Posts com a tag "grátis"

IMG 9265 Grátis e pop, musical Hairspray discute preconceito

Liza Caetano vive a jovem Tracy no musical Hairspray: entrada grátis em SP- Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Baltimore, 1962. A cidade norte-americana vive a tensão da reivindicação dos direitos iguais entre negros e brancos. Parte destes últimos resiste, não querendo perder a posição privilegiada na sociedade. Outra prefere juntar-se aos negros em sua luta.

Este é o pano de fundo do espetáculo Hairspray - O Musical, da Cia. Instável de Teatro, dirigida por André Latorre com alunos de teatro da Faculdade Paulista de Artes. A obra estreia em São Paulo nesta segunda (1º), no Teatro Ruth Escobar, com entrada gratuita. A temporada vai até 10 de dezembro, de segunda a quarta [veja serviço ao fim].

Hairspray tem música de Marc Shaiman e Scott Wittman e roteiro por Mark O'Donnell e Thomas Meehan, baseados no filme de 1988 de John Waters — e que teve remake produzido em 2007 com direção de Adam Shankmann.

Para o Latorre, o discurso político da obra dialoga com o Brasil de hoje.

hairspray andre latorre Grátis e pop, musical Hairspray discute preconceito

André Latorre, diretor do musical Hairspray: "O preconceito ainda está vivo, mas todos podem e devem lutar pelos seus direitos", afirma o artista - Foto: Divulgação

— Na Baltimore dos anos 1960, as pessoas já sabiam que era errado ter atitudes separatistas,mas continuavam tendo atitudes equivocadas, de forma velada e também explícita. Para nosso desespero, a situação não mudou.

O diretor afirma que "hoje, vemos o preconceito vivo, com pessoas preconceituosas que, se interrogadas, certamente mentirão,dirão que não são preconceituosas".

— Hoje em dia, a cultura do ódio intensifica estas atitudes equivocadas. Mudou a época, mas a maneira de agir é a mesma.

Latorre manteve "falas absurdas" de vários personagens para deixar "explícito onde mora o erro, a segregação".

— Procurei manter isso muito vivo para fazer o público ver que existem pessoas horríveis como aquelas que estão no palco. Procuro intensificar a atitude errônea dos personagens para que isso cause um efeito reflexivo na plateia. Acho essencial ligar a temática com o que estamos vivendo, caso contrário nossa função como artista não se completa. O teatro é um documento e espelho de determinadas épocas.

Coreografias pop

Hairspray também tem diversão, já que a história está ambientada na efervescência da juventude da década de 1960, que acaba de descobrir o rock'n'roll e toda sua energia. Há muitos corpos bailando em cena, coreografados por Nhago Ramos. Muitos mesmo, como conta Latorre.

— Temos 47 atores.Tivemos um processo de trabalho agitado, mas de belas descobertas.Nosso maior desafio foi unir um elenco tão grande. Às vezes, o palco parecia pequeno demais.

Com tanta gente em cena, uma verdadeira engrenagem acontece nos bastidores para que o musical evolua. Capitaneando o elenco gigantesco, o diretor convocou a atriz Liza Caetano para protagonizar a obra.

Ela vive a a adolescente Tracy Turnblad, cujo maior sonho é ser dançarina de um programa de TV, mas que, ao longo da montagem, amadurece ao ponto de ser uma das líderes pelos direitos dos negros na sociedade. Para dar conta das duas sessões diárias, a atriz contou com a ajuda do preparador vocal Mauricio Mangini.

—O processo de ensaio foi pesado. Mas foi aquela coisa de cair de cabeça. Tento manter uma rotina em relação ao físico para ter a resistência que Hairspray me exige. Vejo o musical como uma lição de superação tanto no físico quanto no registro vocal.

liza caetano Grátis e pop, musical Hairspray discute preconceito

A atriz Liza Caetano: preparo vocal e físico para dar conta da adolescente Tracy - Foto: Divulgação

Além de assistir aos dois filmes, a atriz também utilizou sua experiência com o universo lúdico, já que atua na Trupe dos Brincantes, em espetáculos infantis nos CEUs da capital paulista.

