Foto de BOB SOUSA

bri fioca foto bob sousa 14 O Retrato do Bob   Bri Fiocca, a nossa atriz

Bri Fiocca é um dos nomes queridos de nossos palcos. Formada pela Escola de Arte Drmática da USP, ela tem mais de 40 anos dedicados ao ofício de atriz. Esteve em importantes produções, como Jesus Cristo Superstar, e ainda tem filmes e novelas no currículo, como A Próxima Vítima e As Pupilas do Senhor Reitor. Posou para o nosso Bob Sousa, porque é simplesmente a nossa atriz.

Visite o site de Bob Sousa

Baixe o livro Retratos do Teatro, de Bob Sousa

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

paulo autran funarte Domingou   Os dilemas de um ator

Paulo Autran em Morte e Vida Severina, direção de Silnei Siqueira, 1969 - Foto: Acervo Funarte

Você pensará em fazer uma novela, pensará em fazer cinema. Você é mais um no meio da multidão... É o amor que vai te mover...

ricardo correa domingou divulgacao Domingou   Os dilemas de um ator

O ator Ricardo Corrêa: amor ao ofício de ator

Por RICARDO CORRÊA*
Especial para o Atores & Bastidores

Com amor à verdade, digo aos artistas de teatro: reze pra dar certo! Além disso, uma boa escola de teatro ajuda, ler todos os grandes autores e mesmo assim concorrer com gente que não sabe nem pronunciar "Godot” do “Beckett”. Daí, torcer muito para fazer uma peça de sucesso. Ter perfil. Saber qual é o teu perfil. Você irá fazer mil testes para comerciais, vai ser editado em um, vai ficar torcendo e saberá mais tarde que seu amigo pegou.  Daí, você pega um de cerveja pra fazer, te reconhecem na rua e passam a acreditar mais em você.

Você pensará em fazer uma novela. Você entra em contato com aquele agente de elenco que seu amigo ator te falou, ele te ignora. Você pensa: o que será que eu fiz? Fique tranquilo. Pra ele você é mais um no meio da multidão. Se você pegar a novela, reze para o contrato se renovar. Porque o dinheiro só vai durar o tempo do contrato.

Você também pode escrever ou produzir algo moderno, que vire hit do momento.  Se você produzir uma peça aumenta um pouco mais o seu ganho. Mas em algum momento vão falar mal de você. Não se assuste. É normal. Seria legal se você fosse indicado a algum prêmio.

Pensará em fazer cinema. Mas como? Conhecer qual produtor de elenco? No cinema você ganha a diária, nome feio, lembra diarista. Aliás, por que será que o ator que fez o filme não ganha por bilheteria?

Abriu aquele edital. Você pode escrever projetos. Você teve aquela ideia ótima e você acredita nela. Mas não tem nenhum nome famoso no teu projeto? Ah, mas aquele grupo conhecido com gente mais famosa pegou? Pegou três editais ao mesmo tempo? É isso acontece! Mas não desista.

Você pode trabalhar durante o dia num shopping e a noite fazer teatro.  Em qual hora do dia você lê o seu livro de teoria sobre o Brecht?

Pode rolar aquela animação de festa, o teatro empresa, monstros em parques... Mudar de profissão.

Você poderá dar aula de teatro. Você vai se deparar com certas dificuldades. Certo? Mas vai que pegue aulas numa escola de formação de atores. Ótimo. Na maioria das vezes, você vai ralar o tchan e não vai ganhar muito. Terá que ir pra lugares distantes, acreditando no poder de transformação que o teatro possui.

Esse poder que o teatro tem é que vai te mover muitas vezes a continuar, inclusive quando pensar em desistir. Mas respire. Fique calmo. É o amor que vai te mover a continuar no teatro.  Esse amor nutre.

Me despeço com amor à verdade.

