Posts com a tag "elisete jeremias"

elisete jeremias otto barros eduardo enomoto bob sousa Oficina ganha ala teatral na Nenê de Vila Matilde; saiba como desfilar com os artistas em 2015

Elisete Jeremias e Otto Barros são diretores da ala do Oficina na Nenê - Fotos: Bob Sousa e Eduardo Enomoto

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Fotos BOB SOUSA e EDUARDO ENOMOTO

O Teat(r)o Oficina, dirigido por José Celso Martinez Corrêa, o nosso Zé Celso, terá ala especial no desfile da escola de samba Nenê de Vila Matilde no Carnaval 2015.

Será a ala 23, a última da escola, intitulada Um Povo que Sorri. Ela tem a importante missão de encerrar o Carnaval paulistano, já que a Nenê é a última agremiação do grupo especial a desfilar, com previsão de entrada na avenida às 6h do dia 14 de fevereiro de 2015.

Os diretores de ala são Elisete Jeremias e Otto Barros. Elisete já foi diretora de cena do Oficina, posto hoje ocupado por Otto, seu pupilo.

ze celso bob sousa5 Oficina ganha ala teatral na Nenê de Vila Matilde; saiba como desfilar com os artistas em 2015

Zé Celso vai expor experiência no exílio em Moçambique no Anhembi - Foto: Bob Sousa

Ela conta ao Atores & Bastidores do R7 que sua função na escola “é a mesma que exercia no teatro”. E diz que o Oficina já tem história com a Nenê.

—O Oficina já saiu em 2013 na ala Canudos, com Zé Celso fazendo o Antônio Conselheiro, e grande parte do elenco fazendo personagens de Os Sertões.

Moçambique e Zé Celso

O enredo da Nenê neste ano é Moçambique – A Lendária Terra do Baobá Sagrado.

Marcio Telles, diretor de Harmonia da Nenê, estará no Oficina nesta quinta (30), para acertar todos os detalhes do Carnaval com os artistas da companhia. Ele ouvirá ainda o depoimento de Zé Celso, que estava exilado em Moçambique quando houve a revolução no país africano, que culminou na independência do país em 1975. A experiência do diretor ajudará na dramaturgia da ala.

A encenação da ala no Anhembi está a cargo do ator e diretor do Oficina Marcelo Drummond. Luciano Chirolli, outro grande nome dos palcos, será o coordenador de evolução.

Na equipe da ala ainda estão Felipe Stucchi, que fará o registro fotográfico, e Victor Gally, responsável pela comunicação.

Há vagas

Os integrantes do Oficina terão prioridade para ocuparem as 80 vagas da ala. Mas, como revela Elisete, sobrarão vagas, que serão disponibilizadas para pessoas da comunidade artística interessadas em ir para o Anhembi ao lado da turma de Zé Celso.

— Com certeza abriremos vagas para a comunidade artística interessada. As pessoas têm de ter pelo menos 18 anos, de ter disposição, disponibilidade, disciplina para os ensaios, entusiasmo, resistência e emoção!

marcelo drummond bob sousa Oficina ganha ala teatral na Nenê de Vila Matilde; saiba como desfilar com os artistas em 2015

Marcelo Drummond será responsável pela encenação da ala - Foto: Bob Sousa

Quem tiver interesse em desfilar pode fazer um cadastro no site montado pela ala. Precisa informar nome, e-mail, telefone, número de figurino, número de sapato e dizer no campo mensagem por que deseja desfilar.

Os ensaios já começaram na quadra da escola e serão intensificados no fim do ano e também em janeiro e fevereiro de 2015.

Histórico

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Nenê de Vila Matilde foi fundada em 1949 por Seu Nenê, lendária figura do samba paulistano e é uma das mais tradicionais agremiações carnavalescas do Brasil.

A escola já levou 11 vezes o título de campeã do Carnaval de São Paulo, sendo tricampeã duas vezes. É a entidade com mais títulos durante o século 20.

Já o Teat(r)o Oficina foi fundado por Zé Celso em São Paulo 1958 e é considerado um dos mais importantes grupos teatrais do mundo.

nene mocambique 2015 Oficina ganha ala teatral na Nenê de Vila Matilde; saiba como desfilar com os artistas em 2015

Imagem oficial do enredo da Nenê de Vila Matilde para o Carnaval 2015 - Foto: Divulgação

Você tem vontade de desfilar no Carnaval?