— Tracy é diferente de tudo o que eu fiz. Sempre fiz personagens mais velhas. E ela é justamente o contrário: é mais nova, tem um frescor, uma inocência. Tentei construir minha Tracy com a maior veracidade possível.

Liza conta que está satisfeita em fazer um musical que mexe com a sociedade.

— O preconceito ainda está aí. Acho importante a forma como Tracy enfrenta o preconceito e luta por uma sociedade com mais equilíbrio. Diante de tanto preconceito hoje contra homossexuais, negros, nordestinos e mulheres, o Brasil parece que anda para trás. Esse musical é um simulacro da sociedade brasileira atual.

Latorre concorda com sua atriz. E também manda seu recado final.

Hairspray nos dá uma mensagem um tanto amarga, apesar de toda nuvem de laquê que parece fazer a peça ser leve e divertida. O texto nos faz lembrar que o preconceito ainda está vivo,mas que todos podem e devem lutar pelos seus direitos.

hairspray1 Grátis e pop, musical Hairspray discute preconceito

Multidão: Hairspray - O Musical tem 47 artistas no palco do Teatro Ruth Escobar - Foto: Divulgação

Hairspray - O Musical
Quando: Segunda a quarta, 18h e 21h. 100 min. 1º até 10/12/2014
Onde: Teatro Ruth Escobar (r. dos Ingleses, 209, Bela Vista, metrô Brigadeiro, São Paulo, tel. 0/xx/11 3289-2358)
Quanto: grátis (musical universitário sem fins lucrativos)
Classificação etária: Livre

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

pombas urbanas Eraumavezumrei credito tatitbrandao Pombas Urbanas faz 25 anos com 12 sessões grátis

Cena da peça Era uma Vez um Rei, que será apresentada no mês comemorativo dos 25 anos do grupo teatral Pombas Urbanas: cidade de São Paulo em foco com 12 sessões espalhadas pela metrópole - Foto: Tatit Brandão

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A partir desta quinta (23), às 16h, na praça do Correio, centro paulistano, o grupo de teatro Pombas Urbanas começa a fazer uma festa que durará um mês. Até 22 de novembro faz 12 apresentações grátis de quatro espetáculos de seu repertório para celebrar seus 25 anos de história: Era Uma Vez Um Rei, Todo Mundo Tem Um Sonho, Mingau de Concreto e Histórias para Serem Contadas.

Cartões postais paulistanos serão visitados pela arte do grupo, que já agendaram sessões na avenida São João e no parques da Água Branca, do Carmo e Jacuí.

Ainda no clima de celebração, uma exposição de fotos com a trajetória da trupe acontece em sua sede, o Centro Cultural Arte em Construção (av. dos Metalúrgicos, 2.100, Cidade Tiradentes, São Paulo, tel. 0/xx/2285-7758). No dia 30 de outubro, data oficial de seu aniversário de 25 anos, haverá uma festinha no local a partir das 20h com entrada gratuita.

Além das comemorações, o grupo já está montando sua nova peça, Cidade Desterrada, que deve estrear em junho de 2015.

O Pombas Urbanas surgiu em 1989 e tem como foco pesquisar a cidade de São Paulo e seus habitantes. Desde 2004, tem sede própria na Cidade Tiradentes, emblemático bairro da zona leste paulistana. Veja a programação completa.

Você acha que o teatro deve falar da realidade social?

  • Sim, afinal o palco é sempre um espaço de reflexão!
  • Não, acho que o teatro tem de ser apenas fantasia.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

pandolfo bereba Príncipe feio e chato mostra o avesso do galã

Peça Pandolfo Bereba será apresentada gratuitamente em bibliotecas de São Paulo - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O mundo dos contos de fadas é povoado por príncipes galãs, repletos de dádivas. Só que, na vida real, a qualidade nem sempre vem conjunta com a beleza. Muitas vezes, estão até separadas.