*Ricardo Corrêa é ator. A coluna Domingou, uma crônica semanal, é publicada todo domingo no blog Atores & Bastidores do R7.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

1340 3302450775849 613034807 n Dois ou Um com Andréa Bassitt

Andréa Bassitt assina a direção da peça "Ele, Ela, Os Outros" - Foto: Divulgação

Por BRUNA FERREIRA*

Andréa Bassitt, 47 anos, assina a direção do espetáculo Ele, Ela, Os Outros, uma adaptação de doze crônicas de Luis Fernando Veríssimo, e conta com Amanda Mendes e Rodrigo Frampton no elenco. A peça está em cartaz no Teatro Folha (shopping Pátio Higienópolis, av. Higienópolis, 618, em São Paulo), até o dia 6 de março, às quartas e quintas, 21h, com ingressos de R$ 20 a R$ 30 e duração de 60 minutos. A classificação indicativa é 14 anos. Para a coluna Dois ou Um, a atriz, diretora e dramaturga, nascida em São José do Rio Preto, mostrou que é a favor do bom-humor. Sempre. Andréa é formada pela Escola de Arte Dramática da USP (Universidade de São Paulo) e fez a personagem Guida, na novela Passione, da Globo. Ela também é autora de As Turca e da série Operilda, que incentiva o gosto pela música erudita nas crianças. Conheça mais um pouco da artista.

Atuar ou dirigir?
Atuar. Dirigir exige muitas tomadas de decisões e responsabilidade. É mais puxado!

Homem ou mulher?
Pra muitas coisas, homens; são menos complicados. Pra outras, melhor mulheres, são mais sensíveis.

Discutir relação ou terapia de casal?
Nenhum. Os dois são muito chatos.

Lua de mel ou bodas de ouro?
Lua de mel, é mais divertido. E, em geral, estamos mais jovens!

Novela das nove ou teatro de rua?
Os dois. Sendo bom, qualquer um vale.

Luis Fernando Veríssimo ou Manoel Carlos?
Luis Fernando Veríssimo, pelo o humor e pela linguagem inteligente e direta.

Copa do mundo ou Eleições 2014?
Nenhuma. As duas têm participação política, que anda totalmente desinteressante e descredibilizada.

Carnaval ou música erudita?
Os dois. Um tem a ver com uma cultura primitiva, que está dentro de nós, brasileiros. Carnaval é alegria! E a música erudita é inerente ao ser humano.

Elis Regina ou Rita Lee?
As duas. Uma é voz, a outra é som!

Amanda Mendes ou Rodrigo Frampton?
Os dois. Sem Amanda, não haveria "Ela". Sem Rodrigo, "Ele" não existiria . Os dois é que dão vida à cena, às ideias. E estão fazendo isso muito bem!

*Bruna Ferreira é repórter do R7. É formada em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP (Universidade de São Paulo), onde cursa mestrado. Ela escreve interinamente neste blog até 18/2/2014, período de férias do colunista Miguel Arcanjo Prado.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Foto Joao Caldas Fº 68640a Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

"A Toca do Coelho" fica em cartaz até o dia 23 de fevereiro - Foto: João Caldas

Por BRUNA FERREIRA*

Sorrindo pra vida
A Toca do Coelho volta ao Teatro Faap, em São Paulo, em temporada até o dia 23 de fevereiro, com duas sessões aos sábados (18h e 21h) e uma aos domingos (18h), com Maria Fernanda Cândido, Reynaldo Gianecchini, Selma Egrei, Simone Zucato e Felipe Hintze. O espetáculo conta a história de esperança e superação de uma família que busca juntar os cacos após uma grande perda. Falando em superação, nesta última terça-feira (21), Giane só tinha motivos para comemorar: “Hoje faz dois anos que renasci, minha medula nova começou a funcionar e sigo sorrindo pra vida!”. Em agosto de 2011, o ator foi diagnosticado com um linfoma. Sorrindo e fazendo sorrir. Viva, Giane!

Agenda Cultural da Record News

Por uma São Paulo que dance!
Na próxima terça-feira (28), a São Paulo Companhia de Dança lança seu quinto livro. Com textos de Evaldo Mocarzel, Lucia Santaella entre outros, o Jogo de Corpo — Ensaios Sobre a São Paulo Companhia de Dança (org. Inês Bogéa) é uma homenagem aos seis anos do grupo. O evento será na Livraria Martins Fontes, na av. Paulista, 509, em São Paulo, às 20h. Aberto ao público.

celso frateschi rep insta1 Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

Camila Pitanga registra Celso Frateschi na cozinha - Foto: Reprodução/Instagram

Polenta de ouro
Graças a uma amiga dedo-duro descobrimos um talento novo do ator Celso Frateschi, protagonista do espetáculo Bola de Ouro, que teve sua reestreia em São Paulo, nesta última quinta-feira (23), no Teatro Faap, e fica em cartaz até o dia 7 de março. Camila Pitanga entregou que o ator é bom de cozinha: “Celso Frateschi nos honrando com sua polenta com ragu de carne! Ô sorte!”

