R7 - Entretenimento

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Entretenimento/Moda e Beleza/Notícias

Icone de Moda e Beleza Moda e Beleza

publicado em 02/04/2012 às 05h36:

Figurinista de Máscaras revela processo para
montar guarda-roupa da nova novela da Record

Edson Galvão conversou com o R7 e adiantou detalhes sobre a trama

Nina Ramos, do R7, no Rio


Publicidade

Montar o guarda-roupa de uma novela não é tarefa fácil. É preciso pesquisar muito para criar dezenas de figurinos que vão servir de espelho e cair no gosto popular com a trama no ar.

O responsável por este desafio na novela Máscaras, o próximo folhetim da Record, é Edson Galvão, que recebeu o R7 para um papo exclusivo em sua sala.

Por falar nela, entrar no ambiente de trabalho de Gal - como é mais conhecido nos corredores do RecNov (complexo de estúdio da Record, no Rio) - é um sonho para qualquer um que gosta de moda. São livros e revistas espalhadas para todos os lados, além de pranchas com recortes e referências coladas nas paredes.

Record faz festa para anunciar programação 2012

Giselle Itié se priva de prazeres para viver prostituta

Na entrevista abaixo você confere tudo o que o figurinista nos adiantou sobre o trabalho inicial de conceber 46 figurinos para cada personagem da novela de Lauro César Muniz.

Confira o papo na íntegra. E não se esqueça: a estreia de Máscaras está marcada para 10 de abril!

R7 - Como funciona o processo de montar o guarda-roupa para uma novela como Máscaras?
Edson Galvão -
É um processo muito lento. Primeiro, você lê a sinopse, que é super complexa e não dá detalhes profundos. A gente precisa criar uma ambientação para cada personagem. É, literalmente, brincar de criar personagem. Se a gente pensa, por exemplo, em alguém que mora na fazenda, colocamos elementos deste universo no guarda-roupa dele. Máscaras é uma novela com uma pegada bem vanguarda.

R7 – E esse guarda-roupa inicial se altera no decorrer da trama?
Edson Galvão –
Ah, claro. Alguns personagens têm três, quatro mudanças de fase. É um guarda-roupa para alegria, tristeza, depressão. A Manuela, Maria e o Otávio, por exemplo, têm três mudanças. Quando muda o estado de espírito ou o ambiente deles, muda tudo.

R7 – Como é composto o guarda-roupa de cada um?
Edson Galvão -
Como é uma trama contemporânea, o guarda-roupa é praticamente igual ao de uma pessoa normal. Tem que ter roupa íntima, para passeio, para academia, para ir à missa, para ir à festa, vááários tipos de sapatos. Além disso, para cada personagem é preciso pensar no ambiente que o cerca. Os amigos, onde ele costuma frequentar, se é conservador, como vai ser a casa dele...

R7 - A casa? A decoração também entra na montagem do figurino?
Edson Galvão -
Sim, a gente precisa estudar a palheta de cor de cenário. Eu preciso passar para a cenografia a cor do meu guarda-roupa para ele não ter problema na hora da gravação. Não pode acontecer, por exemplo, de a pessoa estar usando uma blusa da mesma cor do sofá ou da parede.

R7 – Tem alguma curiosidade na produção das roupas?
Edson Galvão -
Novela com muita ação precisa, às vezes, ter roupas duplas ou triplas. Tem peça que você constrói no início da história e lá na frente ela vai rasgar em cena ou pegar fogo. É preciso fazer três, quatro iguais. Se não existe mais o tecido, é preciso mandar fabricar.
 
R7 - Então, a equipe não para nunca, né...
Edson Galvão
- Nunca. A gente faz pesquisa o tempo inteiro, lê revistas de moda, pega referências. É muito estudo para fazer uma novela.

