José dá conselhos aos camponeses, que trabalham nos trigais. Hapu atira uma flecha no momento em que José se mexe. Ela atinge um camponês, que cai. Mitri vê alguém correndo e pede que os guardas o persigam. Mitri afirma que alguém quer matar José. Hapu passa por um sufoco, mas consegue fugir dos guardas. O amigo de Judá retorna ao acampamento e lhe devolve o cabrito. Ele afirma que não encontrou a meretriz. Zilpa interroga Bila e descobre que ela realmente nutre um sentimento por Ruben. Zilpa a chantageia em troca de seu silêncio. Pentephres esbraveja com Hapu, que falhou em sua missão.

O sacerdote afirma que o novo ataque deverá acontecer no dia do casamento. O tempo passa e a barriga de Tamar começa a crescer. O amigo de Judá a encontra e mostra alguns peixes. Enjoada com o cheiro, ela vomita. O rapaz estranha, percebe a barriga, e pergunta o que está acontecendo. José volta da viagem e conta alguns detalhes para o Faraó. Ele fala sobre a tentativa de assassinato. Tany, Azenate e Apópi observam Pentephres, intrigados, mas não revelam suas suspeitas. O Faraó pede a Potifar que a segurança de José seja reforçada para o casamento, que será no dia seguinte. Judá fica furioso ao saber que Tamar está grávida. Ele entende isso como um desrespeito com sua família e pede que seu amigo traga Tamar para que ela seja queimada.

José chega em sua nova casa, acompanhado de Azenate. Ela percebe que o hebreu ficou incomodado ao ver imagens de deuses egípcios nas paredes e colunas e pergunta se José ficou chateado. Zilpa humilha Bila cada vez mais. José conversa sobre sua fé com Azenate. Ela revela que aprendeu a crer em Deus quando foi auxiliada em momentos difíceis. Azenate diz que nada irá atrapalhá-los e permite que José retire todos os ídolos da casa. Apópi e Tany chamam Pentephres para uma conversa. Eles revelam sua desconfiança em relação ao atentado contra José. O sacerdote tenta se defender, mas é surpreendido pela decisão do Faraó. Ele afirma que se algo acontecer com José, seja no dia do casamento ou futuramente, Pentephres será executado. Tamar é levada até o acampamento de Jacó. Judá se mobiliza para queimá-la e chama a atenção dos outros. Alguns dos irmãos estão dispostos a queimá-la quando Tamar revela que engravidou depois de se deitar com o dono dos objetos que carrega. Ela mostra o cajado e o cordão de Judá. Todos ficam pasmos. Judá cai de joelhos, arrependido, e assume a culpa por não ter cumprido sua palavra quando prometeu que casaria Tamar e Selá. Jacó pede que todos se recolham e chama Judá para uma conversa particular. Mara, que também havia se aproximado, olha fixamente para as chamas de uma tocha.

Depois que Judá explica o que aconteceu, Jacó afirma que o filho deve assumir a criança que Tamar carrega. Mara vê Simeon e Levi entrando na tenda dos irmãos, sem saber que eles preparam para uma caçada. Ela prepara uma tocha para incendiar o abrigo. Simeon e Levi saem rapidamente. Benjamin, que tinha o hábito de dormir com o pai, havia decidido que ficaria na tenda dos irmãos. Mara incendeia a tenda e Benjamin se desespera. Ele não consegue sair porque o fogo o cerca. Mara percebe que os gritos são de Benjamin e busca ajuda. Naamá percebe que sua filha é culpada. Ruben se cobre com um tecido molhado e entra na tenda, que arde nas chamas. Tudo começa a desmoronar. Todos se desesperam com o fogo. Ruben sai da tenda com Benjamin nos braços. Mara teme pelo pior, mas ela ouve Ruben dizer a Jacó que o rapaz está desacordado. Após algum tempo, Benjamin se recupera em outra tenda. Mara entra, se ajoelha ao lado dele e pede perdão por tudo. Ela revela estar arrependida e promete que esquecerá sua vingança.

Mara diz que aceitará ser esposa de Benjamin se ele ainda a quiser. Feliz, ele pede um beijo para perdoá-la. O casal troca um selinho, muito inocente e emocionado. Mesmo apaixonado, Judá tenta controlar seus sentimentos. Ele diz a Tamar que nunca mais irá tocá-la novamente, mas assumirá a criança. Naamá repreende Mara, que demonstra estar verdadeiramente arrependida. Ruben chega a tenda e revela que sabe a verdade sobre o incêndio. Ele afirma que não contará nada a ninguém e destaca que irá perdoá-la. Mara o abraça, emocionada. José e Azenate se casam. Pentephres pede que Hapu esqueça a missão de assassinar José. Sati começa a flertar com o sacerdote, que retribui. Após a cerimônia, José e Azenate vão para casa. Ele sofre ao se lembrar do pai, mas sua esposa o consola. O casal se beija, apaixonado e tem sua primeira noite de amor. O tempo passa. Tamar tem gêmeos. Azenate tem dois filhos com José. A prosperidade é visível em todos os locais. Sete anos passam. José desperta logo pela manhã e percebe o sinal do início da seca.