Rebelde

Publicidade

Entenda o vilão: Miguel revela detalhes de seu passado

Garoto passou a jogar RPG para encarar os pais


publicado em 30/04/2012, às 06h00 :: atualizado em 27/04/2012 às 23h13
Texto: A- A+

Do R7
Miguel revela detalhes de seu passadoMunir Chatack / Rede Record

No capítulo de sexta (27), Miguel revelou parte de seu passado a Alice. O novo aluno disse que seu pai é muito autoritário e de vez em quando batia nele e em sua mãe. E foi justamente para encarar essa dura realidade que o rapaz passou a jogar RPG. Para falar sobre o início dessa jornada vampiresca que dura até hoje, o R7 bateu um papo com Miguel. Confira!

 

R7 - Como o RPG pode ajudar alguém a encarar uma realidade não muito legal?
Miguel -
No meu caso foi quase terapia. Eu ficava muito tempo em frente ao computador jogando pra esquecer os problemas. Não tinha quase amigos e um dia escutei meu pai e a minha mãe falando de RPG. Fiquei curioso e fui saber do que se tratava. Achei muito interessante.  E não se trata de sair da realidade, mas de criar um mundo aonde você é outra pessoa. Nunca deixei de saber quem eu sou de verdade.

R7 - Usando o RPG como “fuga”, é perigoso confundir fantasia e realidade?
Miguel -
Eu acho que pode ser perigoso. Tem que ter alguém esperto no jogo pra não deixar isso acontecer. E na hora do jogo, as pessoas que estão jogando precisam encarar as personagens como se fosse de verdade. Lá fora muita gente joga e se diverte bastante. Aqui é mais complicado.

R7 - Por que você decidiu seguir jogando RPG mesmo afastado de seu pai?
Miguel -
Porque eu gostei do jogo. Sempre fui fascinado pelo mundo gótico. A minha irmã precisava de ajuda pra poder encarar melhor os sentimentos dela e o jogo ajuda.

R7 - E como a Lucy entrou nessa?
Miguel -
A Lucy sempre foi uma menina muito sozinha. Ela precisava interagir com gente. Ela gosta de jogar. Na verdade, ela precisa jogar.

R7 - O que seu pai achou quando você começou com o RPG?
Miguel -
Como eu disse, eu achei muito interessante. Era uma maneira divertida de passar o tempo com os amigos e ao mesmo tempo, ajudou muito meus pais.

R7 - Alice nunca sabe quando você está sendo o Miguel ou o Conde. No fim, eles são a mesma pessoa? Como você não se confunde?
Miguel -
Ela sabe, sim. A Alice é muito inteligente. O que eu acho é que ela estava em uma fase confusa e se deixou levar pela fantasia. Foi mais fácil pra ela acreditar que estava confusa. Mas eu entendo. E eu não me confundo porque eu sei que o Conde é uma criação, uma personagem do jogo.

R7 - Que recado você daria aos jovens que, assim como você, enfrentam dificuldades na infância?
Miguel -
Eu acho que cabe aos pais escolherem o caminho que os filhos vão trilhar pra descobrirem como lidar com os problemas. Eu dei um jeito, mas fiz terapia e encarei os problemas. O jogo é só pra divertir.

 

Espalhe por aí Enviar por e-mail Imprimir Comunicar erro
x

Envie para um amigo

ENVIAR
x

Comunicar erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Enviar
Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos entre em contato usando o Fale com o R7

DE SEGUNDA A SEXTA, ÀS 20H30