Posts de: março/2014

Eu não daria o título para a Tijuca

12922459713 cf0223fb75 c Eu não daria o título para a Tijuca

A Portela fez o seu melhor desfile em anos no Carnaval 2014

Calma! Já aviso logo de cara que não considero o resultado do Carnaval carioca injusto. Pelo contrário, achei o desfile da escola do Borel fascinante e digno de prêmio. Mas este ano aconteceu muita coisa na Sapucaí.

A primeira delas é a Portela. Há anos não via a Águia voar daquele jeito na Sapucaí. E ainda tinha o fato de a escola – a maior detentora de títulos da folia do Rio de Janeiro – estar há 30 anos sem ganhar um campeonato.

E o Salgueiro, com o samba que “tocou o coração” até de quem via pela televisão? Sem falar que o desfile foi arrebatedador.

Teve a Imperatriz, que  lembrou a época de ouro com a Rosa Magalhães, de desfiles luxuosos e tecnicamente perfeitos.

A Ilha, apesar do susto do carro com telão de led, que quase caiu na avenida, deu um show, divertiu e empolgou.

Por que alguma delas e não a Tijuca? Sei lá! Reconhecimento do trabalho, carinho, incentivar. A Tijuca, mais especificamente Paulo Barros, já tem e vai continuar tendo todos os louros possíveis. E é merecido. O que o carnavalesco faz na avenida é fora de série.

Vale destacar que não estou falando isso com olhar de jurado, mas de folião. Não contesto a vitória tijucana. Aliás, nada melhor do que ganhar o Carnaval falando de Ayrton Senna.

Tricampeonato da Mocidade obriga Carnaval de São Paulo a se profissionalizar

Carnaval2014 Mocidade Alegre 010314 Foto Marcos Lins  1 1024x681 Tricampeonato da Mocidade obriga Carnaval de São Paulo a se profissionalizar

Mocidade Alegre fatura título de 2014 e vira tricampeã do Carnaval paulistano

O que muda com mais uma vitória da Mocidade Alegre? A certeza de que só com organização e profissionalismo será possível superar a escola. Não dá mais para contar com o erro de uma agremiação que tem se esforçado cada vez mais para não errar.

Desde quando a presidente Solange Bichara assumiu o comando da Morada do Samba, há dez anos, a agremiação já faturou o campeonato seis vezes. Os títulos não vieram ao acaso. Todos os segmentos são ensaiados à exaustão. A organização fica clara, tanto no barracão quanto na quadra ou na montagem da escola nos ensaios técnicos.

Com enredo sobre fé, Mocidade Alegre fatura tricampeonato inédito no Anhembi

É inegável que uma vitória inesperada daria mais emoção aos foliões que reclamam da repetição de resultados. Mas como dizer que o título é injusto? Só fechando os olhos para a passagem da escola na avenida.

É preciso lembrar que as agremiações que desfilaram na sexta-feira sofreram com a chuva de granizo, que castigou o Sambódromo. Talvez, sem as pedradas do céu, a Rosas de Ouro poderia ter revertido o jogo. Mas os imprevistos climáticos fazem parte da competição. Segue o jogo e que venha 2015.

Atualização: Diferentemente do que foi publicado no blog anteriormente, o tricampeonato da Mocidade Alegre não é algo inédito no Anhembi. O feito foi conseguido anteriormente pela Vai-Vai, que foi campeã quatro vezes consecutivas nos anos 1998, 1999, 2000 e 2001, sendo que, nos últimos três, o título foi dividido com Gaviões da Fiel, X-9 Paulistana e Nenê de Vila Matilde, respectivamente.