R7 - Você também fez Sansão e Dalila, uma minissérie blíbica, ou seja, de época. Você acha mais difícil fazer trama antiga ou contemporânea, como Máscaras?
Edson Galvão -
Obra fechada é muito bom de fazer porque você tem começo, meio e fim. Por mais trabalho que dê fazer época, é prazeroso porque você tem que estudar demais para fazer uma coisa que o público olhe e acredite que aquilo realmente existiu. A dificuldade é maior e a responsabilidade também. Mas compensa pelo prazer. A coisa do começo, meio e fim é ótimo para você determinar todo o projeto de uma vez. Já a obra contemporânea você recebe blocos por semana. A mudança é maior. Além disso, existe a interferência das pessoas. E a gente precisa fazer o ator se sentir bem porque o figurino é a segunda pele do ator, é quando ele se encontra com o personagem. O cuidado é muito grande. Eu procuro ouvir bastante o ator, bato muita bola com a direção da trama para ver o que ela acha, se cabe na personagem, e a direção ajuda a conceber o figurino.

R7 - Você se inspirou em alguma coisa para montar Máscaras, tem uma referência?
Edson Galvão –
É tudo bem vanguarda. Por exemplo, a Manuela, que é a Giselle Itié, tem duas fases na vida dela. Uma delas ela mora em Dallas e trabalha como prostituta de luxo. É um figurino bem sexy mesmo, peças curtas, com decote, de cinta-liga, corselet, casacos de pele, é bem glamouroso. Já quando ela está no Brasil, no Rio, ela vira meio folk. Eu coloquei babados, casaquinhos no estilo Chanel, colar de pérolas, shortinhos curtos e cintura alta. Essa mudança toda é porque ela quer passar por boa moça, quer largar essa vida. Além disso, na sinopse diz que ela tem gosto por moda. Então, ela está sempre usando alguma tendência.

R7 - E você garimpa muito em brechó, Gal?
Edson Galvão -
Eu garimpo muito acessório. Roupa eu não acho muito. Claro, tem vezes que dá para pegar um lenço bacana ou uma bolsa diferente. Mas, em geral, é mais acessório mesmo.

R7 - O personagem do Emilio Dantas, o Gino, é um cantor iniciante que usa uns ternos brilhantes, peças marcantes. Você se inspirou em algum nome da nossa música para montar o guarda-roupa dele?
Edson Galvão –
Ele é um cantor bem do tipo de navio mesmo, tem aquela pegada do cafona, quase Calypso [risos]. Mas não tem nenhuma inspiração na música, não... A base dele são as pesquisas que a gente fez no universo de quem trabalha em navios. E o figurino é muito americano. É lurex, tafetá, tudo muito brilho, justo no corpo, bem americano. É divertido.

R7 - Qual é o personagem te deu mais trabalho, que tem o figurino mais rebuscado? Por quê?
Edson Galvão -
O que é muito difícil é o guarda-roupa da Manu, porque ela tem várias fases. Por enquanto, ela tem o maior guarda-roupa da novela.

R7 - Você sabe algum número curioso do guarda-roupa da novela? Por exemplo, quantos pares de sapato são usados pelo elenco... Ou é difícil fazer essa contabilidade?
Edson Galvão
- É difícil, porque ainda não está pronto, mas já tem atriz que tem 20 pares de sapatos, por exemplo. O que vale falar é que todos os figurinos são bem sofisticados. A gente está seguindo muito as pranchas para não deixar cair o que a gente propôs para a direção.

R7 - Em algum momento alguém vai usar máscara?
Edson Galvão -
Não, é um trocadilho do título, só. A gente ainda não sabe muito, não. Mas vamos ver o que acontece...

Assista ao vídeo:

 

 

Enquanto Máscaras não começa, teste seus conhecimentos sobre Vidas em Jogo. Depois, confira aqui as respostas!

 

 

 

Veja Relacionados:  moda, beleza, máscaras, novela, figurino
moda  beleza  máscaras  novela  figurino 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 

Topo

Comentários sobre a Notícia

(3) Comentários:



Shopping