R7 - Entretenimento

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

20 de Dezembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Entretenimento/Cinema/Notícias

Icone de Cinema Cinema

publicado em 22/02/2013 às 09h43:

Bollywood celebra 100 anos de história com "cinema de evasão" e romances

O cinema indiano tem uma produção de mais de mil filmes por ano

EFEEFE


Publicidade

A indústria do cinema indiano, tida como a maior do mundo e conhecida como Bollywood, completa 100 anos oferecendo evasão e deuses laicos, além de assumir um papel de conciliação em um país composto por diferentes religiões, línguas e culturas.

A grande paixão popular da Índia foi iniciada em maio de 1913, com a estreia do filme Rei Harishchandra, dirigido por Dadasaheb Phalke, que retrata de forma épica os textos sagrados hindus na cidade de Mumbai, desde então considerada a Meca do cinema indiano.

A chegada do som em 1931, com Alam Ara, uma história de amor entre uma cigana e um príncipe, ajudou a definir as bases do cinema na Índia, que, desde a década de 1940, passou a adotar uma fórmula infalível de canções, danças, romances, dramas e fantasias.

Embora a fórmula se repita com sucesso, a temática evoluiu muito com o tempo, passando de temas sociais ao "cinema de evasão" que hoje predomina em Bollywood.

— Nos anos 50 e 60, o cinema refletia o idealismo dos indianos após a independência do Reino Unido, quando todos buscavam uma sociedade mais justa — explicou Dilip Mehta, autor de filmes como Cozinhando com Stella.

O filme Mother India, de 1957, que relata os sofrimentos cotidianos de qualquer indiano refletidas na pele de uma mulher, é um exemplo bem significativo desse chamado "cinema social".

— Já nos anos 70, o cinema se industrializa e começa a oferecer o que chamamos de cinema de evasão — prosseguiu o cineasta, que acrescentou: — Hoje os espectadores querem fugir da realidade nas salas de cinema.

Amitabh Bachchan, talvez a maior estrela de Bollywood, se tornou um grande astro encarnando heróis de favelas que travavam inúmeras brigas com fazendeiros e políticos corruptos nos anos 50, enquanto, na atualidade, o mesmo costuma aparecer em papéis mais conservadores.

Segundo Mehta, o cinema indiano atualmente se apresenta como um cinema de corte conservador e conformista, ou seja, aquele que reforça os valores mais tradicionais.

No entanto, os cineastas indianos também quebram barreiras do que é socialmente aceitável, como o filme Kismet, que narra a história de uma gravidez fora do casamento.

Mais recentemente, filmes como Três Idiotas também conseguiram combinar o êxito nas bilheterias e reflexões sobre educação. — Foi um sucesso porque era divertido, mas também porque existe uma frustração entre os jovens relacionada ao sistema educacional — afirmou Mehta.

Dunno Y... Na Jaane Kyun é um marco no cinema indiano por ter apresentado o primeiro beijo gay em 2010 e sem que o mesmo causasse incidente, como ocorreu com o filme Fogo, lançado pelo próprio Deepa Mehta em 1996. Na ocasião, por conta do possível conteúdo homossexual do filme, algumas salas de cinema chegaram a ser queimadas no país.

O romance e o casamento por amor também ocupa um grande território cinematográfico no país, onde aproximadamente 90% dos indianos ainda optam pelo casamento arranjado.

— A fantasia do casamento por amor reina em Bollywood e é exposta como um verdadeiro caminho à felicidade conjugal — declarou o psicólogo Sudhir Kakar.

Além de oferecer fugas da realidade e romance, o cinema indiano também desenvolve um importante papel de conciliação em um país que conta com 22 línguas oficiais, várias religiões e culturas.

—O cinema de Bollywood é seguido por indianos de todas as idades, gêneros, castas, religiões e grupos linguísticos — comentou o compositor de trilhas sonoras Javed Akhtar, que completou: — O cinema híndi também pode ser considerado como outro estado do país.

O cinema indiano chega ao seu centenário com uma produção de mais de mil filmes por ano e quase 3 bilhões de ingressos, números que tendem a aumentar com o crescimento previsto para a indústria - de 13,2% até 2015, segundo a empresa de consultoria Pwc.

Uma indústria que resiste aos ataques de Hollywood, que, apesar de ter dobrado sua bilheteria na Índia em 2011, só conseguiu 6,8% da arrecadação local neste ano, apesar de suas grandes produções já terem se adaptado às línguas indianas, como híndi, tâmil e telugu.

 

 

  • O showbiz está a um clique. Quer apostar?
  • As manchetes que mexem com o mundo estão aqui. Informe-se
  • Você ainda paga provedor? R7 Banda Larga é grátis!
  • Imprima as suas fotos com desconto. Saiba como!
  • Curta a página do R7 no Facebook
  • O que os blogueiros do R7 pensam sobre isso? Saiba aqui
  •  

     

     
    Veja Relacionados:  Bollywood, cinema, india, indiano
    Bollywood  cinema  india  indiano 
     
    Espalhe por aí:
    • RSS
    • Flickr
    • Delicious
    • Twitter
    • Digg
    • Netvibes
    • Facebook
    • Google
     
     
     
     

    Fechar
    Comunicar Erro

    Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

    Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
    Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

     

     


    Shopping