A vida após o Félix
Mateus Solano manda avisar que vai precisar de um período de férias após viver o vilão Félix da novela Amor à Vida. Só que não vai ser por muito tempo. O ator ficará um mês de férias com a mulher, Paula Braun. Quando voltar, ele vai se dedicar ao espetáculo Do Tamanho do Mundo, escrito por Paulinha. O espetáculo deve chegar a São Paulo em abril deste ano, com temporada no Teatro Renaissance.

Experimentação
Até o dia 2 de fevereiro, a mostra Memórias, Arquivos e (Auto) biografias, realizada pelo grupo XIX de Teatro, vai exibir um total de 17 projetos de artistas independentes, no Armazém XIX, na Vila Maria Zélia, em São Paulo. A entrada é gratuita.Entre as apresentações, destaque para Pequenos e Grandes Gestos de Despedida, da carioca Georgiana Góes, que nasceu de uma experiência em que a atriz contava a história de um amor perdido a cada espectador, durante 12 horas, em um quarto de apartamento no Rio de Janeiro. De arrepiar…

Aniversário de SP na USP
Em comemoração aos 460 anos de São Paulo, a Tenda Cultural Ortega y Gasset, na Praça do Relógio, na USP, parece com uma programação especial de 24 a 26 de janeiro. Em homenagem à Vanguarda Paulista, vão ter shows de Tetê Espíndola, Alzira, Anelis Assumpção e banda e exibições de documentários. A programação completa está no site prceu.usp.br/tendaculturalortegaygasset. Ah, não dá para esquecer: totalmente gratuito!

Segredo do Bob
De 3 a 26 de fevereiro, às segundas e quartas, o fotógrafo Bob Sousa, parceiro do blog, administra um curso de Fotografia do Teatro, no Sesc Consolação, em São Paulo. Podem se inscrever maiores de 16 anos, na própria unidade, no próximo dia 28 de janeiro. Cada aula tem duração de 2h30. É necessário conhecimento básico de fotografia e uma câmera fotográfica com controle manual. O ingresso custa de R$ 12,50 até R$ 50.

Recadinho
A organização do espetáculo L’Illustre Molière, em cartaz no Teatro Eva Herz, que fica no Conjunto Nacional, na Bela Vista, em São Paulo, manda avisar que o horário de exibição foi excepcionalmente alterado neste fim de semana. No domingo (26), não terá apresentação e no sábado (25) terá uma sessão às 19h. A peça tem direção de Sandra Corveloni. A assessoria só informou ao blog que as mudanças ocorreram “por motivos internos do teatro”.

MOLIERE 01 Por trás do pano   Rapidinhas teatrais

"L'Ilustre Molière" não fará apresentação neste domingo (26) - Foto: Divulgação

*Bruna Ferreira é repórter do R7. É formada em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP (Universidade de São Paulo), onde cursa mestrado. Ela escreve interinamente neste blog até 18/2/2014, período de férias do colunista Miguel Arcanjo Prado.

 

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

1015205 329093003888361 1737788289 o Entrevista de Quinta   Fecho os olhos e me imagino sendo a Beyoncé, diz a Palhaça Rubra

Lu Lopes no papel da Palhaça Rubra - Foto: Reprodução/Facebook

Por BRUNA FERREIRA*

Ela se chama Rubra, tem pelo menos 20 anos de existência, mas não conta a idade, pois é assim com todas as grandes personalidades. Ela sonhava ser Rita Lee, foi chamada para atuar em um filme de Tim Burton e diz que já foi cortejada por Brad Pitt, Rodrigo Santoro e Rodrigo Faro.

A Entrevista de Quinta de hoje é um presente amoroso e leve, como a vida deve ser. Lu Lopes, escritora, diretora, compositora, cantora e atriz criou a Palhaça Rubra e esta entrevista toda especial.

Durante cinco anos, Lu participou do Doutores da Alegria, que leva diversão para crianças hospitalizadas. Também fez parte do Circo Zanni. Por dez anos anos foi arte-educadora na Casa do Teatro e assistente de direção no Teatro Escola Célia Helena.

Em cartaz no Sesc Pompeia, Lu fará as últimas apresentações da Palhaça Rubra, neste fim de semana, com dois espetáculos para a família: Escalafobética e Criaturas. No primeiro, a palhaça vive em uma atmosfera de loucura sombria, encarnando uma faxineira para lá de improvável. No segundo, a personagem surge com um show musical e teatral criado a partir do livro homônimo e de sua autoria.

— Eu criei a Palhaça Rubra há 20 anos. Fiz um workshop com a Cristiane Paoli-Quito e durante essa fase fui construindo a personagem. Demorou para ela ganhar a caracterização que tem hoje. Ela, certamente, não é a mesma desde o início de sua criação. Ela ganhou uma clareza. Quanto mais velho o palhaço vai ficando, melhor ele é. O tempo faz perder alguns pudores.

Sem mais enrolação… Respeitável público, com vocês, a Palhaça Rubra:

1039938 419290414868619 912218233 o Entrevista de Quinta   Fecho os olhos e me imagino sendo a Beyoncé, diz a Palhaça Rubra

Rubra conta como mantém a boa forma e o bom-humor ao Atores & Bastidores -  Foto: Reprodução/Facebook

Atores & Bastidores - Rubra, você sonhava fazer tanto sucesso? Quando foi que percebeu que encontrou a fama?
Palhaça Rubra - Eu sonhava ser a Rita Lee! Queria cantar para as pessoas e que elas cantassem comigo! Hoje em dia é que consegui ser eu mesma e cantar com todo mundo que vai nos shows. Eu fecho os olhos e me imagino sendo a Beyoncé! O sucesso e a fama se encontraram dentro de mim! Eu sou um sucesso e a pessoa mais famosa dentro de mim mesma! Pode perceber! Ó!

Qual é a parte boa do sucesso? E a parte ruim?
A parte boa do sucesso é que as pessoas passam a te conhecer e ir felizonas em tudo que você faz! Enxergam a gente melhor do que a gente é! A parte ruim... Eu dou um chute no “forévis” dela e procuro me divertir até nas roubadas!

Você acha que o público confunde a sua arte com a sua vida pessoal? Dá para ter privacidade?
Privacidade é bom no banheiro. Ops… no toilet! Fora dali sempre vai ter gente querendo saber como a gente vive. Como eu sou muito famosa tenho sempre em casa instrumentos musicais, champanhe, sucos naturais e “peperêts” pra receber com elegância os curiosos de plantão e fazer um som e novas parcerias!

O que você faz para manter sempre a boa forma e o bom-humor?
Faço capoeira com o professor Bruno da Uru Brasil, yoga com o professor Pedrinho no Santosha, danço de chacrete nos shows da Ivete Sangalo e fujo dos cachorros do bairro correndo até não poder mais! O bom-humor é coisa chique mesmo! A elegância da alma e iluminação espiritual. Isso vem do bom-humor, que vem da alegria, que vem de ficar com os amigos e família!

1009387 331382976992697 1892521724 o Entrevista de Quinta   Fecho os olhos e me imagino sendo a Beyoncé, diz a Palhaça Rubra

Rubra conta o segredo dos cabelos - Foto: Reprodução/Facebook

A sua fama atraiu muitas pessoas interesseiras? Quem são seus amigos de verdade?
A fama atraiu muitos pretendentes que querem namorar comigo! O Brad Pitt, o Rodrigo Santoro, o Rodrigo Faro! Todos esses rapazes ficam me ligando e mandando flores e colares de pérolas! Mas eu, gentilmente, explico que estou sem tempo no momento e me dedico à arte! Meus amigos de verdade são os que praticam o amor com simplicidade! Hoje de manhã apareceu um beija-flor na minha janela… Fiz amizade com ele!

O que você gosta de fazer nas horas vagas?
Amo dançar nas discotecas até o dia nascer! Já ganhei concurso, em primeiro lugar, de melhor dançarina em Osasco! Sou a rainha da pista! Pé de valsa! Chacrete maior!

Em Escalafobética, você entra em uma paranoia por limpeza, é isso mesmo? Você é boa na faxina, Rubra?
Eu limpo tudo que precisa ser limpo! Limpo de vaso sanitário a corações empoeirados!

Escalafobética também tem um pouco da atmosfera do Tim Burton? De onde veio a inspiração? Já sonhou fazer algum filme dele?
Ele me chama todo ano pra fazer os filmes dele e pra ser par romântico do Johnny Depp! Mas eu tenho muitos compromissos aqui no Brasil! Mas me inspiro nele porque ele sempre foca o lado humano e amoroso das criaturas e personagens das suas histórias! Isso é lindo e delicado!

Já em Criaturas você solta a voz, né? Quem são suas referências na música?
Eu amo a música e vivo pra fazer isso da vida! Escuto música o tempo todo… Arnaldo Antunes, Chico Salém, Jeneci, Beyoncé, Zeca Pagodinho, Spike Jones, Billie Holliday, Gorillaz, Rita Lee, Novos Baianos… e assim vai!

Rubra, esse seu cabelo é todo especial e marca sua personalidade. O que faz para cuidar dele diariamente?
Sabão de coco e vou no Jassa: cabeleleiro das estrelas!

Tem alguma coisa que você gostaria de dizer aos seus fãs, Rubra?
Sim. Vamos ser felizes. A gente merece!

*Bruna Ferreira é repórter do R7. É formada em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP (Universidade de São Paulo), onde cursa mestrado. Ela escreve interinamente neste blog até 18/2/2014, período de férias do colunista Miguel Arcanjo Prado.

Escalafobética
Quando: última chance, sexta 24/01/2014, 21h.
Onde: Sesc Pompeia - Espaço Cênico (r. Clélia, 93, São Paulo, 0/xx/11 3871-7700)
Quanto: R$ 3,60 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 8 (usuário matriculado no Sesc e dependentes, idosos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 16 (inteira)
Classificação indicativa: 14 anos

Criaturas
Quando: último fim de semana, 25/01/2014 e 26/01/2014, sábado e domingo, 17h
Onde: Sesc Pompeia - Espaço Cênico (r. Clélia, 93, São Paulo, 0/xx/11 3871-7700)
Quanto: R$ 1,60 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 4 (usuário matriculado no Sesc e dependentes, idosos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 8 (inteira)
Classificação indicativa: Livre

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Negra Felicidade EdsonCardoso foto Guga Melgar 1b Espetáculo conta a história real de uma escrava lutando pela própria liberdade

Edson Cardoso em cena na peça "A Negra Felicidade" - Foto: Guga Melgar/Divulgação

Por BRUNA FERREIRA*

Duas peças do diretor Moacir Chaves entram em cartaz em São Paulo nas próximas semanas. Uma é A Negra Felicidade, que faz sua estreia em São Paulo, após mais de um ano de apresentações no Rio de Janeiro. A outra é Labirinto, a primeira montagem do grupo Alfândega 88. Trazendo à tona temas como a exploração do homem pelo homem, a diversidade sexual e a emancipação da mulher, os espetáculos de forte cunho social terão sessões gratuitas na Caixa Cultural São Paulo.

A Negra Felicidade é baseada na história real de uma mãe livre que luta pela liberdade de sua filha ainda escrava, no Brasil do século XIX. O texto é todo baseado nos documentos deste processo encontrados na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro. Moacir conta que o espetáculo foge do realismo convencional.

— A gente toma o documento histórico como ponto de partida para uma atitude, uma reflexão, pois o que interessa é o nosso tempo. Refletimos sobre a nossa própria organização social a partir do texto histórico. Há muitos anos, fiz um espetáculo chamado A Violência da Cidade e, naquela época, fiz uma coleta de material muito grande. Também encontrei o tema no livro Visões da Liberdade, de Sidney Chalhoub.

Uma historiadora contratada pelo diretor teve a missão de transcrever a história, mas a linguagem permanece cheia de jargões do direito. O recurso é intencional para mostrar a frieza com que esse tipo de negociação era feita na época.

— A Negra Felicidade fala sobre a exploração do homem pelo homem. Nós somos um dos países com maior desigualdade social do mundo. Nos jornais da época, ao lado dos anúncios de escravos estavam os anúncios de aluguel de pessoas e trabalho. A ligação é imediata. A exploração do trabalho substitui a exploração do homem. As pessoas se identificam, pois ainda é presente. A gente não esquece do nosso sofrimento, da nossa contingência.

Negra Felicidade EdsonCardoso foto Guga Melgar b Espetáculo conta a história real de uma escrava lutando pela própria liberdade

Peça fala sobre comercialização do homem - Foto: Guga Melgar/Divulgação

Quem também sobe aos palcos de São Paulo é Edson Cardoso. O ator baiano, de 41 anos, único negro na peça. Não sabe quem é ele? Então, talvez, você se lembre do apelido que ele usou na década de 1990, ao fazer fama no Brasil e no mundo como o dançarino do grupo É O Tchan. Jacaré atendeu à reportagem do Atores & Bastidores em pleno feriado no Rio de Janeiro, logo após dar comida ao seu primeiro filho, Rafael.

Ele conta que o texto é todo recortado pelo Sermão de Santo Antonio aos Peixes, do padre Antonio Vieira, e que a plateia tem uma função participativa. Em alguns momentos ela é o réu, em outros vira os jurados e até o juiz.

— É uma época de transição, pois o negro não podia sequer entrar no tribunal para brigar pelo seu próprio direito de liberdade. E tudo aconteceu de verdade, perto da gente, nas ruas em que passamos todos os dias no Rio de Janeiro.

Edson, o Jacaré, conta histórias reais de discriminação pelas quais passou durante a vida e reforça a ideia de que essa memória perversa da nossa história não pode ser esquecida de maneira alguma.

— Já sofri discriminação várias vezes na vida. Uma vez em São Paulo, fui a um shopping, bem no comecinho do sucesso do grupo [É O Tchan] e fui até uma loja de grife. Eu vi uma calça que achei bonita e perguntei para a vendedora que numeração ela tinha. Ela virou e me disse: “Custa R$ 100”. Não foi isso que eu perguntei, entende? Em Salvador mesmo, a polícia me parou e além dos documentos, queria a nota fiscal do carro, pois não acreditava que eu pudesse ter um carro daqueles. Nós já conseguimos muito espaço, mas não podemos deixar esquecer. O ser humano, seja negro, cego, homem, mulher precisa ser respeitado como tal.

A segunda peça de Moacir a entrar em cartaz em São Paulo é Labirinto. O espetáculo é uma comédia que reúne três textos do autor gaúcho José Joaquim de Campos Leão, mais conhecido como Qorpo Santo, que viveu de 1829 até 1883. Os textos antecipam questões de cunho social como a liberdade sexual, o direito ao prazer, a emanicipação femininas e outros.

Engajado nas duas peças, Moacir fala sobre o mito de que o brasileiro é um povo sem memória. Nas palavras do diretor teatral, tudo não passa de estruturas de poder, construídas para manter o controle de uns sobre os outros.

— Essa é uma mentira absoluta. Essa é uma prática das elites brasileiras, organizada para ser dessa maneira. Os problemas deixam de ser falados, os processos contra corrupção, por exemplo, não são levados até o fim. Tudo é feito para que seja esquecido. Veja a privataria tucana no governo Fernando Henrique Cardoso e o mensalão? Só é lembrado quando é conveniente.

Labirinto FernandoLima foto de Guga Melgar b Espetáculo conta a história real de uma escrava lutando pela própria liberdade

Fernando Lima na comédia "Labirinto" - Foto: Giga Melgar/Divulgação

 

*Bruna Ferreira é repórter do R7. É formada em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP (Universidade de São Paulo), onde cursa mestrado.  Ela escreve interinamente neste blog até 18/2/2014, período de férias do colunista Miguel Arcanjo Prado.

 

A Negra Felicidade
Quando: 30 e 31 de janeiro; 1 e 2 de fevereiro, 19h15. Tradução em libras no dia 02/02/2014
Onde: Caixa Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111, metrô Sé, São Paulo, tel. 0/xx/11 3321-4400)
Quanto: Grátis (retirar ingressos na bilheteria com 1h de antecedência)
Classificação etária: 14 anos

Labirinto:
Quando: 06/02/2014 a 09/02/2014, 19h15; Tradução em libras no dia 09/02/2014
Onde: Caixa Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111, metrô Sé, São Paulo, tel. 0/xx/11 3321-4400)
Quanto: Grátis (retirar ingressos na bilheteria com 1h de antecedência)
Classificação etária: 14 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

1521353 588269131247285 1531641574 n Prêmio Acessibilidade 2013 quer superar o preconceito da inclusão social

Prêmio Acessibilidade 2013 abre votação até o dia 31 de janeiro no site da SP Escola de Teatro

Por BRUNA FERREIRA*

A SP Escola de Teatro — Centro de Formação das Artes do Palco vai realizar pela primeira vez em sua história o Prêmio Acessibilidade 2013, uma proposta que pretende homenagear e tornar visível a ação dos profissionais e projetos voltados ao acesso à cultura.

O prêmio é dividido em cinco categorias: artes do palco, políticas públicas, cidadania, equipamentos culturais e personalidade do ano. Os indicados foram escolhidos por um júri composto por Antenor José de Oliveira Neto, Cid Blanco Junior, Cássio Rodrigo, Ivam Cabral, Leandro Knopfholz, Leonidas Oliveira e Luiz Carlos Lopes.

A votação é aberta ao público no site da SP Escola de Teatro (www.spescoladeteatro.org.br/premio-acessibilidade/) até o dia 31 de janeiro. A entrega do prêmio será no dia 18 de março na sede da instituição, na Praça Roosevelt, em São Paulo.

Em entrevista ao Atores & Bastidores, o diretor executivo da escola, Ivam Cabral, falou sobre a necessidade de incentivar esse tipo de trabalho e explicou a escolha pelo termo acessibilidade em vez de inclusão.

— É a primeira edição do prêmio. Ele acabou de ser criado, mas se consolidou após muitas discussões sobre como deveria ser feito. Aqui na SP Escola de Teatro temos evitado falar em inclusão social, pois acreditamos que ninguém precisa ser incluído. O termo já é carregado de preconceito. O que acreditamos é que as pessoas precisam de acesso.

ivam cabral bob sousa Prêmio Acessibilidade 2013 quer superar o preconceito da inclusão social

Ivam Cabral: Personalidade Teatro R7 2013 - Foto: Bob Sousa

Ivam entende ainda o papel da  instituição nos debates sobre acesso à arte. Uma das ações da escola, por exemplo, será promover um curso sobre as palavras, estudando os termos que são pejorativos.

— Precisamos discutir se falamos preto ou negro, travesti ou transexual. Falar em deficiência física hoje é quase nojento. O nosso vocabulário está carregado com nossas próprias dificuldades em lidar com as questões. É preciso dialogar com as pessoas, não apenas querer inclui-las.

O diretor da instituição ainda acredita que a premiação coloca em evidência a capacidade de mobilização da classe artística.

— Nós temos encarado que a pedagogia não está na sala de aula. Pedagogia nós fazemos ao atender ao telefone. Ela está no dia a dia. A gente está no terreno da educação, que é uma troca de saberes. Eu não sei mais do que ninguém. De certa forma é uma função nossa discutir a sociedade. A gente precisa rediscutir o nosso lugar no mundo. A gente precisa falar de cidadania, pois é só partindo deste princípio que seremos capazes de entender as nossas diferenças.

*Bruna Ferreira é repórter do R7. É formada em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP (Universidade de São Paulo), onde cursa mestrado.  Ela escreve interinamente neste blog até 18/2/2014, período de férias do colunista Miguel Arcanjo Prado.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Foto de BOB SOUSA

caca rosset foto bob sousa 14 O Retrato do Bob   O charme de Cacá Rosset

Cacá Rosset é um patrimônio de nosso teatro. Cheio de charme, ele é articulado e sabe se impor. Vai completar 60 anos no dia 9 de março deste 2014. Formado em direção teatral pela Escola de Arte Dramática da USP (Universidade de São Paulo), ele fez história com o Teatro do Ornitorrinco, ao lado de Maria Alice Vergueiro e Luiz Roberto Galizia. Criador de polêmicas, já trabalhou também na TV e chegou a assinar uma coluna em jornal. Afinal, o palco é mesmo pequeno para o tamanho do talento deste homem das artes.

