R7 - Entretenimento

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

23 de Outubro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Entretenimento/Famosos e TV/Notícias

Icone de Famosos e TV Famosos e TV

publicado em 26/10/2009 às 06h00:

Miro Moreira: “Não sou gay e nunca tive nenhum caso com o Gianecchini”

O modelo revela, entre outras coisas, que às vezes acha que é um imã para homossexuais

Cléo Francisco, do R7

Ele já fez campanhas publicitárias para grifes famosas como Roberto Cavalli e Armani. Foi um dos quatro modelos escolhidos para fotografar ao lado de Madonna quando a diva veio ao Brasil, no ano passado. Mas a popularidade veio depois da participação no reality show A Fazenda, da Record. O paulistano Miro Moreira, aos 25 anos, vive sua melhor fase e abre o coração nesta entrevista exclusiva na qual fala sobre o assédio sexual que sofreu por parte de estilistas famosos, de drogas, boatos sobre sua sexualidade e muito mais.

R7 - Houve alguma proposta indecente quando você começou a modelar?
Miro - Muitas. Na minha casa somos muito abertos e falo tudo o que acontece com meu pai e mãe. Comigo eles dão risada. Eu falo para eles: “Era para eu estar milionário se fosse aceitar todas as propostas de trabalho que me ofereceram”.

R7 - Mas você está falando de propostas indecorosas?
Miro - Com certeza. De ter de sair com estilista famoso. Coisas assim. E sempre homossexuais. Nunca apareceu uma loira, uma morena e falou: “Vem cá, você não quer sair comigo?” Parece que tenho imã com pessoas gays, com homens. A culpa não é minha. Eu respeito, não tenho preconceito nenhum. Mas se eu não soubesse sair direito poderia me queimar com cliente e nunca mais trabalhar na minha vida, como já aconteceu em alguns trabalhos em que tive de ser um pouco mais rude porque são histórias absurdas.

R7 - Dá para contar algumas?
Miro
- Um dos estilistas mais famosos do mundo me perguntou se eu não queria ser o namorado dele durante um bom tempo, na frente de todo o pessoal com que ele trabalhava. Já fui fazer um desfile em Milão e tinha a minha prova de roupa. O cara pediu para eu me trocar na frente de todo mundo, umas 50 pessoas pararam para ficar me olhando. Ele queria que me trocasse ali na frente como se fosse fazer um striptease. Ele falou que era só para provar a sunga e ver se ia ficar bem no meu corpo.

R7 - O estilista queria que você provasse uma sunga na frente de 50 pessoas?
Miro - É assim, enquanto eu provava a roupa, cada um no grupo ia fazer uma coisa. Outro modelo ia pondo calça e media... Coisas assim. Como se fosse um salão de cabeleireiro. E os dois estilistas famosos ficaram no meio e falaram: “ Bom Miro, pode colocar”. Na hora em que ele me deu a sunga, todo mundo parou. Acho que o pessoal devia saber. Eu brinco que tenho pezinho na cozinha. Todo mundo na minha família tem bumbum grande e eu acabei pegando um pouco também por jogar bola.

R7 - O que você fez nessa hora?
Miro - Fui me virando ali, fiquei de lado e coloquei a sunga. Porque não tinha o que fazer, como falar não. Mas já rolou de fotógrafo chegar e perguntar: “Quer fazer as fotos dessa campanha?. Eu disse: “Quero muito”. E ele: “Vem cá, quero ver seu corpo. Você pode ficar pelado, por favor?” Comecei a entender. É um absurdo. Os caras querem te pegar.

R7- Como você reagiu a esse outro estilista que te propôs ser namorado dele?
Miro - Dei risada, fui enrolando, enrolando e saí. Aqui no Brasil, por exemplo, teve um homem querendo me agarrar. Foi em São Paulo, em uma boate. Entrei no banheiro, o cara veio atrás, já abrindo o zíper e quis me beijar na boca. Eu tive de jogar o cara na parede. Nesse dia me senti mal, fiquei um pouco nervoso. É uma pessoa muito famosa, da Globo.

