Pop Brasileiro que produziu novo filme de Nicolas Cage revela: "É vantagem quando falo que sou do Brasil"

Brasileiro que produziu novo filme de Nicolas Cage revela: "É vantagem quando falo que sou do Brasil"

Frederico Lapenda conversou com o R7 sobre experiência de produzir filmes nos EUA

Brasileiro que produziu novo filme de Nicolas Cage revela: "É vantagem quando falo que sou do Brasil"

Nicolas Cage é o astro do filme Fúria, produzido por um brasileiro

Nicolas Cage é o astro do filme Fúria, produzido por um brasileiro

Divulgação
Danny Glover e Frederico Lapenda homenageados em festival

Danny Glover e Frederico Lapenda homenageados em festival

Divulgação/Aline Arruda

A cada dia, mais brasileiros "invadem" diversas áreas do entretenimento nos EUA, principalmente o cinema, e se dão bem.

O brasileiro Frederico Lapenda é um exemplo de sucesso no país de Barack Obama. Produtor-executivo de Fúria, novo filme protagonizado pelo astro Nicolas Cage, Frederico falou com o R7 sobre o crescimento do Brasil no mundo do cinema e também contou curiosidades sobre os bastidores da produção.

Morando nos EUA há 27 anos, ele percebe que as coisas mudaram bastante para os brasileiros.

— Quando eu me mudei para os EUA, era diferente. Nem sempre as pessoas conheciam as coisas do Brasil. Hoje é uma vantagem quando eu falo que sou do Brasil, isso ajuda. O Brasil conseguiu se posicionar no mundo como uma cultura que recebe muito bem. O país é uma das maiores economias do mundo e precisa ser considerado. Quando você vai lançar um produto, um filme, precisa lançar no Brasil.

Veja a lista com todos os filmes que chegam aos cinemas nesta quinta-feira (16)

Sobre o crescimento do cinema brasileiro, Frederico diz que é difícil comparar com Hollywood, que é um mercado muito antigo e maduro justamente por ter um tempo de evolução maior que o nacional, mas opina que nossas produções melhoram a cada ano e que nossos profissionais estão sendo "roubados" pela indústria americana por conta dos talentos que existem aqui.

— Tudo que o brasileiro se propõe a fazer, ele faz muito bem, com competência. 

Sobre trabalhar com Nicolas Cage, o produtor é só elogios.

— Ele é um cara super profissional, chega sempre preparado, é sério e dedicado. Como eu já admirava o trabalho dele, para mim foi uma experiência maneiríssima.

De curiosidades sobre o astro de Hollywood, Frederico revela que ele é bem ligado na boa forma.

— Ele malha todos os dias antes de gravar.

Elenco poderoso! Veja quais atores vão interpretar os heróis da Liga da Justiça

Outro astro que participa do filme é Danny Glover, da franquia de filmes Máquina Mortífera. E o produtor compartilha uma divertida história sobre o ator.

— A coisa que mais me marcou na produção deste filme, que foi uma lição pra mim, foi o profissionalismo do Danny Glover. Um dia, ele perdeu o voo para ir à gravação e poderia ter esperado o próximo avião, mas preferiu alugar um carro e ir até o local dirigindo para não atrasar as filmagens. 

Ao lado de Glover, Frederico foi homenageado no último Festival de Cinema de Paulínia e reconhecido como um dos nomes brasileiros mais influentes na indústria americana.

Como tem o mesmo advogado que Nicolas Cage, Frederico conta que a "ponte" até o ator foi mais fácil e explica as vantagens de colocar um ator do peso dele em sua produção 

— Se você atrai um ator bom, mais dinheiro entra para o filme, já que os patrocinadores consideram uma aposta mais segura.

Veja 20 filmes imperdíveis para assistir na 38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Para quem vê de fora, o trabalho por trás de um filme talvez não pareça tão difícil, mas Frederico revela que desde a produção do roteiro até o fim das gravações foram quase dois anos. Ele explica melhor algumas de suas funções.

— Um produtor compra o roteiro, contrata o diretor, contrata os atores e pega financiamento.

Nicolas Cage está se especializando em filmes de ação e Frederico busca explicar essa tendência.

— Filme de ação é mais comercial. O cinema está passando por uma fase difícil, os estúdios estão fazendo menos filmes e, com isso, alguns gêneros vão aumentar cada vez mais. Na minha opinião, terror e ação vendem melhor pois não existe tanto a barreira da linguagem, como uma comédia, em que você precisa traduzir piadas que podem perder a graça. Acho que, por conta disso, os estúdios já perceberam quais gêneros são mais fáceis de emplacar em diferentes mercados. E são os produtores que chegam nos atores, Nicolas não necessariamente escolheu fazer mais filmes de ação, nós apresentamos o roteiro e, se ele gostar, topa entrar no filme.

Sobre Fúria, Frederico explica que o filme é uma ótima opção para o público jovem.

— É um filme excelente, arte é subjetiva, mas na minha opinião é a história de uma filha que não obedece ao pai e, por conta disso, gera consequências. Tem uma lição no final para quem for jovem assistir e, de contrapartida, tem o personagem do Nicolas Cage que não obedece a uma figura que ele considera como pai. Então a lição do filme é isso de dar valor a quem está ao seu redor, a quem te ama.  

O produtor revela planos de fazer uma série de TV aqui no Brasil em 2015, ainda sem detalhes.