Visite o site de Bob Sousa

Baixe o livro Retratos do Teatro, de Bob Sousa

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

bruna ferreira foto eduardo enomoto Domingou   Minha pequena Bruna Ferreira

Bruna Ferreira na redação do R7: ela fará o blog até 18/2/2014 - Foto: Eduardo Enomoto

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Entrar em férias é preciso. Descansar a cabeça, renovar a alma. Faço isso a partir desta segunda (20).

Mas também é preciso deixar o filho em boas mãos. E tive a sorte de encontrar mãos pequenas e delicadas, mas imensamente generosas, para cuidar deste Atores & Bastidores em meu período de ausência.

Bruna Ferreira, jornalista formada pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), onde também cursa atualmente o mestrado, é quem assume este espaço até o dia 18 de fevereiro de 2014.

A escolha não poderia ser melhor. Bruna é inteligentíssima, competente e dedicada. Profissional com quem já trabalhei muito e em quem confio plenamente. Possuiu visão aguçada para o jornalismo cultural e, assim como eu, é uma apaixonada pelo teatro e pelos artistas.

Portanto, todos estarão em boas mãos.

Vou tranquilo para as férias na expectativa de que criem uma relação de troca cultural intensa e proveitosa para todos. Porque o blog foi criado para isso. Para prestigiar o teatro brasileiro diariamente, com toda a competência do mundo.

Minha pequena Bruna Ferreira, com quem tanto me identifico, é a jornalista ideal para ocupar o comando. Deixo vocês em ótimas mãos.

Aquele abraço e até a volta!

 

bruna ferreira e miguel arcanjo prado foto eduardo enomoto Domingou   Minha pequena Bruna Ferreira

Bruna Ferreira e Miguel Arcanjo Prado na redação do R7 em São Paulo - Foto: Eduardo Enomoto

*Miguel Arcanjo Prado é jornalista e gosta de viajar. A coluna Domingou, uma crônica semanal, é publicada todo domingo no blog Atores & Bastidores do R7.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

 

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

rodrigo sampaio Dois ou Um com Rodrigo Sampaio

Rodrigo Sampaio é ator da Trupe Temdona, que se apresenta em São Caetano - Foto: Debora Ishikawa

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O ator Rodrigo Sampaio, de 26 anos, está no elenco da peça Iepe, com texto de Luis Alberto de Abreu e direção de Pedro Alcântara, com a Trupe Temdona. A montagem fica em cartaz em curtíssima temporada, a preço popular de R$ 10, a partir deste sábado (18) até o dia 26 de janeiro de 2014. Sempre aos sábados, às 20h, e domingo, às 19h, na Fundação das Artes de São Caetano do Sul (r. Visconde de Inhaúma, 730, em São Caetano). Rodrigo e a trupe voltam à casa, já que todos foram formados pela instituição do ABC Paulista. O ator, natural de São Bernardo do Campo e morador do Ipiranga, em São Paulo, também é jornalista e se divide entre o palco e a escrita. Ele topou participar da nossa coluna Dois ou Um. Dez perguntas cheias de possibilidades. Ou não.

Rolezinho ou donos de shopping?
Rolezinho.

Esquerda ou direita?
Ambidestro.

Thiaguinho ou Marcelo Jeneci?
Jeneci. Barba grande e lápis no olho, sim.

Anitta ou Maria Rita?
Coreografia O Show das Poderosas.

Ator ou jornalista?
Ator.

Rita Lee ou Rita Cadilac?
Tia Lee.

Lula ou Dilma?
Dilma Bolada.

São Bernardo ou São Francisco?
São Berrrnarrrdo.

Praça Roosevelt ou avenida Paulista?
Roosevelt.

Amor de índio ou amor bandido?
Simplesmente amor.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com