R7 - Entretenimento

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Entretenimento/Música/Notícias

Icone de Música Música

publicado em 30/09/2009 às 11h05:

Gil grava DVD com filhos e Maria Rita

Cantor misturou canções novas e antigas em palco de novo teatro paulistano

Miguel Arcanjo Prado, do R7

Gilberto Gil investiu na simplicidade em seu novo DVD, Bandadois, gravado na noite desta terça-feira (29), no palco do teatro Bradesco, em São Paulo.

Sob seis refletores de luz branca em um palco giratório, o cantor e compositor baiano cantou no formato voz e violão 25 músicas, numa mistura de antigos sucessos a composições novas, como Pronto pra Preto e Das Duas Uma. Esta última, feita para o casamento de sua filha Maria, a pedido da própria, há menos de um mês.

Pai orgulhoso, Gil disse à plateia:

- São 67 anos vivendo a vida. Os amores, os casamentos, os filhos. Tive oito, dos quais sete estão vivos. Alguns, se dedicando ao mesmo ofício.

Um dos destaques do show foi a entrada esfuziante de Maria Rita, com vestido dourado de generoso decote, para cantar Amor Até o Fim, sucesso nos anos 60 na voz da mãe dela, Elis Regina. Antes de anunciá-la, Gil relembrou a relação com Elis.

- São Paulo é a convergência do Brasil. Em 1965, tinha uma amiga aqui que comandava o espetáculo. Ela gravou uma música que eu nunca gravei e resolvi chamar sua filha para gravar comigo.

Gil foi acompanhado em boa parte do show pelo filhos Bem Gil, no violão. José Gil, no baixo, entrou no fim para acompanhá-los em duas músicas. Ambos são frutos da união de 30 anos com Flora Gil. A filha mais famosa, Preta Gil, fruto do casamento com Sandra Gadelha, assistiu ao show da plateia.

- Achei lindo. Foi uma escolha certa ele registrar esse momento só ele, o violão e meus irmãos. Sou eu quem, na realidade, inicio eles todos. O Bem e o José começaram comigo. Meu pai vê que estão ficando prontos, adere e traz ainda mais para perto, para chocar ainda mais a cria. Eu sou louca pelos meus irmãos, fico babando.

Gil homenageou Dorival Caymmi cantando Saudade da Bahia. Antes de cantar Chiclete com Banana, enalteceu seu compositor:

- Ao mesmo tempo que Caymmi, Luiz Gonzaga foi uma vertente amiga no meu coração. Logo depois veio outro: Jackson do Pandeiro.

O show ainda teve Tempo Rei, Refazenda, Banda Um, Andar com Fé, Refavela, Babá Alapalá e Expresso 2222. A pedido da plateia, Gil cantou, no bis, Se Eu Quiser Falar com Deus e A Paz.

Durante o show, uma mulher perguntou a Gil se era melhor ser cantor do que ministro. Ele respondeu.

- Quando me tornei ministro era um momento histórico. A chegada do presidente Lula foi uma coisa importante. E, se ele achava que alguém como eu pudesse ajudar nessa transformação, cujo símbolo é o governo dele, eu tive que colaborar.

Ao ser chamado de "iluminado" por uma tiete, devolveu:

- A iluminação é do mundo. Iluminado somos todos nós.

Veja Relacionados:  Gilberto Gil, Bandadois
Gilberto Gil  Bandadois 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping