José revela que os dois pesadelos do Faraó têm o mesmo significado. Ele conta que haverá sete anos de prosperidade e sete anos de fome no Egito. O Faraó afirma que essa poderá ser uma catástrofe, mas José diz que não será uma desgraça se o soberano se preparar. Ele afirma que um homem deve ser nomeado para se tornar responsável por todo o Egito. Além disso, devem ser selecionados administradores para organizar os frutos da fartura que antecederá a fome. Todos ficam boquiabertos. Sabem que a interpretação foi correta. Pentephres se julga a pessoa certa para essa tarefa. O Faraó toma sua decisão. Se Deus tornou José um homem tão sábio, ninguém melhor que ele para uma tarefa tão importante. Ele entrega a administração de sua casa ao hebreu. Além disso, Apópi afirma que todo o povo também deverá obedecer à palavra de José.

Ele decide que acima do hebreu estará apenas o Faraó. José se espanta. Ainda disfarçada, Tamar pede o selo com o cordão de Judá e seu cajado como segurança até que um cabrito seja trazido para a cidade como forma de pagamento. Eles caminham juntos até um local mais afastado. O Faraó entrega a autoridade em toda a terra do Egito a José. Pentephres se corrói de ódio enquanto Potifar tenta conter a emoção. Apópi pede que José seja levado para ser limpo e vestido como o novo vizir do Egito. Enquanto caminha para outro local, Potifar se aproxima do hebreu. Emocionado, o comandante afirma que tem José como um filho e se mostra feliz com sua ascensão. Os dois se abraçam. Tamar se entrega a Judá. Diná e seu marido retornam ao acampamento, bastante felizes. Mara fica insatisfeita e diz a Benjamin que a moça deveria sofrer mais. Furioso, o rapaz se afasta.

Zilpa e Naamá dizem a Mara que todo esse ódio pode se voltar contra ela mesma. Tany diz ao Faraó que José será recompensado ainda mais se puder ter Azenate. Depois de dormir com Tamar, mesmo sem ver seu rosto, Judá se apaixona. Vestido como governador, José desfila pela cidade com o Faraó. Todos se curvam para o hebreu em sinal de respeito. Hapu gela de medo ao ver José e também se curva, humilhado. Hapu leva Sati até José. Ela fica boquiaberta ao vê-lo junto ao Faraó, como governador. Azenate, que ainda não sabe de nada, é levada por Tany até o local em que Apópi discursa para o povo. Ao ver as duas, o Faraó anuncia a todos que Azenate será a esposa de José. O casal fica surpreso. Furioso, Pentephres desafia a autoridade de Apópi e grita que não permitirá o casamento. O Faraó pergunta como o sacerdote ousa questionar sua decisão. Pentephres percebe a gravidade do que fez. Ele baixa a cabeça, pede perdão e acaba sendo obrigado a engolir seu ódio. Durante um banho no rio, Lia quase se afoga. Diná a salva.

De volta à tenda, Jacó diz a Diná que todos devem ficar atentos com as atitudes de Lia. Quando se dão conta, percebem que ela sumiu. Lia se aproxima de Simeon, muito confusa, agindo como uma criança. Sem querer, ele é rude e faz com que ela urine na própria roupa. Jacó se aproxima e leva a esposa de volta a tenda. Arrasado, Simeon conversa com Diná. Na frente de Zilpa, durante uma discussão, Naamá afirma que Bila dá em cima de Ruben. Aconselhado pelos irmãos, que não aprovam uma possível relação com uma meretriz, Judá cogita a possibilidade de não retornar a Hebrom. Pentephres oferece riquezas para Hapu em troca do assassinato de José. Tany diz a Azenate que Pentephres é perigoso. Judá finaliza a negociação de sua casa com o amigo que a visitou. Ele pede que o rapaz leve o cabrito para a prostituta e traga de volta seu colar juntamente com o cajado. José vai até a casa de Sati. Ela implora por perdão.

Desesperada, Sati afirma que pode beijar os pés do hebreu. Potifar chega, ela se controla, mas o clima entre os três é de desconforto. José pede ao comandante a autorização para levar Mitri em suas viagens pelo Egito. Potifar permite. O amigo de Judá volta a cidade e fala com Tamar. Ele, que não sabe sobre a farsa, fala sobre o motivo que o trouxe de volta. Depois que ele se afasta, Tamar diz a uma amiga que precisava ter certeza de que Judá cumpriria sua palavra. Cínico, Pentephres diz a Azenate que não fará nada contra José. Hapu segue o barco em que Mitri e José partem para a viagem. Os dois observam uma grande plantação de trigo. Hapu prepara um arco e flecha e mira no hebreu.