  • Sim, é meu grande sonho. Só de pensar me arrepio. Seria a glória!
  • Não, prefiro ver pela TV. Sou muito tímido e acho as fantasias cafonas.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

consciencia negra tais araujo bob sousa Especial Dia da Consciência Negra: Conheça sete artistas negros que se destacam no teatro brasileiro

Taís Araújo, no palco do CIT-Ecum: ela abriu caminhos para o negro na TV - Foto: Bob Sousa

Por Miguel Arcanjo Prado
Fotos de Bob Sousa e Eduardo Enomoto

Este 20 de novembro é Dia da Consciência Negra. Um momento de reflexão sobre a importância dos negros na sociedade e na cultura brasileira, tempo de reforçar a luta contra o absurdo chamado preconceito racial e lutar por oportunidades iguais para todos. Na companhia dos fotógrafos Bob Sousa e Eduardo Enomoto, o Atores & Bastidores do R7 perambulou pelos teatros de São Paulo para preparar este especial. Encontrou artistas negros que fazem toda a diferença em nossos palcos. Veja só que gente interessante:

*****

Agora nos palcos paulistanos, a atriz carioca Taís Araújo, 34 anos, é uma espécie de porta-bandeira da presença do negro na televisão. Foi a primeira negra protagonista de novela, como nossa eterna Xica da Silva. E também a primeira protagonista negra na Globo, em Da Cor do Pecado. Ela sabe que abriu caminhos. "A TV não é mais a mesa de quando eu comecei; tampouco é melhor. É um caminho lento e vagaroso", diz ao R7, no café do CIT-Ecum, em em São Paulo, onde está em cartaz com o espetáculo Caixa de Areia. "De alguma maneira o mercado se abriu para os atores negros, mas esta presença ainda é bem longe da real proporção na sociedade". Taís sabe que a batalha ainda é grande. “É preciso que o negro seja visto como um artista como qualquer outro. Podemos interpretar qualquer personagem". É por isso que ela se refugia sempre que pode no teatro. Sabe que no palco, o que importa é a personagem, não a etnia da atriz. "O teatro é mais generoso. Escolho o que quero fazer no palco para poder ter mais liberdade. Mas acredito que é preciso virarmos donos das nossas coisas, é preciso ter este impulso”, diz a atriz. Certíssima ela.
(Leia a Entrevista de Quinta com Taís Araújo)

*****

consciencia negra lucas andrade foto eduardo enomoto 2 Especial Dia da Consciência Negra: Conheça sete artistas negros que se destacam no teatro brasileiro

Lucas Andrade: o negro tem de realizar todos os papéis - Foto: Eduardo Enomoto

Ator do Teat(r)o Oficina de José Celso Martinez Corrêa, Lucas Andrade, paulistano de apenas 18 anos, chamou a atenção do público ao interpretar Caetano Veloso no espetáculo Cacilda!!! Glória no TBC – Capítulo 1. O ator diz que se parece mais com Gil, mas gostou da ousadia de Zé Celso em colocá-lo para viver o outro cantor baiano. Isso prova que o teatro não tem a cabeça fechada, careta. Para o jovem, o negro precisa de igualdade. “Não acho que exista diferença entre ator negro ou ator branco. Somos apenas gente e atores que podem interpretar qualquer papel. É claro que o preconceito ainda existe, mas temos de acabar com isso. Não faz mais sentido. Essa coisa de preconceito contra o negro não entra na minha cabeça”. Nem na nossa.
(Leia o perfil completo de Lucas Andrade)

*****

consciencia negra breno da matta foto eduardo enomoto Especial Dia da Consciência Negra: Conheça sete artistas negros que se destacam no teatro brasileiro

Breno da Matta: "É preciso ver histórias no palco e não a cor da pele" - Foto: Eduardo Enomoto

O ator Breno da Matta, baiano radicado em São Paulo, quer o negro em todos os lugares da vida artística brasileira, incluindo aí o teatro. Não gosta de guetos. Sente falta de ver mais atores negros no palco, “lugar para artistas se expressarem, não para vermos a cor antes do talento”, avalia. “Meu sonho como artista não é a diferenciação. É ver histórias incríveis, discussões relevantes, artistas pulsantes e arte sendo feita e cumprindo sua função para além de uma cor de pele”. Para Breno, a Consciência Negra da data deve ser coletiva. “O negro tem um caminho mais difícil na sociedade, e o artista negro da mesma forma. Infelizmente, é reproduzido um olhar social e histórico sobre o negro. O melhor é cada um olhar o entorno e refletir”. Está coberto de razão.
(Leia o perfil de Breno da Matta)

*****

consciencia negra aline negra silva foto eduardo enomoto Especial Dia da Consciência Negra: Conheça sete artistas negros que se destacam no teatro brasileiro

Aline Negra Silva: "Ainda há preconceito, mas estamos ganhando espaços" - Foto: Eduardo Enomoto