Miro Moreira - Foto: Fabio Guinalz/AgNews

R7 - Já teve de partir para ignorância por causa desses assédios?
Miro - Quando comecei a modelar, fiz um curso e me indicaram uma agência pequena. O cara me mandou ficar de cueca. Fiquei. Ele disse que ia tirar medidas, aperta daqui, aperta dali. Pegou apertou meu bumbum para ver se eu tinha celulite. Eu falei: “O que?” Depois me mandou ficar pelado. Nessa hora, o empurrei em cima de uns computadores e disse: “Ah, é? Sou menor de idade.” Liguei para minha mãe, chegou polícia, o cara foi preso. Era um booker. Rola muito disso. O cara ficou preso um tempo porque na época eu tinha 17 anos.

R7 - Falando em atrair homens, ouvi um boato um tempo atrás...
Miro
- Do Gianechini. Foi antes de entrar na em A Fazenda. Eu não ligo porque sei muito bem qual a minha opção sexual.

R7 - Você já ouviu esse rumor então?
Miro - Já, estava no Bar Figa, um karaokê. Amigos meus conheciam ele e fomos apresentados nessa noite. Uma hora fui cantar com o Gianecchini e o Flávio e começaram a tirar fotos da gente cantando. Daí saiu no outro dia. Eles cortaram o Flávio, botaram eu e o Gianecchini juntos e falando: ”Gianecchini tem caso novo. Eles cantam Pense em Mim, de Leandro e Leonardo, abraçados a noite inteira”. Isso foi antes de eu entrar para A Fazenda. Não sou amigo íntimo dele, não tenho telefone dele. Não sou gay e nunca tive nenhum caso com Gianecchini. Meu negócio é outro. Gosto é de mulher, graças a Deus.

R7 – É comum o uso de drogas na área da moda?
Miro - Nossa, vi meninas muito novas cheirando cocaína na minha frente, fumando maconha a toda hora. Homens, mulheres. Em castings, desfile, trabalho. Eu estava fazendo foto, a modelo ia ao banheiro, voltava fungando o nariz. Vi de tudo. É um mundo muito gostoso de se viver, mas se tiver uma cabeça boa, conseguir lidar com isso.

R7 - Como surgiu o convite para as fotos com a Madonna?
Miro – Fiquei sabendo que haveria uma pré-seleção em São Paulo para fazer um editorial com uma atriz. Tinham uns 300 homens. Dessa pré-seleção, aconteceu outra aqui em São Paulo. Passei e fui para o Rio de Janeiro. Lá, mais homens também. Fizemos duas seleções e na ultima descobri que o fotógrafo era Steven Klein, um dos melhores do mundo. Aí descobri que era com a Madonna. Esse cara estava na primeira campanha que fiz. Falei: “Ah, vou pegar esse trabalho, tenho certeza”. Daí ele me viu, lembrou de mim, ficamos nos falando e pensei: “Peguei”. Fui eu e mais três meninos: o Felipe Anibal, Rômulo Pires e Jesus Luz.

R7 - E como foi fazer o trabalho com ela?
Miro - Complicado. Eu pensei: “Nossa, ela existe mesmo”. E eu tive que ficar abraçando, pegando.

R7 - Se emocionou por estar fotografando com ela?
Miro - Estava muito nervoso. Ela foi numa festa para 60 pessoas e se aproveitou o momento para fazer o trabalho. Ninguém podia encostar na Madonna, a não ser nós quatro. Eu olhei e em volta estava Rodrigo Santoro, Ronaldo, Gilberto Gil. Peguei um copo de caipirinha, virei de uma vez e falei: “Vamos trabalhar”. E fiz meu trabalho.

Veja Relacionados:  Miro Moreira
Miro Moreira 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping