Levi é quem executa os planos sórdidos de Simeon (Foto: Michel Angelo/Rede Record)

Quem está acompanhando José do Egito de segunda-feira a sexta-feira na Rede Record já conseguiu perceber que Levi não é flor que se cheire. O irmão de José é o grande parceiro de Simeon (Caio Junqueira) quando o assunto é vilania.

O R7 chegou com dois pés atrás para falar com Felipe Cardoso, que vive o personagem na trama, nos bastidores. Acabou que encontramos um ator de riso fácil e feliz da vida por estar contando a história de um dos filhos de Jacó na TV.

— Para mim está sendo um sonho trabalhar com pessoas como o Celso Frateschi, o Caio Junqueira, que apesar da pouca idade é um profissional de muitos anos. A experiência que eu estou adquirindo aqui está sendo maravilhosa. É uma grande oportunidade de mostrar meu trabalho e fazer a confiança, do público e da Record, aumentar ainda mais.

Como pontuado no início, Levi é aquele que executa os planos sórdidos de Simeon. Para tal, ele também se assemelha com o irmão nas vestes escuras e na cara de malvado. Por outro lado, o personagem tem bons momentos de humor.

— O Simeon parece ser responsável por elaborar as maldades que a gente faz com o José e o Levi é a parte ativa do plano. Um pensa e outro executa. No meu caso, a raiva do Levi é quase bem-humorada. Essa vilania passa por um bom humor também. Ele é o personagem que, dentro das crises, sempre solta frases irônicas. Ele é quase bipolar, porque vai do humor até a maldade extrema sem pensar muito, o que talvez dê um requinte de maldade até maior.

Para aliviar essa barra, o bastidor do núcleo hebreu é o mais descontraído possível. Os atores conversam, brincam uns com os outros, escutam música... Tudo para relaxar antes de mergulhar na concentração que Alexandre Avancini, diretor-geral, exige em cena.

— A gente tenta manter um nível de alegria e conforto alto porque o trabalho em si é muito desgastante. Quando a gente assume a energia do personagem, é muito pesado. Além de todas as variantes de tempo e do figurino, você tem as emoções densas dos personagens. Por isso que fora de cena a gente tenta aliviar ao máximo e viver tranquilamente, porque é necessário ter bom humor para atravessar uma jornada tão longa.