Foto: Divulgação

Romance
O fotógrafo Bob Sousa anda apaixonado por Susan Sontag. Aos curiosos de plantão, a coluna faz questão de esclarecer: é platônico.

E a gente de teatro?
Tem gente que não entendeu por que a SP Escola de Teatro chamou Fábio Porchat para dar a aula inaugural deste segundo semestre...

Balancê
Quem assistir à peça Toc Toc neste sábado (26), às 21h, no Teatro APCD, em Santana, São Paulo, receberá um presente. Ganhará entrada gratuita na Festa Julina da APCD, que acontece no mesmo dia, após a montagem, na sede da associação, ao lado do teatro.

cassia eller Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Tacy de Campos vive a cantora Cassia Eller no musical que circula o Brasil - Foto: Divulgação

Fazendo as malas
Após fazer muito rock no Rio, o espetáculo Cássia Eller – O Musical (leia a crítica de Átila Moreno)faz turnê pelo Brasil. Entre 8 de agosto e 1º, fica em cartaz no CCBB da praça da Liberdade, em Belo Horizonte. No dai 19 de setembro, chegam ao CCBB da Sé, em São Paulo, onde fica até 10 de novembro. Eles ainda terão fôlego para ir a Brasília, onde se apresentam no CCBB do Distrito Federal entre 5 e 22 de dezembro, depois fazem uma miniférias, e voltam, ainda na capital federal, entre 9 e 26 de janeiro. Anotou?

Quer virar dramaturgo?
Acontece neste sábado (26), no Sesc Pompeia (r. Clelia, 93), em São Paulo, a oficina de dramaturgia com Priscila Gontijo. Custa R$ 10 a inteira, mas comerciário e dependente paga R$ 2. É preciso ter pelo menos 18 anos. Será dada entre 14h e 18h. Em pauta: exercício de criação, roteiro e escrita dramatúrgica. A ação encerra o mês de julho do projeto Cinco X Dramaturgia, ligado à peça C+a+t+r+a+c+a, que termina temporada no domingo (27). Informações pelo telefone 0/x/11 3871-7700.

coluna cleo de paris1 Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Cléo De Páris nem liga que a achem pessimista: "Não vou fingir comercial de margarina" - Foto: Reprodução

Pequeno prazer
Na noite do último domigo (20), enquanto muitos paulistanos tremiam de frio, a atriz gaúcha Cléo De Páris tomava cerveja com gelo. “Sou bem louca”, definiu.

Comercial de margarina
Outro dia, ao lamentar a situação do mundo, sobretudo após o abatimento do avião na Ucrânia, cheio de pesquisadores sobre a Aids, Cléo De Páris contou que há quem fique nervoso com suas opiniões: “Perco amigos pela fama de pessimista”, confessou. Mas, nem liga. “Não vou fingir comercial de margarina”, vociferou.

Pequeninos
Avise a criançada: está de volta A Bela e a Fera. Desta vez, a obra tem direção de Andresa Gavioli e Mauro Pucca, no Teatro das Artes, do Shopping Eldorado. De 2 de agosto a 16 de novembro, sábado, 16h, domingo, 15h. Quer viver no mundo da fantasia? Então, vá.

Peça do povo
A Cia. do Miolo encena a peça Relampião no próximo dia 31 de julho, quinta, no Largo da Penha, na zona leste paulistana. Começa às 16h. Ninguém paga nada. Vai, gente!

relampiao joca duarte Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Peça Relampião terá nova sessão gratuita no largo da Penha, em São Paulo - Foto: Joca Duarte

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

agenda cultural 25 7 2014 Veja as dicas da Agenda Cultural do Hora News, na Record News, desta sexta feira, dia 25/07/2014

Lidiane Shayuri e Miguel Arcanjo Prado apresentam a Agenda Cultural do Hora News - Foto: Divulgação

A Agenda Cultural da Record News está recheada de dicas! O colunista de Cultura Miguel Arcanjo Prado conta tudo para a apresentadora Lidiane Shayuri, no Hora News. Tem nova estreia do Teat(r)o Oficina, Buchecha em BH, Nenhum de Nós em Curitiba, Latino em Florianópolis, Manoela Rodrigues em Salvador, Maria Bethânia em Manaus, Mikhail Baryshnikov e Willem Dafoe em The Old Woman - A Velha em São Paulo, mais de cem filmes grátis no 9º Festival de Cinema Latino-Americano em São Paulo e o filme Guardiões da Galáxia. Com edição de Cinthia Lima e Décio Munhoz. Veja o vídeo!

