R7 - Entretenimento

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

24 de Novembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Entretenimento/Jovem/Notícias

Icone de Jovem Jovem

publicado em 01/06/2011 às 16h20:

Livro retrata Smurfs como personagens racistas

Polêmico livro sobre os pequenos seres azuis é lançado nesta quarta (1º)

EFE

Publicidade

Os pequenos seres azuis com gorros brancos criados pelo ilustrador belga Peyo protagonizam de forma polêmica o livro Le Petit Livre Bleu (O Pequeno Livro Azul, em tradução livre), de Antoine Buéno, lançado nesta quarta-feira (1º) na França. 

A obra revela uma "utopia totalitária com pitadas stalinista e nazista", que afasta os personagens da visão inocente da ocupada no imaginário popular. Analisando desde o Papai Smurf, líder da comunidade, até o corporativismo social, a obra apresenta um novo olhar sobre a aldeia fictícia escondida no meio da floresta para defender a sua tese. 

O personagem Gargamel, cujo nariz, segundo o autor, "lembra uma caricatura antissemita", e seu gato, que se chama Azrael (Cruel, na versão brasileira), foram usados como exemplos de estereótipos, assim como o perfil de beleza "ariana" de Smurfette, a única mulher do povoado. 

Para Buéno, o tratamento dado à aparição do Smurf negro em um dos episódios é uma das provas do enaltecimento da pureza de sangue existente nessa sociedade, que conta com um sistema de produção próximo ao coletivismo. 

Em declarações publicadas nesta quarta pela revista Le Nouvel Observateur, o autor revela que a sua análise não é inovadora, e contém inclusive relatos anteriores sobre os personagens, como o de um americano que chegou a suspeitar que os Smurfs faziam parte de uma campanha em referência ao comunismo. 

Nesse sentido, o nome Smurf teria sido criado pelas iniciais das palavras em inglês Small, Men, Under, Red e Force (Pequenos Homens sob Forças Vermelhas, em tradução livre). 

Para Buéno, Peyo, que nasceu em 1928, em Bruxelas, e viveu sob ocupação nazista na Bélgica, não teria tido consciência dessas relações quando batizou os personagens. 

- Peyo não era politizado... Acredito que sua obra, como tantas outras, concentra um certo número de estereótipos próprios de uma sociedade e uma época determinadas. 

A intenção do autor não é "desencantar" os fãs dos Smurfs, mas sim "sobrepor à percepção das crianças uma visão diferente da que é proporcionada pelos adultos", algo que considera "intelectualmente saudável". 

As aventuras dos Smurfs tiveram continuidade após a morte de Peyo, em 1992, graças a seu filho Thierry Culliford, que concedeu, de acordo com Buéno, uma visão "muito mais pedagógica" e contemporânea à história.

Você se lembra dos desenhos de antigamente? Faça o teste abaixo:

 



Veja as respostas do quiz

 
Veja Relacionados:  smurfs
smurfs 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping