O soberano do Egito decide dar a Azenate a oportunidade de se defender. O marido de Diná afirma que ficará no acampamento de Jacó caso ela não queira retornar para sua terra. Azenate se defende durante o julgamento. Quando consultado pelo Faraó, Pentephres age estranhamente. Dúbio, ele acha que sua filha deve ser perdoada. Apópi decide livrar Azenate de qualquer punição. Ele exige também que todas as acusações contra ela sejam esquecidas.

A jovem se emociona e abraça o pai. Pentephres diz ao pé do ouvido da filha que nunca a perdoará. Ele revela que só a salvou para lavar a própria honra e destaca que jamais permitirá sua felicidade ao lado de José. Pentephres afirma que mandará matar os dois, caso se encontrem novamente. Dois anos se passam. O Faraó tem um pesadelo. Assustado, ele afirma que precisa de alguém que possa interpretá-lo.

O Faraó permanece perturbado com o pesadelo. Diná tenta se entregar ao marido, mas as lembranças do estupro ainda a atormentam. Cansado após tantas negativas, ele sai da tenda e se junta aos outros que estão reunidos próximos a uma fogueira. O grupo se assusta ao ver Lia, que sai de sua tenda completamente nua. Perturbada, ela não percebe que está sem roupa. O Faraó tem outro pesadelo, diferente, mas tão terrível quanto o primeiro. A pedido do soberano, diversos magos, sábios e adivinhos são chamados para tentar decifrar os pesadelos do Faraó. Na prisão, José começa a ficar abatido.

No dia seguinte, Lia se envergonha do que fez e começa a chorar. Enquanto os outros falam, Lia volta a seu mundo interior e olha para todos sem reconhecê-los. Ela expulsa os filhos da tenda e só reconhece Jacó. Mais velhos, Benjamin e Mara trocam um selinho de forma desajeitada. O marido de Diná passa pelos dois carregando seus pertences. Ele afirma que está voltando para sua terra. Ruben tenta beijar Bila, mas acaba levando uma mordida. Ao descobrir que seu companheiro partiu, Diná pega um cavalo e sai à procura do marido.

Naamá se desespera porque a jovem não sabe cavalgar. Ninguém consegue decifrar os pesadelos do Faraó. Pentephres decide tentar. O soberano percebe que a interpretação do sacerdote não é verdadeira e o expulsa. Sati se cansa das exigências de Hapu e afirma que ele pode contar toda a verdade para Potifar. Enquanto discutem, o comandante chega e pergunta o que deve lhe ser revelado. Em tom desafiador, Sati instiga Hapu a falar. Ele fica tenso.