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

ze celso bob sousa2 Entrevista de Quinta, no banheiro, com Zé Celso: Transformei medo em espetáculo, diz diretor

O fundador e diretor do Teat(r)o Oficina, José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso, à vontade, no banheiro de seu apartamento, em São Paulo, onde deu entrevista ao R7 - Foto: Bob Sousa

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Fotos BOB SOUSA

O sol começa a cair quando Bob Sousa e eu chegamos ao Teat(r)o Oficina, no número 520 da rua Jaceguai, no Bixiga, para entrevistar e fotografar José Celso Martinez Corrêa, um dos maiores diretores teatrais do Brasil e do mundo. Ele ainda não está.

Otto Barros, diretor de cena do grupo, nos convida a entrar. Acomodamo-nos na arquibancada criada por Lina Bo Bardi, para quem a nova peça é dedicada por conta do centenário de nascimento da arquiteta. Uma porta se abre. Ainda não é o Zé, mas a atriz Nash Laila, que logo vai para o fundo do teatro e se deita no chão. Esperamos.

Pouco depois, aparece Beto Mettig, assessor do grupo, com o aviso urgente: Zé não virá mais ao Oficina nos ver. O convite agora é irmos ao seu encontro, em seu apartamento, no Paraíso, onde ele nos aguarda. Corremos para lá.

Zé Celso desce no elevador até o hall para nos receber. Dá abraços e beijos. Conta que o lê o blog e nos diz: "Até que enfim o teatro tem vocês, gente que gosta de teatro". Ficamos lisonjeados. O elevador chega no seu andar, e ele nos convida a entrar no apartamento.

Mineiramente, peço licença. Logo, Zé nos conduz, enquanto diz: "Separei um lugar incrível para fazermos a entrevista". Abre a porta de seu banheiro. E começa a dirigir: "Miguel, você se senta aí, na privada. E eu fico aqui, nesta cadeira. Bob fique à vontade para fazer as fotos".

No bate-papo, repleto de inteligência e visão minuciosa de tudo ao redor, Zé Celso falou, sobretudo, de sua nova peça, Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada, ou apenas Cacilda 5, que estreia neste sábado (26) — veja serviço ao fim da entrevista — com mais um capítulo da odisseia do Oficina sobre Cacilda Becker (1921-1969).

A montagem faz do embate entre as atrizes Cacilda Becker e Tônia Carrero no TBC (Teatro Brasileiro de Comédia) uma alegoria do teatro brasileiro, aproveitando para dar sua visão artística a temas atualíssimos, que vão desde a ambição da especulação imobiliária, que coloca abaixo o pouco de poesia que restou em São Paulo, entulhando a Selva de Pedra com mais espigões, até a tão falada temporada paulistana de The Old Woman - A Velha, peça de Bob Wilson com Mikhail Baryshnikov e Willem Dafoe.

Nada fica distante do olhar atento de Zé Celso, reconhecido no mundo como um dos gênios do teatro. E o melhor: ele é nosso e faz da cultura brasileira seu principal material artístico. Aos 77 anos, está à frente do Oficina desde 1958.

Zé Celso deu também seus pitacos em outros temas. Falou da recente Copa do Mundo, do avião que caiu na Ucrânia e da sangrenta guerra entre Israel e Palestina. Além de revelar em quem pretende votar para presidente na próxima eleição e qual peça deseja montar em breve.

Leia com toda a calma do mundo.

ze celso bob sousa11 Entrevista de Quinta, no banheiro, com Zé Celso: Transformei medo em espetáculo, diz diretor

Zé Celso conversa com o jornalista Miguel Arcanjo Prado em seu banheiro - Foto: Bob Sousa

Miguel Arcanjo Prado — Como está Cacilda 5?
José Celso Martinez Corrêa —
Estava tudo um caos, mas aí tive uma inspiração. Esta peça foi uma loucura, porque tivemos só um mês e meio para ensaiar. Então, nesta terça-feira, chegamos ao ensaio geral e estava todo mundo sem o texto, ninguém tinha decorado direito. Aí, percebi que estava com medo, apavorado. E a pior coisa que existe é o medo. Foi aí que entendi que devíamos assumir tudo isso. Então, transformei o espetáculo no show do vexame. Porque entendi que o obstáculo maior para o artista é a paranoia. Resolvi radicalizar mesmo: a peça é um grande ensaio.

Miguel Arcanjo Prado — Como é a peça?
José Celso Martinez Corrêa —
Os artistas estão se preparando para um ensaio de Seis Personagens à Procura de um Autor, de Pirandello, no novo TBC, que eu chamei de Teatro Berrini de Comédia. Sabe esses teatros chiques que estão por aí?.... Então, é como se fosse uma dessas superproduções. Tipo um Bob Wilson... Aí, o teatro é invadido pelos Coros de Pega Fogo das ruas do mundo. Os personagens do TBC têm desejo de atuação, querem exercer poder da presença... Eles estão em busca da  própria encenação da peça. Com a chegada da Tônia Carrero, as coisas mudam; Cacilda vai vê-la ali, linda e também apaixonada pelo teatro, e ainda como o novo amor de Adolfo Celi. É uma barra. É quando Cacilda sai do TBC e vai para os novos caminhos da sua odisseia...

Miguel Arcanjo Prado — Como está o elenco?
José Celso Martinez Corrêa —
O elenco está ótimo, eles têm uma força descomunal! A Camila Mota e a Sylvia Prado vão fazer a Cacilda novamente, são duas atrizes excelentes, estão fazendo cenas incríveis. Eu me emociono sempre quando vejo.

Miguel Arcanjo Prado — O que você acha do Bob Wilson?
José Celso Martinez Corrêa —
Eu gosto do Bob Wilson, mas o que ele é na verdade é um artista plástico do teatro, ele faz quadros. Eu sou do te-ato.

ze celso bob sousa3 Entrevista de Quinta, no banheiro, com Zé Celso: Transformei medo em espetáculo, diz diretor

O diretor Zé Celso, logo após a entrevista em seu apartamento, mostra fotos da história do Oficina - Foto: Bob Sousa

Miguel Arcanjo Prado — E o que vai acontecer com o "Teatro Berrini de Comédia" da peça?
José Celso Martinez Corrêa —
E esse teatro será invadido pelos Pega Fogo das Ruas, junto do público. O Marcelo Drummond está fantástico como o diretor que fará testes com os atores. Esse teatro comercial que é feito por aí... Eu mesmo fiz uma novela na Globo para ver o que era [Cordel Encantado, em 2011]. Não gostei da experiência! Fiquei pensando que com todo aquele aparato técnico eles poderiam fazer coisas incríveis! Mas, não, fazem aquela coisas... Nesta cena vamos usar o janelão, que fica do lado oeste do Oficina, que dá para a rua da Abolição. Vai ter uma névoa... Os personagens, os artistas do antigo TBC, o coro de Pega Fogo das Ruas vão todos se misturar, numa quebra de classes. Vamos mostrar a Cacilda no momento em que veio a Tônia Carrero para competir com ela. A Tônia será a atriz Joana Medeiros, que também está fantástica. Imagina isso, a Cacilda viu de repente a figura da Tônia ao lado dela e precisou reagir. O Roderick Himeros fará o Adolfo Celli, que vai se apaixonar pela Tônia. Ele está ótimo também, numa construção muito linda.

Miguel Arcanjo Prado — Vocês dedicam a peça a Lina Bo Bardi?
José Celso Martinez Corrêa —
Sim! Isso é muito importante de ser dito. A peça celebra o centenário da Lina [arquiteta que criou a sede do Tea(r)o Oficina e também criou o prédio do Masp]. A Lina dizia que o Oficina-Terreiro era o "Chão de Terreiro com as Galerias do Teatro Scala de Milano, dando para as catacumbas di Silvio Santos". Vamos iluminar o público por trás, com grandes holofotes, para concretizar a visão dela.

Miguel Arcanjo Prado — Você gosta de estreia?
José Celso Martinez Corrêa —
Estreia é o pior público que existe! Vamos estrear um grande ensaio, que vai ir crescendo, junto ao público, até atingir a beleza, com a multidão. Os meninos falaram de chamar todo mundo. Eu não sei o que vai ser. A peça vai ser um grande ensaio com o público. Ela vai mudando a cada apresentação.

Miguel Arcanjo Prado — O que você achou da Copa do Mundo no Brasil?
José Celso Martinez Corrêa —
A Copa trouxe o humor de volta, tinha uma leveza no ar. Pelo menos até o 7 a 1 na semifinal. Eu achei a Copa ótima. Acho um absurdo quererem dizer que a Copa deu errado, tentarem jogar a culpa na Dilma. É claro que o 7 a 1 é inesquecível, mas faz parte do esporte e foi uma espécie de revelação de Exu. Porque os alemães bateram o tambor lá na Bahia... Eles entraram usando vermelho e preto no campo. Isso foi um sinal. Agora, temos o Dunga de técnico outra vez. O Brasil precisa mesmo é de um técnico estrangeiro, que venha para cá e mergulhe na nossa antropofagia. Que faça o que aconteceu com o TBC, que trouxe diretores estrangeiros para mergulharem na nossa cultura antropofágica oswaldiana. Porque hoje falta aquela malemolência do nosso futebol. E isso foi trazido pelos negros, esse modo de jogar com arte. E é preciso dizer que quem começou a valorizar essa herança africana no nosso futebol foi Nelson Rodrigues e sua família. Antes, era um prazer ver um jogo de futebol. Era lindo. Hoje, é aquela coisa fria, truncada, uma dureza... A gente tem de redescobrir aquele futebol que era um verdadeiro espetáculo. Até porque o futebol é o verdadeiro espetáculo do mundo. O Cristiano Ronaldo no chão, fazendo aquelas caras...

ze celso bob sousa4 Entrevista de Quinta, no banheiro, com Zé Celso: Transformei medo em espetáculo, diz diretor

Zé Celso gostou da Copa, mas detestou a abertura; revelou: votará em Dilma - Foto: Bob Sousa

Miguel Arcanjo Prado — E o que você achou da abertura da Copa?
José Celso Martinez Corrêa —
Aquilo foi um horror! Uma vergonha! O Brasil que tem as escolas de samba, o Boi-Bumbá, aquela festa linda em Parintins, lá na Amazônia, apresentar aquela pobreza, aquela coisa sem graça. No encerramento, até que melhorou um pouquinho, porque trouxeram um pouco do Carnaval e da escola de samba, mas não chegou perto da riqueza gigante da cultura brasileira. A cultura popular brasileira é genial, é única, é exuberante!

Miguel Arcanjo Prado — E a vaia que a Dilma levou?
José Celso Martinez Corrêa —
Eu acho que a Dilma deveria ter assumido aquela vaia, e não ficar retraída, com medo. Quando ela aparecia na TV dava para ver a bílis no rosto dela. Toda travada. Aquela outra, não, a Angela Merkel, da Alemanha, ela até sorria. Tudo bem que ela estava ganhando, mas ela estava muito mais leve. Agora, a Dilma estava com muito medo. Ela precisa parar com isso! Eu adoraria dirigir a Dilma! Ela deveria ter recebido a vaia de braços abertos, com gozo. Ainda mais por ser uma vaia daquela arquibancada, que é a elite branca, nervosa porque ela governou para a outra classe mais pobre. Então, ela deveria ter recebido aquela vaia como um elogio. É vaia que temos? Então, podem me vaiar! [abre os braços, sorrindo]

Miguel Arcanjo Prado — Em quem você vai votar nas eleições para presidente?
José Celso Martinez Corrêa —
Eu vou votar na Dilma. Não porque seja do PT, porque não sou de partido nenhum. Mas, porque o PT ainda mantém um diálogo com o social, com a cultura. O PSDB não faz isso. É um horror a relação que os tucanos têm com a cultura e com o teatro. E a água em São Paulo que está acabando? Eu não tomo mais essa água do volume morto. Nós vamos ficar sem água! Isso parecia uma coisa distante, mas é agora!

Miguel Arcanjo Prado — E como anda a questão do terreno no entorno do Oficina que ainda pertence ao Grupo Silvio Santos?
José Celso Martinez Corrêa — O Juca Ferreira [secretário municipal de Cultura de São Paulo] está fazendo um bom trabalho. Para mim, a reabertura do Cine Belas Artes no último fim de semana foi um grande marco, com aquela gente toda em frente, abraçando o cinema. Foi lindo, eu me emocionei muito. O novo Plano Diretor de São Paulo prevê a criação de um corredor cultural no Bixiga, um enorme caminho da cultura que vai passa pelo Oficina, o TBC, a Vai-Vai. Espero que haja a troca do terreno, parece que vão conseguir um para o Grupo Silvio Santos perto do SBT, naquela região da rodovia Anhenguera, que é linda, mas não vai ser preservada, o que é uma pena. O do entorno do Oficina ficaria para a cultura. Mas a gente nunca tem certeza do que vai acontecer... A especulação imobiliária é o Creonte dos dias de hoje, tanto que fiz um Creonte especulador na peça, que está sendo feito brilhantemente pelo Marcelo Drummond. A especulação é o grande mal do mundo de hoje! Está um absurdo. Muitos grupos teatrais estão sofrendo com isso. Mas isso também fez com que os teatros que são vítimas da especulação se juntassem. Somos dez grupos unidos nesta guerra. Estamos caminhando juntos nisso. E isso é lindo, é igual à união que houve na França nos anos 1920 que reergueu o teatro francês. O terreno no entorno do Oficina tem de ser da cultura!

Miguel Arcanjo Prado — Como você vê a Guerra entre Israel e Palestina?
José Celso Martinez Corrêa —
Acho um horror o que está acontecendo agora na Palestina. Aquilo é um verdadeiro massacre dos palestinos. Aquilo parece Guerra de Troia, um massacre de um povo, matando todo mundo, não deixando vivos nem crianças, mulheres e velhos, para não deixar rastro, para não sobrar nenhum. E ainda eu fico horrorizado ao ver declarações absurdas de autoridades israelenses defendendo o massacre da população palestina, dizendo que tem de matar mesmo. O horror! E esse avião agora que foi abatido na Ucrânia cheio de passageiros, daquele jeito? As coisas estão terríveis...

Miguel Arcanjo Prado — Você tem algum novo projeto de espetáculo em mente?
José Celso Martinez Corrêa —
Quero fazer Senhora dos Afogados, do Nelson Rodrigues, que tem a família Drummond, um sobrenome mineiro como você.

ze celso bob sousa5 Entrevista de Quinta, no banheiro, com Zé Celso: Transformei medo em espetáculo, diz diretor

"Quero fazer Senhora dos Afogados, de Nelson Rodrigues", diz Zé Celso - Foto: Bob Sousa

Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada (Cacilda 5)
Quando: Sábado e domingo, 19h. De 26/7/2014 a 14/9/2014
Onde: Teat(r)o Oficina (r. Jaceguai, 520, Bixiga, São Paulo, tel. 0/xx/11 3106-2818)
Quanto: R$ 30 (inteira); R$ 15 (meia-entrada) e R$ 5 (moradores do Bixiga com comprovante de residência)
Classificação etária: 14 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

ariano suassuna renato rocha miranda Morre Ariano Suassuna aos 87 anos

Ariano Suassuna não resistiu ao AVC e morreu aos 87 anos - Foto: Renato Rocha Miranda/Globo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A notícia que tantos temiam se concretizou: Ariano Suassuna morreu às 17h15 desta quarta (23), no Real Hospital Português, em Recife, Pernambuco. Ele estava internado desde a última segunda (21), quando foi operado às pressas após sofrer um AVC (Acidente Vascular Celebral).

O escritor paraibano tinha 87 anos.

A notícia da morte foi confirmada pela neurocirurgiã Dra. Feliciana Castelo Branco, que cuidou do artista até o fim.

