lilith marcelo villas boas 2 Lee Taylor volta o Sesc Consolação com peça do NAC baseada no mito da primeira mulher de Adão

Lilith se passa em uma festa na qual os convidados revelarão segredos - Foto: Marcelo Villas Boas

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O ator e diretor Lee Taylor está de volta ao Sesc Consolação. Mas, vamos com calma. Não é para retornar ao grupo de artistas comandados por Antunes Filho, do qual participou por quase uma década como estrela principal, mas, sim, para apresentar a nova peça criada no NAC (Núcleo de Artes Cênicas), que ele coordena desde que saiu do CPT (Centro de Pesquisa Teatral).

O nome do espetáculo é LILITH S.A., e a estreia está marcada para o dia 24 de março no Espaço Beta do Sesc Consolação, em São Paulo. Taylor divide a direção com Luiz Claudio Cândido. O espetáculo também é uma homenagem aos 450 anos de nascimento de William Shakespeare.

lee taylor foto eduardo enomoto Lee Taylor volta o Sesc Consolação com peça do NAC baseada no mito da primeira mulher de Adão

Lee Taylor dirige montagem do NAC no Sesc Consolação - Foto: Eduardo Enomoto

A montagem é fruto do curso Poética do Ator, feito por 20 alunos peneirados em quase 500 inscritos. Apenas quatro atores sobraram no elenco final da montagem: Camila de Maman Anzolin, Fernando Oliveira, Frann Ferraretto, Renata Becker.

Taylor segue os passos do mestre Antunes e apresenta em sua obra o palco nu, apenas com três cadeiras de escritório, além da luz de Fran Barros e da sonoplastia de Fernando Oliveira.

O enredo parte da história do mito de Lilith, que teria sido a primeira mulher de Adão, antes de Eva, e que resolveu rebelar-se para ser igual ao homem.

Michelle Ferreira, dramaturga reconhecida da nova cena paulistana, colaborou com a dramaturgia da montagem, que também teve farta contribuição dos atores envolvidos.

No enredo, os personagens estão em uma festa empresarial de uma multinacional, onde acabarão por confessar seus desejos mais obscuros.

LILITH S.A
Quando: Segunda, às 20h. 60 min. Estreia 24/3/2014. Até 29/4/2014.
Onde: Sesc Consolação – Espaço Beta (r. Dr. Vila Nova, 245, 3º andar, Vila Buarque, metrô Santa Cecília, São Paulo, tel. 0/xx/11 3234-3000)
Quanto: R$ 10 (inteira); R$ 5 (meia-entrada e usuário do Sesc) e R$ 2 (comerciários e dependentes)
Classificação etária: 12 anos

Leia o que já foi publicado sobre Lee Taylor

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

FABIANO CAMBOTA Fabiano Cambota encerra solos no Comedians

Fabiano Cambota: além de humorista, ele também é músico - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Às vésperas do Carnaval, ainda há espaço para o riso farto no Comedians, a famosa casa noturna de stand-up paulistana (r. Augusta, 1129, São Paulo, tel. 0/xx/11 2615-1129).

O humorista Fabiano Cambota se apresenta por lá nesta quinta (27), a partir das 21h.

Ele faz o espetáculo O Circo de um Homem Só, que encerra temporada de solos do espaço.

O artista, que também é músico da banda Pedra Letícia, também usa essa habilidade em sua apresentação.

O couvert artístico é de R$ 35.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

marcelo tas bel kowarick Marcelo Tas e mulher apresentam Prêmio APCA

Casal no palco: Marcelo Tas e Bel Kowarick vão apresentar a entrega do APCA - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O presidente da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), José Henrique Fabre Rolim, informou a data da entrega do prêmio da tradicional entidade - à qual pertence o autor deste blog - referente ao ano de 2013.

Será no dia 11 de março de 2014, uma terça-feira, às 19h30, no Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros, em São Paulo.

