Enquanto corre, José grita pela irmã, que decide pular. O hebreu dá um salto e consegue agarrar Diná pela cintura antes que ela despenque. Jacó se esconde para não ser visto. Em choque, ele vai se mostrar, mas hesita e olha os amantes mais uma vez antes de sair arrasado. Bila empurra Ruben e o expulsa da tenda. Diná fica brava com José e tenta se soltar. Ela começa a chorar e José a consola. Lia desconfia do nervosismo de Bila. Ruben conta para Simeon o que aconteceu. No dia seguinte, Lia se aproxima de José e agradece por ter salvo a vida de Diná.

Ele fala sobre o sonho, mas a esposa de Jacó não entende muito bem. Bila fica nervosa ao se aproximar de Jacó. Muito sério, o hebreu pede que a concubina reúna todos os seus filhos. Depois que todos estão juntos, Jacó entrega a túnica para José. Os irmãos do hebreu não gostam do que veem e cobram uma explicação do pai. Jacó decide que José não fará mais nenhum serviço pesado. Além disso, revela que ensinará ao filho a ler e contar. Jacó destaca também que José ficará responsável pela supervisão do trabalho de todos.

Ruben e Lia, se revoltam, afinal, esse deveria ser um privilégio do primeiro filho. Jacó destaca os erros de alguns filhos, e justifica sua decisão. Ruben se revolta e questiona o respeito que Jacó deveria ter por ele. Irado, Jacó pergunta se Ruben merece confiança. O rapaz recua, mas não imagina que foi visto com Bila. A concubina gela ao ouvir as palavras e abaixa o olhar, envergonhada. Jacó encerra o assunto. Enquanto trabalham no trigal, os irmãos tentam convencer Ruben a enfrentar o pai. Bila afirma que Ruben não é digno e Lia se revolta.

Jacó diz a José que seu primogênito lhe trouxe um grande desgosto. Ele percebe que falou demais e desconversa, enquanto ensina o filho a contar. Lia cobra explicações de Bila, que decide não revelar o que aconteceu. A concubina se afasta do acampamento e Elisa decide segui-la. Quando chega em um ponto afastado do acampamento, a esposa de Judá encontra Bila chorando. Elisa pergunta o que está acontecendo, mas não se convence com a primeira resposta. Bila afirma que não pode contar, mas é algo muito vergonhoso. Ela chora bastante.

À noite, os filhos de Jacó se reúnem para o jantar. Provocativo, Simeon joga o molho da carne na túnica de José, que tentava se enturmar. O favorito de Jacó se afasta chateado. Bila se irrita e também vai para outro local. Ruben a acompanha com o olhar e espera um pouco antes de segui-la. Elisa percebe. Bila ajuda José e consegue tirar a mancha da túnica. O hebreu se afasta. Simeon e seus irmãos se alimentam quando um barulho assusta o grupo. Jetur se aproxima com alguns escravos amarrados. Se fingindo de humilde, o homem pede abrigo e oferece um escravo.

Bila ajeita a cozinha, quando Ruben se aproxima. Depois de se declarar, ele a beija, mas acaba recebendo um tapa no rosto. Bila se afasta, revoltada. Jacó permite que Jetur fique em seu acampamento, mas não aceita nenhum escravo ou pagamento em troca. José sonha mais uma vez. No dia seguinte, as mulheres percebem que todos os mantimentos foram roubados. José conta aos irmãos que sonhou com feixes de trigo, um amarrado por cada filho de Jacó. Ele revela que nesse sonho, seu feixe ficou em pé, enquanto que os feixes dos outros irmãos se curvaram diante dele.

Após o relato de José, os jovens se irritam e o expulsam dali. Enquanto trabalham no trigal, os rapazes decidem ir a uma festa. José negocia no mercado e consegue dez facas. À noite, os filhos de Jacó chegam ao acampamento, totalmente bêbados. Todos são repreendidos pelo pai. José tem mais um sonho. No dia seguinte, ele tenta contar aos irmãos, que não querem ouvi-lo. Ele dá as facas de presente para cada um. Simeon agradece, pega a lâmina e coloca no pescoço de José.