A morte foi sentida na classe artística em todo o País.

O diretor do Teat(r)o Oficina, José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso, afirmou ao R7 que o Brasil perdeu um autor "intimamente ligado à cultura popular" e que "sabia dialogar com seu tempo e outras gerações", citando o diálogo do autor com Chico Science (1966-1997) e com o novo cinema pernambucano.

Para a presidente da República, Dilma Rousseff, "Suassuna traduziu a alma nordestina".

O velório do corpo de Suassuna será no Palácio Campo das Princesas, sede do governo de Pernambuco. O enterro será nesta quinta (24), às 16h, no cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Grande Recife.

O autor havia dado um susto em seus fãs em 2013, quando foi internado por duas vezes seguidas.

No começo deste ano, Suassuna foi notícia em todo o País após se deitar no chão do Aeroporto de Brasília para esperar seu voo.

Escritor do povo

Escritor de extrema importância na literatura brasileira no século 20, ele é autor de obras populares como a peça O Auto da Compadecida e A Pedra do Reino, encenadas nos palcos e adaptadas para a TV e o cinema, sempre com êxito de público.

Ariano Vilar Suassuna nasceu em João Pessoa, em 16 de junho de 1927, mas vivia em Recife desde 1942.

Ele era formado em direito e foi um dos fundadores do Teatro Popular do Nordeste e do Movimento de Cultura Popular. Também ocupou cargos no governo de Pernambuco.

Em 2008, recebeu homenagem no Carnaval paulistano, na escola de samba Mancha Verde, que desfilou com o enredo És Imortal! Ariano Suassuna: Sua Vida, Sua Obra, Patrimônio Cultural.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

chaveiro Argentino O Chaveiro abre 9º Festival de Cinema Latino Americano de São Paulo no Memorial

Cena do filme argentino O Chaveiro, que abre a programação do Festival Latino-Americano de Cinema de São Paulo nesta quarta (23), no Memorial da América Latina, em sessão para convidados  - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A noite desta quarta (23) será de festa na tenda-cinema com 500 lugares montada no Memorial da América Latina, na Barra Funda, capital paulista. Com exibição para convidados às 20h30, o filme O Chaveiro inaugura o 9º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo.

A partir desta quinta (24) até a próxima quarta (30), serão exibidos gratuitamente para o público 114 filmes de 16 países na programação gratuita que acontece no Memorial e também no Cinesesc, Cine Olido, Centro Cultural São Paulo, Cinemateca Brasileira, Centro Cultural da Juventude e Centro Cultural da Penha (confira a programação completa).

Dirigido por Natalia Smirnoff, O Chaveiro (El Cerrajero) conta a história de Sebastián, um chaveiro de 33 anos que não quer saber de compromisso sério até ouvir uma novidade de uma mulher com a qual se relaciona. Após o longa, haverá festa com personalidades do cinema, ao som do DJ Tatá Aeroplano.

Neste ano, terão homenagens ao diretor argentino Pablo Trapero, à atriz e produtora argentina Marina Gusmán, à atriz brasileira Leandra Leal e ao diretor brasileiro Silvio Tendler.

Veja fotos da abertura do festival!

A programação tem preciosidades que fizeram sucesso no últimos festivais internacionais, como Refugiado, do argentino Diego Lerman, Os Insólitos Peixes-Gato, da mexicana Claudia Sainte-Luce, e Hotel Nueva Isla, dos cubanos Irene Gutierrez e Javier Labrador.

Ainda serão exibidos filmes inéditos como o cubano Vende-se, de Jorge Perugorría, o mexicano Rezeta, de Fernando Frías de la Parra, o chileno Matar a Um Homem, de Alejandro Fernández Almendra, o uruguaio O Militante de Manolo Nieto,  o paraguaio A Leitura de Justino, de Arnaldo André, o equatoriano A Morte de Jaime Roldós, de Manolo Sarmiento e Lisandra I, o boliviano Conto Sem Fadas, de Sergio Briones, o peruano Planta Madre, de Gianfranco Quattrini, e o colombiano Terra Sobre a Língua, de Rubén Mendonza.

Veja fotos da abertura do festival!

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

 

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Inauguração Theatro NET SP Fts Paduardo 515 Baryshnikov e Dafoe tietam Gilberto Gil em SP

Baryshnikov, Gilberto Gil e Willem Dafoe no Theatro NET São Paulo - Foto: Paduardo

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Gilberto Gil recebeu no camarim o bailarino russo Mikhail Baryshnikov e o ator norte-americano Willem Dafoe. Os artistas internacionais estão em São Paulo para fazer o espetáculo The Old Woman - A Velha, no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros, entre 24 de julho e 3 de agosto (leia entrevista com eles). Eles assistiram ao show Gilbertos Samba (leia crítica do show), que abriu o Theatro NET São Paulo, nesta segunda (21). Ao fim, os astros internacionais fizeram questão de cumprimentar Gil. Dafoe estava acompanhado de sua mulher, a atriz e diretora italiana Giada Colagrande.

mini Mikhail Baryshnikov Willem Dafoe 1 Baryshnikov e Dafoe tietam Gilberto Gil em SP

Giada Colagrande, Willem Dafoe, e Mikhail Baryshnikov aplaudem Gilberto Gil ao fim do show - Foto: Fred Pontes

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Rita Lee e Mel Lisboa Créditos Danilo Quadros Rita Lee vê musical sobre ela e chora de emoção

Rita Lee se emocionou vendo o musical, que tem atuação de Mel Lisboa como a cantora - Foto: Danilo Quadros

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A cantora Rita Lee resolveu assistir mais uma vez ao musical Rita Lee Mora ao Lado, em cartaz no Teatro das Artes, no Shopping Eldorado, em São Paulo.

A produção conta a vida da roqueira. Ela esteve na plateia do último sábado (19), ao lado do marido, Roberto de Carvalho.

Carinhosa, Rita fez questão de conversar com o elenco e todos da produção.

Rita, que havia visto a peça pela primeira vez em abril, agradeceu nos bastidores a protagonista Mel Lisboa.

— É maravilhoso poder ver tudo isso acontecendo enquanto estou viva.

A cantora contou que na primeira vez que viu a peça não chorou, mas, na segunda vez, não segurou as lágrimas ao ouvir a música Coisas da Vida.

Roberto de Carvalho afirmou que se divertiu vendo a produção, que chamou de “leve”, “efervescente” e “pop”.

Diante da repercussão, o espetáculo prorrogou temporada até 31 de agosto.

Rita Lee e Roberto de Carvalho com o elenco produção e direção do Espetáculo Rita Lee Mora Ao Lado Créditos Danilo Quadros Rita Lee vê musical sobre ela e chora de emoção

Rita Lee e Roberto de Carvalho posam com a equipe do musical Rita Lee Mora ao Lado - Foto: Danilo Quadros

Leia a crítica da peça

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

irma selma Freira mal humorada faz público morrer de rir

Octávio Mendes vive a divertidíssima Irmã Selma no Teatro Gazeta, em SP - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Ela fuma, tem olhar fulminante e, apesar da vestimenta, é o verdadeiro cão.

Um dos personagens de maior sucesso do Terça Insana agora faz voo solo. Trata-se de Irmã Selma, criação do humorista e ator Octávio Mendes.

No espetáculo Irmã Selma e Seu Terço Insano, ele promete fazer rir o público paulistano com sua freira desbocada em mal humorada.

Mas não tem só Irmã Selma na parada.

Durante uma hora e meia de espetáculo, ainda há espaço para outros personagens de sucesso, como a apresentadora sensacionalista Mônica Goldstein, o Ex-Gay e, claro, Maria Botânica, uma das mais divertidas paródias da cantora baiana Maria Bethânia.

O artista garante que não há contratempos: "É um humor familiar, apropriado para maiores de 14 anos".

Então, é só se divertir.

Irmã Selma e Seu Terço Insano
Quando: Sábado, 22h, domingo, 18h. Até 28/9/2014
Onde: Teatro Gazeta (av. Paulista, 900, metrô Trianon-Masp, São Paulo, tel. 0/xx/11 3253-4102)
Quanto: R$ 50
Classificação etária: 14 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com