Os apresentadores da 57ª cerimônia já foram definidos: serão Marcelo Tas e Bel Kowarick, casal também na vida real.

Mika Lins dirigirá a noite.

Além dos premiados, já revelados em dezembro de 2013, a festa também homenageará a crítica e pesquisadora teatral Ilka Marinho Zanotto e a artista plástica centenária Tomie Ohtake, e promete reunir a nata da cultura paulistana.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

MorroComoUmPaís foto divulgação saco b Peça propõe reflexão nos 50 anos do golpe militar

Repressão presente: peça propõe pensar o Brasil de hoje com olho no golpe - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Os 50 anos do golpe militar realizado de 1º de abril de 1964 são motivo para reflexão também nos palcos. A peça Morro como um País, da Kiwi Companhia de Teatro propõe um debate deste tenebroso período da história brasileira no palco do CIT-Ecum, em São Paulo, a partir do dia 26 de março.

A temporada será às quartas e quintas, às 21h, até 17 de abril. A peça tem no elenco a atriz Fernanda Azevedo, indicada a Melhor Atriz R7 em 2013 e também indicada ao Prêmio Shell de Teatro como melhor atriz. Fernando Kinas assina a direção.

MorroComoUmPaís foto divulgação manequim b Peça propõe reflexão nos 50 anos do golpe militar

Fernanda Azevedo: atriz indicada a prêmios - Foto: Divulgação

O grupo planeja uma espécie de protesto-performance para a noite da estreia com o tema Quando Vai Acabar a Ditadura Civil-militar.

A peça parte do texto literário Morro como um País, escrito em 1978 pelo grego Dimítris Dimitriádis, e reúne mais de 30 cenas independentes.

A todo momento o jogo entre público e obra promove a reflexão. A direção afirma que preferiu utilizar informação narrativa do que reconstrução psicológica como forma de emocionar o público.

Azevedo diz que a obra não tem respostas, mas busca fazer “as perguntas certas”.

A montagem tem forte presença musical, indo de Eu Te Amo Meu Brasil, música de Dom e Ravel utilizada pelos militares para provocar um ufanismo irracional de “ame-o ou deixe-o”, a canções ciganas, povo historicamente perseguido em diversas partes do mundo.

Durante a pesquisa para a peça, que durou oito meses, a direção investigou a ditadura não só no Brasil como também em outras nações latino-americanas, como na Argentina, onde também houve uma sangrenta repressão. O que confere peso internacional à obra.

Morro como um País
Quando: Quarta e quinta, 21h. 95 min. Estreia em 26/3/2014. Até 17/4/2014
Onde: CIT-Ecum (r. da Consolação, 1.623, metrô Paulista, São Paulo, tel. 0/xx/11 3255-5922)
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)
Classificação etária: 14 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Eugênio Lima Claudua Schapira Luaa Gabanini Roberta Estrela DAlva foto Sylvio Novelli 2 Núcleo Bartolomeu e mundana companhia levam Prêmio Governador do Estado em São Paulo

Núcleo Bartolomeu leva prêmio: Eugênio Lima, Claudia Schapira, Luaa Gabanini e Roberta Estrela D'Alva comemoram - Foto: Sylvio Novelli

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A noite desta segunda (24) foi de festa cultural no Theatro São Pedro, na Barra Funda, em São Paulo, durante a entrega do Prêmio Governador do Estado para Cultura 2013.

O prêmio existe desde os anos 1950, quando agraciava apenas o teatro. Há quatro anos, abarca todas as categorias artísticas.

O Núcleo Bartolomeu de Depoimentos levou o prêmio da categoria teatral entregue pelo júri, pelo espetáculo Antígona Recortada, que segue em cartaz [veja serviço no fim da reportagem] com a tragédia de Sófocles ao ritmo de hip hop.

No voto popular, a mundana companhia venceu com O Duelo, peça que teve Camila Pintanga, Aury Porto e Pascoal da Conceição no elenco.

tomie ohtake Núcleo Bartolomeu e mundana companhia levam Prêmio Governador do Estado em São Paulo

Tomie Ohtake: destaque cultural aos 100 anos de idade - Foto: Divulgação

Artistas e instituições culturais vencedores em distintas áreas artísticas receberam a soma total de R$ 520 mil em prêmios. Em cada categoria houve dois vencedores: um pelo júri especializado e outro pelo voto popular.

A grande homenageada da noite foi a centenária artista plástica Tomie Ohtake, que foi agraciada com o troféu Destaque Cultural. Ela foi, mas quem subiu ao palco foi Ruy Ohtake, seu filho, que recebeu o R$ 100 mil em nome da mãe.

Veja abaixo quem levou:

Destaque Cultural
Tomie Ohtake, pelo conjunto da obra

VOTO DO JÚRI

Artes visuais
José Resende - instalação A Cabana do Vento (Sesc Belenzinho)

Cinema
Cristiano Burlan - Mataram Meu Irmão

Circo
José Wilson Leite - Picadeiro Circo Escola

Dança
Janice Vieira - Espetáculo Vis-à-Vis e trajetória

Inclusão cultural
Espaço Clariô - Sarau do Binho, Quintasoito e Mostra Teatro do Gueto

Música
Ná Ozzetti - Embalar

Teatro
Núcleo Bartolomeu de Depoimento - Antígona Recortada - Contos que Cantam Sobre Pousopássaros

VOTO POPULAR

Artes visuais
Carlito Carvalhosa - Instalação Sala de Espera (MAC - USP)

Cinema
Tata Amaral - Hoje

Circo
José Wilson Leite - Picadeiro Circo Escola

Dança
Antonio Nóbrega - Espetáculo Humus e trajetória

Inclusão cultural
Ilu Obá de Min

Música
Emicida - O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui

Teatro
mundana companhia - O Duelo

Fomento
CPFL Energia

Inclusão cultural
Jardim Miriam Arte Clube (JAMAC)

Veja, abaixo, o serviço da peça do Núcleo Bartolomeu

Antígona Recortada
Quando: Quinta, sexta e sábado, 21h; domingo, 20h. 60 min. Até 9/3/2014
Onde: Núcleo Bartolomeu de Depoimentos (r. Dr. Augusto de Miranda, 786, Vila Pompeia, São Paulo, tel. 0/xx/11 3803-9396)
Quanto: público paga quanto quiser
Classificação etária: 12 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Bem vindo a casa Foto Manuel Geanoni 3 net Saiba como ver 11 peças internacionais sem gastar um só centavo; conheça o novo festival de SP

Cena do espetáculo uruguaio Bem-vindo à Casa, que integra a mostra - Foto: Manuel Geanoni

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Não é todo dia que o público paulistano pode conferir uma série de espetáculos internacionais de uma só vez. E o melhor: sem tirar um só centavo do bolso.

Pois isto será possível entre 8 e 16 de março, na 1ª Mostra Internacional de Teatro, a MITsp. Toda a programação é gratuita.

O evento se soma a outros importantes acontecimentos teatrais paulistanos, como o Festival Ibero-Americano de Teatro, a Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo e a Bienal de Teatro da USP (Universidade de São Paulo).

Além do Brasil, representado pela obra De Repente Fica Tudo Preto de Gente, de Marcelo Evelin, peças da Itália, França, Espanha, Argentina, Turquia, África do Sul, Uruguai, Chile e até Lituânia estarão em cartaz em nove teatros da cidade durante a MIT.

guilherme marques Saiba como ver 11 peças internacionais sem gastar um só centavo; conheça o novo festival de SP

O mineiro Guilherme Marques, do CIT-Ecum: um novo festival para São Paulo, a MITsp - Foto: Divulgação

O festival é criação do diretor do CIT-Ecum, sala paulistana de reconhecida programação de qualidade, Guilherme Marques, a partir de um encontro com o diretor do Teatro da Vertigem, Antonio Araújo. Marques conta ao Atores & Bastidores do R7 que o objetivo é "proporcionar a troca e o intercâmbio, até porque o Brasil tem muito também o que mostrar".

Ele conta que São Paulo precisava retomar a tradição de fazer um festival que repercutisse internacionalmente, nos moldes do feito no passado pela produtora e atriz Ruth Escobar.

— Certa vez, na Venezuela, o Carlos Jimenez, curador do Festival Internacional de Caracas, me disse que a mostra que a Ruth Escobar fazia em São Paulo reverberava em toda a América Latina. A intenção com a MIT é proporcionar aos paulistanos ver grandes nomes e grandes grupos, mas também trabalhos experimentais. Queremos mostrar um panorama internacional contemporâneo.

Na expectativa de que o evento ganhe "um lugar especial na cidade", Marques conta que já está fechando a programação de 2015, quando a segunda edição deverá acontecer entre 6 e 15 de março.

Além das sessões gratuitas para o público, o evento também proporá encontros de troca entres os artistas brasileiros e estrangeiros.

Os ingressos serão distribuídos gratuitamente uma hora antes de cada sessão nas bilheterias dos próprios teatros. Participam os seguintes locais: Auditório Ibirapuera, Centro Cultural São Paulo, Itaú Cultural, Sesc Vila Mariana, Sesc Santana, Teatro Cacilda Becker, Teatro João Caetano e Tusp.

Conheça a programação completa da MITsp!

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

banda redonda 2 Banda Redonda agita o pré Carnaval paulistano e promete reunir artistas e jornalistas no centro

Banda Redonda reúne multidão no centro de SP: desfile é nesta segunda (24) - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A turma do teatro tem programação antecipada de Carnaval na noite desta segunda-feira (24): o desfile da Banda Redonda, que se concentra em frente ao Teatro de Arena, na rua Teodoro Baima com avenida Ipiranga, no centro de São Paulo, a partir das 19h.

A folia será em ritmo de marchinhas tradicionais. Dramaturgos, atores, diretores, jornalistas e até os filhos de Plínio Marcos, um dos fundadores do bloco, confirmaram presença no desfile.

banda redonda 1 Banda Redonda agita o pré Carnaval paulistano e promete reunir artistas e jornalistas no centro

Imagem histórica da Banda Bandalha, o primeiro nome da Banda Redonda, no desfile de 1972 - Foto: Divulgação

Celebridades como a atriz Nicole Puzzi, estrela da pornochancada paulistana, marcaram presença, assim como o Rei Momo da cidade.

O bloco foi criado por artistas e jornalistas que frequentavam o Arena nos anos barra-pesada da ditadura milutar e completa 40 anos de folia.

Atualmente, a festa é comandada por Carlos Costa, conhecido como Carlão, parceiro na criação da banda com o jornalista e dramaturgo Plínio Marcos (1935-1999).

O grupo saiu pela primeira vez, ainda com o nome Bandalha, em 1972. Como sofreu muita repressão dos militares, só voltou à ativa em 1974, com o nome de Banda Redonda - em referência ao bar Redondo, que ficava em frente ao Arena e era frequentado pela boemia artística dos anos 1970.

O Sindicato dos Jornalistas, que fica na vizinha rua Rego de Freitas, também estará representado por Audálio Dantas, que foi presidente da instituição nos anos 1970, e pelo atual presidente, José Augusto Camargo, o Guto. Eles, assim como outras personalidades, ganharão troféus ao longo do desfile que promete reunir 20 mil pessoas.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Foto de BOB SOUSA

luiz damasceno foto bob sousa1 O Retrato do Bob: Luiz Damasceno, ator do mundo
Na EAD, a Escola de Arte Dramática da USP (Universidade de São Paulo), desde 1985, um professor é nome de respeito entre os alunos. Seu nome é Luiz Damasceno, um dos atores mais potentes de nosso teatro. Quem viu sua última atuação em A Dama do Mar, de Bob Wilson, sabe. Gaúcho de Porto Alegre, ele estudou arte dramática na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Mal concluiu o curso, no fim da década de 1960, fez as malas e partiu rumo a São Paulo, onde desembarcou em 1970. Logo, já estava envolvido com os principais nomes da cena brasileira de então, como Ademar Guerra e Ruth Escobar. Nas décadas de 1980 e 1990, fez história ao lado de Gerald Thomas, Bete Coelho e Magali Biff com a Companhia de Ópera Seca. Desde então, escuta aplausos de plateias nos lugares mais remotos. Porque é um ator do mundo.

Visite o site de Bob Sousa

Baixe o livro Retratos do Teatro, de Bob Sousa

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Leandro Luna 01 Dois ou Um com Leandro Luna

Leandro Luna, ator que está em cartaz no musical Vingança, no CCBB - Foto: Caio Galucci

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Nos palcos, ele já viveu desde o lendário personagem infantil Charlie Brown a uma irreverente drag queen. No momento, incorpora um homem do começo do século 20, no musical Vingança, no CCBB, no centro de São Paulo. O paulistano Leandro Luna é figura tarimbada do mundo dos musicais, mas também dá seus passos no cinema. No ano passado, protagonizou o filme Satyrianas - 78 Horas em 78 Minutos. O artista, que já atuou em produções como Priscilla, Rainha do Deserto e Meu Amigo Charlie Brown, aceitou o convite do Atores & Bastidores do R7 para participar da coluna Dois ou Um. Dez perguntas cheias de possibilidades. Ou não.

Priscilla, a Rainha do Deserto ou A Noviça Rebelde?
Nem Priscilla nem Noviça... Mas sempre muito rebelde!

Lupicínio Rodrigues ou Guns N'Roses?
Dando um tempo de Guns e apreciando Lupicínio Rodrigues.

Satyrianas ou festa do interior?
Satyrianas e ainda com direito a milho verde na manteiga.

Drama ou musical?
Sendo bons, ambos!

Turma da Mônica ou Turma do Charlie Brown?
Turma do Mônica é paixão de infância. Turma do Charlie Brown é paixão de adulto.

Rachel Sheherazade ou Mídia Ninja?
Sherazade, pela autenticidade.

São Paulo ou Nova York?
Amo São Paulo. Minha casa, minha cidade. Nova York pra passar férias e sentir saudades.

Saulo Vasconcellos ou Kiara Sasso?
Dois pentelhos! Dois artistas que respeito e admiro muito.

Passista ou carro alegórico?
Passista. Gosto de me misturar com o povo e curtir a energia da galera!

Como vencer na vida sendo ator ou como sendo ator para vencer na vida?
Não tem coisa melhor que conquistar os seus objetivos com os frutos do seu trabalho. Não tem coisa melhor que ser ator para vencer na vida!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Ze Celso e Juliana Perdigao CACILDA foto Jennifer Glass Oficina se despede de Cacilda no fim de semana; atores da obra contam por que você deve assistir

O diretor paulista Zé Celso e a cantora mineira Juliana Perdigão em cena no Oficina - Foto: Jennifer Glass

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A turma sacudida do Teat(r)o Oficina manda avisar: é agora ou nunca. Expliquemos.

cacilda jennifer glass Oficina se despede de Cacilda no fim de semana; atores da obra contam por que você deve assistir

Elenco potente no Oficina: (a partir do alto, em sentido horário) Tony Reis, Lucas Andrade e Beto Mettig - Foto: Jennifer Glass

Neste fim de semana, acontecem as duas últimas sessões da saga sobre a atriz Cacilda Becker (1921-1969) capitaneada por José Celso Martinez Corrêa, o nosso Zé Celso, e Marcelo Drummond.

Sempre com seu numeroso e fogoso elenco que conta com mais de 60 artistas, é claro.

Cacilda!!! Glória no TBC e 68 AquiAgora tem última sessão neste sábado (22), às 18h. Já no domingo é a vez da despedida de Cacilda!!!! A Fábrica de Cinema & Teatro, também às 18h.

Ambas acontecem no histórico prédio do Oficina, projetado há 20 anos por Lina Bo Bardi (r. Jaceguai, 520, São Paulo). O ingresso custa R$ 40 a inteira, mas moradores do Bixiga pagam apenas R$ 5, mediante comprovação de endereço.

Para incentivar os indecisos, alguns membros da equipe do Oficina explicam, abaixo, por que todo mundo deve ir.

Veja só que beleza:

camila mota foto bob sousa1 Oficina se despede de Cacilda no fim de semana; atores da obra contam por que você deve assistir

Camila Mota vive Cacilda Becker na saga comandada por Zé Celso - Foto: Bob Sousa

“O prazer de viver uma experiência extenuante. As peças Cacilda!!! e !!!! tem longa duração, por volta de 5h30 cada uma – são extenuantes e propiciam ao público a possibilidade de uma revolução nos corpos semelhante à provocada pelas baladas. Mas são de outra natureza, são espetáculos de teatro, uzynas geradoras de energia e transformação criadas por um coro, banda, tecnologia, uma pequena multidão da Cia Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona que há 55 anos tem como uma das bases de seu trabalho a cultivação de poder humano, das permanentes transformações do corpo. É catarse com roteiro: começo, meio e fim pras infinitas absorções de cada sessão.”
Camila Mota – Atriz

danielle rosa 1 foto eduardo enomoto 2013 Oficina se despede de Cacilda no fim de semana; atores da obra contam por que você deve assistir

Danielle Rosa é uma das estrelas das montagens do Teat(r)o Oficina - Foto: Eduardo Enomoto

“Os Cantos. Ouve-se dos camarins, das galerias, da pista, dos arcos. Ah!!!! É o canto da panspermina, canto de uma sereia? É o Canto do Pica-Pau. Entre Ps dos picos e Bs dos beijos. O canto que me canta, que te canta e encanta quem atravessa os arcos da rua Lina Bardi. Cacilda tem dessas coisas. Músicas prenhes de vida, envoltas por acordes macios e cortantes. Textos em forma de poesia que refletem na vida real. Mas qual o verdadeiro realismo do Teatro ou da Vida?”
Danielle Rosa – Atriz

roderick himeros1 Oficina se despede de Cacilda no fim de semana; atores da obra contam por que você deve assistir

O ator Roderick Himeros integra o grupo de 60 atuadores do Oficina - Foto: Deivid Leme

“Estamos no líquido amniótico de Cacilda; ouça as múltiplas exclamações. Ah! Ah! Ah! Ah! Abre os ouvidos, interjeiciona junto à atriz matriz. A taquicardia ritma as intensidades das emoções na emissão da matriz – para atingir quem tem suas antenas porosas para o AquiAgora."
Roderick Himeros – Ator

leticia coura Oficina se despede de Cacilda no fim de semana; atores da obra contam por que você deve assistir

Letícia Coura também está no elenco da saga sobre Cacilda Becker - Foto: Jennifer Glass

“Estamos de novo tendo a coragem e a cara-de-pau de cantar/recriar Villa Lobos!!! Choro 3, o Pica-Pau, que inspira e excita todo o primeiro ato de Cacilda!!! e volta inteiro em Cacilda!!!!. Só pra ver o coro cantando isso já vale ir viver as duas peças, sábado e domingo. E é bom assim: imersão!!!!”
Letícia Coura – Atriz

Leia mais depoimentos sobre a peça!

Veja tudo o que foi publicado no R7 sobre a saga Cacilda no Oficina!

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!



Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com