E é bom que as crianças saibam disso desde pequeninas, para não comprar gato por lebre no futuro.

Pois a peça infantil Pandolfo Bereba justamente descontrói o mito do príncipe encantado. A montagem será apresentada gratuitamente em bibliotecas de São Paulo [veja serviço abaixo].

A obra da Cia. Circo de Trapo tem direção de Fábio Brandi Torres e conta a história baseada no livro homônimo escrito por Eva Furnari.

Pandolfo não é bonito, nem encantador. Mas, é príncipe. Assim, vive solitário em seu castelo. Como adora julgar os outros, não tem muitos amigos. Até que conhece uma garota que modifica sua visão de mundo.

No elenco, estão artistas saídos de importantes escolas de artes cênicas do Estado de São Paulo: Marco Ponce, Rosana Borges e Verônica Nóbili, vindos, respectivamente, do Teatro-Escola Macunaíma, da ELT (Escola Livre de Teatro) e da EAD (Escola de Arte Dramática) da USP (Universidade de São Paulo).

O diretor afirma que a peça quer mesmo revê padrões e que seu protagonista “mostra que toda imagem pode ter o seu avesso, até mesmo um príncipe encantado”.

Está coberto de razão.

Pandolfo Bereba
Quando: 2/8/2014 (sábado), 14h
Onde: Biblioteca Pública Hans Christian Anderson (av. Celso Garcia, 4.142, Tatuapé, São Paulo, tel. 0/xx/11 2295-3447)
Quando: 3/8/2014 (domingo), 11h
Onde: Biblioteca Pública Padre José de Anchieta (r. Antônio Maia, 651, Perus, São Paulo, tel. 0/xx/11 3917-0751)
Quanto: Grátis
Classificação etária: livre

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

o beijo do homem Peça faz salada intelectual para falar do amor

Espetáculo O Beijo do Homem terá sessão grátis na Biblioteca Mário de Andrade, em SP - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A peça O Beijo do Homem é um verdadeiro mergulho em grandes nomes do pensamento e da escrita mundial.

O espetáculo será apresentado na próxima segunda (14), na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, às 19h, com entrada gratuita.

O texto da obra foi inspirado em nomes como Zygmunt Bauman, o papa polonês da pós-modernidade líquida, e o sociólogo francês e mito da semiótica Roland Barthes.

Não bastasse tanta pujança intelectual, a dramaturgia ainda tem pitadas da escritora brasileira Clarice Lispetor e do chileno Pablo Neruda e do argentino Jorge Luis Borges.

Na temática, o amor e a perda, tudo mergulhado no caos urbanos repleto de violência e vaidade.

A peça é do Núcleo C.U.L.T Dramaturgia, com direção de Ed Anderson. Estão no elenco, Marcelo Barranco, Marcos Valentim e Valéria Pedrassoli.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

BRtrans Foto Lina Sumizono alta1 BR Trans fecha temporada em SP com bate papo

Entrada grátis: cena da peça BR-Trans, que termina temporada em São Paulo - Foto: Lina Sumizono

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Após sucesso no último Festival de Curitiba, a peça BR-Trans termina curtíssima temporada gratuita em São Paulo neste sábado (28), às 20h, na Oficina Cultural Oswald de Andrade (r. Três Rios, 363, Bom Retiro, tel. 0/xx/11 3222-2662).

O espetáculo traz o ator cearense Silvero Pereira em cena. Ele também é autor do texto, dirigido por ele e Jezebel De Carli. No enredo, o universo dos transgêneros, transformistas e transexuais. Em cena, muita graça e muita tristeza também.

Neste sábado (28), data em que se comemora o Dia Internacional do Orgulho LGBT,  o público paulistano pode participar de um bate-papo com Pereira, que integra o Coletivo Artístico As Travestidas. Começa às 17h.

Ele promete responder perguntas sobre o processo criativo da peça, que contou com investigação cênica na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. As entradas tanto para o bate-papo quanto para a peça podem ser retiradas sempre meia hora antes.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

 

namibia nao foto rubens nemitz junior Racismo é discutido em Namíbia, Não, com sessões grátis em Salvador no fim de semana

Aldri Anunciação, autor da peça Namíbia, Não!, que volta a Salvador em sessões gratuitas - Foto: Rubens Nemitz Jr./Clix

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

De repente, todos os negros brasileiros, bem como seus descendentes, são obrigados, por decreto, a retornar à África.

A situação absurda e racista é o enredo do espetáculo Namíbia, Não!, escolhido o Melhor Texto R7 de 2012, em votação popular com participação de mais de 100 mil internautas.

O autor é Aldri Anunciação, que também está em cena, ao lado de Sérgio Menezes. Eles dão vida a André e Antônio, protagonistas da história.

A peça dirigida por Lázaro Ramos tem três apresentações gratuitas no Espaço Xisto Bahia (r. General Labatut, 27, Barris, Salvador, tel. 0/xx/71 3117-6155), de sexta (27) a domingo (28), com sessões às 17h e também às 20h nos três dias.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

 

 

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

lauanda varone marco keppler Jovens dramaturgos querem conquistar público para novas peças de teatro durante a Copa do Mundo

Em primeiro plano, a atriz Lauanda Varone na peça Vende-se de Marco Keppler - Foto: Marco Keppler

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Em plena época de Copa do Mundo, um grupo de quatro novos dramaturgos estão confiantes em seus textos. Tanto que colocam no palco, com entrada gratuita, suas primeiras obras justamente no mês em que o futebol domina a pauta. Afinal, querem mesmo é saber de teatro.

O nome do projeto é Cenas Insurgentes, criado no Teatro de Narradores. Ele abarca o Coletivo de Dramaturgos, com autores teatrais recém-formados no curso de dramaturgia da SP Escola de Teatro.

Cristiano alfer e cristina santos foto lucas venturin Jovens dramaturgos querem conquistar público para novas peças de teatro durante a Copa do Mundo

Os atores Cristiano Alfer e Cristina Santos em cena de Habeas Porcus, de Lucas Venturin - Foto: Lucas Venturin

Todas as peças serão apresentadas entre 13 e 22 de junho com entrada gratuita. Saiba um pouco sobre cada uma delas:

Jairo Alves mergulha no universo em crise de um homem desempregado em Nomes, Verbos e Objetos, com direção de Eder Bastos. Ficará no Teatro Alfredo Mesquita (av. Santos Dumont, 1770, Santana, zona norte ). Sexta e sábado, 21h, domingo, 19h.

Lucas Venturin usou o mundo interiorano para criar Habeas Porcus, com direção de Jonas Mendes. Estará em cartaz no Teatro Zanoni Ferrite (av. Renata, 163, Vila Formosa, zona leste). Sexta e sábado, 20h, domingo, 19h.

Marco Keppler desvenda um baú de memórias na peça Vende-se, que ganha direção de Victor Ribeiro. Estará em cartaz no Teatro Leopoldo Fróes (r. Antonio Bandeira, 114, Santo Amaro, zona sul). Sexta e sábado, 20h, domingo, 19h.

Mariana Menezes, por sua vez, entrou no espinhento tema das ausências familiares para compor a obra Restos, com direção de Vane, que ocupará o Teatro Cacilda Becker (r. Tito, 295, Lapa, zona oeste). Sexta e sábado, 21h, domingo, 19h.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

enrico bonavera bob sousa 2014 Italiano Enrico Bonavera faz peça grátis em SP

O mestre italiano Enrico Bonavera posa no Teatro Commune, em SP - Foto: Bob Sousa

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Foto de BOB SOUSA

Após dar disputada oficina sobre commedia dell’arte no Teatro Commune, como adiantou o Atores & Bastidores do R7, o ator italiano Enrico Bonavera sobe ao palco do Itaú Cultural, nesta quarta (28), às 20h.

O endereço é avenida Paulista, 149, próximo ao metrô Brigadeiro. Os ingressos serão distribuídos meia hora antes. São 249 lugares.

O artista abre o projeto De Vez em Quarta, Teatro, composto de atrações das artes cênicas com entrada gratuita toda quarta-feira até o mês de dezembro.

Bonavera apresenta a obra L’Affaire Picpus. A apresentação tem apoio da SP Escola de Teatro e da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

Inspirado em O Nariz, de Nicolaj Gogol, o espetáculo narra a vida do senhor Picpus, um homem comum que acorda um dia e percebe que seu nariz desapareceu do rosto. Liberto, seu nariz alcançará posições antes nunca pensadas.

Um dos maiores intérpretes do personagem Arlequim, Enrico Bonavera é considerado um dos mestres da commedia dell’arte de todos os tempos.

Saiba mais sobre ele e leia entrevista exclusiva na coluna O Retrato do Bob com Enrico Bonavera.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

relampiao joca duarte Cangaço e cultura brasileira são temas de Relampião, peça da Cia. do Miolo, grátis em SP

Cultura popular brasileira no teatro: cena da peça Relampião, que terá sessão grátis dia 31 - Foto: Joca Duarte

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

A Companhia do Miolo agendou para o próximo dia 31 de maio, um sábado, uma apresentação gratuita da peça Relampião.

Com parceria com a Cia. Pauliceia, a obra de rua tem como inspiração o cangaço brasileiro.

A sessão especial será às 15h, no largo do Rosário, na Penha, zona leste de São Paulo.

Para compor a montagem, o grupo de artistas mergulhou fundo na cultura nacional, investigando nossas raízes para criar uma obra que se comunica com qualquer plateia.

A luta do cangaço serve de mote para uma comparação com o mundo atual, repleto de Lampiões e Marias Bonitas, na visão do grupo.

Entre as inspirações confessas, as carrancas do Rio São Francisco e o movimento folclórico de folguedo cênico Cavalo Marinho.

Relampião
Quando: Sábado, 31/5/2014, às 15h (única apresentação)
Onde: Largo do Rosário, Penha, zona leste de São Paulo
Quanto: Grátis
Classificação etária: Livre

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes

mercedes sosa Música de Mercedes Sosa ganha vida no Memorial da América Latina em show gratuito de Miriam Mirah

A argentina Mercedes Sosa: uma das maiores vozes do mundo - Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Costumamos desconhecer artistas importantes de nossos países vizinhos. O que é uma pena para os brasileiros. Contudo, a genialidade de Mercedes Sosa conseguiu vencer a barreira que parece ainda hoje separar o Brasil do restante da América Latina.

Sua morte, em 2009, aos 74 anos, também foi sentida no Brasil, onde La Negra, como era chamada, tinha admiradores do quilate de Chico Buarque, Caetano Veloso e, claro, Milton Nascimento, seu maior parceiro por aqui.

A música da cantora argentina, natural da Província de Tucumán, representou o folclore de seu país para o mundo. Suas canções serão lembradas neste sábado (9), a partir das 17h, com show ao ar livre na praça do Memorial da América Latina, ao lado do metrô Barra Funda, em São Paulo. E o melhor: de graça.

A cantora paulista Miriam Mirah vai cantar o repertório de Sosa em um show que promete emocionar o público: La Negra y La Negrita é o nome do concerto. Mirah é velha conhecida da cultura latino-americana, que defende com unhas e dentes. Na década de 1970, fez história com o grupo Tarancón, que excursionou por toda a América Latina e gravou oito discos.

Hoje, Miriam Mirah é uma espécie de porta-bandeira da música latina em terras tupiniquins. Que bom para todos nós.

Míriam Miràh e charango Clio Luconi Música de Mercedes Sosa ganha vida no Memorial da América Latina em show gratuito de Miriam Mirah

A cantora Miriam Mirah: porta-bandeira da música latina no Brasil - Foto: Clio Luconi

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Espalhe por aí:
  • RSS
  • Live
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Digg
  • Facebook
  • Netvibes
Ir para a home do site
Todos os direitos reservados - 2009- Rádio e Televisão Record S/A
exceda.com