Para a atriz e diretora Aline Negra Silva, de São Carlos, mas radicada em São Paulo, não existe um lugar especial para o negro no teatro, porque ela não crê em separatismo. “Ainda existe preconceito, mas penso que isso está mudando aos poucos. Mesmo que pouquinho, nós negros estamos ganhando espaços, indo para as ruas, saindo das periferias e ocupando outras partes da cidade”, afirma. Aline tem orgulho da força do negro nesta luta. Sobre o 20 de Novembro, tem posição clara. “Todos os dias do ano deveriam ser Dia da Consciência Negra, do índio e de todas as minorias excluídas deste País. Consciência a gente deve ter sempre. Datas que se tornam feriados em nosso País me dão a sensação de que é um favor. E agradecer a estes que fazem um ‘favor’ é pensar ainda como colonizado, como um servil ao seu benfeitor”. E Aline é dona do próprio nariz.
(Leia a Entrevista de Quinta com Aline Negra Silva)

*****

consciencia negra tony reis foto eduardo enomoto 2 Especial Dia da Consciência Negra: Conheça sete artistas negros que se destacam no teatro brasileiro

O ator Tony Reis encontrou no Oficina o espaço para atuar - Foto: Eduardo Enomoto

O baiano de Salvador Tony Reis está radicado em São Paulo há seis anos. Após fazer muitos trabalhos publicitários e estudar teatro em Salvador, mudou para a metrópole "com a cara e a coragem", em busca do sonho artístico. O ator de 33 anos faz parte há dois anos do Teat(r)o Oficina, onde encontrou sua turma e seu espaço. “No começo da minha carreira, pensei em desistir, porque há racismo. Mas a coragem me fez chegar aqui. Tenho por lema que aquilo que não me mata me fortalece”, conta. No grupo comandado por José Celso Martinez Corrêa, ele se sente valorizado a cada dia. Nas montagens da trupe, costuma ganhar personagens de destaque. “Faço todos os papeis aqui no Oficina. O Zé Celso é um diretor que dá oportunidade aos negros. Aqui, me sinto realizado”. A gente vê em seu sorriso.
(Leia o perfil completo de Tony Reis)

*****

consciencia negra elisete jeremias foto bob sousa Especial Dia da Consciência Negra: Conheça sete artistas negros que se destacam no teatro brasileiro

Elisete Jeremias: ela não quer pedir, prefere cantar e celebrar seus ancestrais - Foto: Bob Sousa

Elisete Jeremias defende o negro no teatro em lugar de destaque. Ela trabalhou em escolas de samba e blocos de maracatu até chegar ao Teatro Oficina, onde seus “diretores são encantados pela arte afro-brasileira”. E faz valer essa experiência todos os dias, com festa. A artista acredita que o 20 de Novembro ainda é importante, “sobretudo para aqueles que militam”. Mas não faz sua cabeça com o feriado. Ela prefere não pedir, e sim celebrar sua ancestralidade. “Sempre cantando, vibrando ao som dos ditirambos”, diz. Faz bem.

*****

consciencia negra jenifer costa foto bob sousa Especial Dia da Consciência Negra: Conheça sete artistas negros que se destacam no teatro brasileiro

A atriz mato-grossense Jenifer Costa: "Vejo muitos negros talentosos e com garra" - Foto: Bob Sousa

A atriz Jenifer Costa, de 21 anos, mato-grossense que mora em São Paulo há três anos, sente falta de mais artistas negros no palco. Mas vê mudanças. “É bem raro ver um artista negro tendo destaque, mas ultimamente vejo muitos negros talentosos com garra, começando e se destacando no cenário teatral”. Contudo, vê mais dificuldades no caminho do artista negro. “Ainda existe preconceito, mas vamos vencer isso com persistência e talento. Quando existe um grupo de artistas brancos, ninguém coloca isso em questão. Já quando é um grupo de negros, isso vem à tona. Temos de mudar isso”, defende. Para a atriz da Cia. 7 Pedaços, o 20 de Novembro é um momento de reflexão. “Acho uma data importante, até pela história de Zumbi que representa, como um ícone da resistência negra. É uma data que não combina com preconceito, mas que serve para reforçar a luta contra ele”. Lutemos todos juntos.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

Foto de Bob Sousa
Por Miguel Arcanjo Prado

elisete jeremias foto bob sousa O Retrato do Bob: Elisete Jeremias, a harmônica engrenagem que faz o Teatro Oficina passar
No andamento dos espetáculos alegóricos de José Celso Martinez Corrêa, o trabalho da diretora de cena Elisete Jeremias é fundamental. No Teatro Oficina desde 1996, ela trouxe para o palco a experiência como diretora de harmonia de tradicionais escolas de samba do Carnaval paulistano, como Vai Vai e Nenê de Vila Matilde. Costuma dizer por aí que não gosta de monotonia. Assim, se refestela na inventiva trupe do Bixiga. E até teoriza. Fala que dirigir a cena por lá é como oferecer um bom jantar. Afinal, banquete é o que não costuma faltar por lá. Pelo sorriso gostoso que deu ao nosso Bob Sousa, a gente percebe que ela serve mesa farta. Que Deus conserve assim.

Leia também:

Fique por dentro do que os atores fazem nos bastidores

Descubra agora tudo o que as belas misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com