Você está aqui: Página Inicial / Mural / Para você, quem é uma mulher guerreira? Conte aqui

Mural

Para você, quem é uma mulher guerreira? Conte aqui

A- A+

    Comentários (12)

    1. luciane born - 3/6/13 - 08h56

      eu - porque mesmo tendo perdido emprego, luto para que eu consiga divulgar meu livro, nada cai do céu, devo ao banco, tenho contas a pagar e me viro como posso, limpando casa etc.
    2. Stefano - 3/6/13 - 09h51

      Minha mãe
    3. DAYSE S. DE SÁ OLIVEIRA - 3/6/13 - 10h49

      MINHA AVÓ,D. DILZA.FICOU ÓRFÃ AINDA CRIANÇA,CRIADA EM COLÉGIO INTERNO DE FREIRAS,APÓS O INTERNATO CONHECEU MEU AVÔ,ENGRAVIDOU E FOI VIVER COM ELE,TIVERAM 4 FILHOS,O QUE NA ÉPOCA ERA UM ABSURDO,LEVANDO AS PESSOAS A DESPREZÁ-LA,UM DOS FILHOS MORREU AINDA BEBÊ,MEU AVÔ,JÁ FALECIDO ERA ALCOÓLATRA,POR ESTE MOTIVO PASSARAM FOME,FORAM DESPEJADOS DIVERSAS VEZES,MAS CRIOU SEUS FILHOS COM AMOR E DEU A ELES EDUCAÇÃO E AJUDOU A FORMAR O CARÁTER DE CADA UM.VIÚVA AINDA JOVEM ABRIU MÃO DA VIDA PESSOAL PARA CUIDAR DA NETA,PERDEU DOIS DE SEUS IRMÃOS.HOJE MINHA AVÓ TEM 85 ANOS,DONA DE UM CARÁTER INVEJÁVEL,HONESTA E DE UMA SERENIDADE QUE POUCAS VEZES VI NA VIDA.ESTA É UMA VERDADEIRA GUERREIRA!!!
    4. Jurema Bastos da Costa Corrêa - 3/6/13 - 11h41

      Uma mulher guerreira, é aquela que está a frente dos seus próprios limites... é aquela que não mede esforços físicos para trabalhar e criar seus filhos...é aquela que mesmo diante das dificuldades conseguir manter a serenidade, a força, a fé. É também vaidosa, jamais deixando baixar a alto estima...Mulher Guerreira, é aquela que consegue ser mãe e pai ao mesmo tempo, aquela que consegue passar grandes valores aos filhos, aprende com com as dificuldades. Existem muitas formas de se qualificar uma mulher guerreira. Me sinto uma delas porque consegui criar dois filhos praticamente sozinha. E também acho minha mãe guerreira por estar superando a alzheimer como vitoriosa.
    5. claudia calixto - 3/6/13 - 11h49

      Eu, à partir do momento que eu cheguei neste mundo definida como mulher ja passo ser guerreira e corajosa para encarar qualquer obstaculo.
    6. Débora caroline machado - 3/6/13 - 11h53

      Pra mim uma mulher guerreira é uma mulher batalhadora, que corre atras dos seus ideais, não desiste fácil, e ainda que tudo diga nao ela permanece ali firme e forte até o fim. Uma guerreira é aquela mulher que se desdobra para resolver as coisas, é aquela mulher atual, que consegue ser mãe, dona de casa, mulher, trabalhadora e tudo isso sem perder o charme e o glamour,A mulher guerreira não enxerga sua vida como um fardo, sacrificante e que tudo precisa ser difícil, mas sim, vê a sua vida como uma grande oportunidade, desafios a serem vencidos, resultados a serem alcançados. Ela entra na batalha para vencer, com foco, autoconfiança, atitude e constantemente busca sua força interior para enfrentar os “inimigos”dos obstáculos, das frustrações e das decepções.Tem crescido o número de mulheres guerreiras que estão entrando no mercado de trabalho, exercendo funções de alto nível dentro das empresas, tomando a frente em cargos de tamanha responsabilidade, como por exemplo, nossa presidenta da república Dilma Rousseff. Também vem crescendo o empreendedorismo feminino de forma acentuada. Portanto, a mulher vem tendo um papel importante na economia do mundo e do nosso país Brasil.Nos samos guerreiras
    7. simone monique pereira da silva - 3/6/13 - 12h22

      e a atriz solange couto
    8. Maria Elizete Souza da Silva - 3/6/13 - 15h01

      Minha mãe, que, com sabedoria soube contornar todos os obstáculos que a vida lhe pregou e prega. Ela sim. Viúva a 18 anos mantém a família unida e homens de bem.
    9. Maria Elizete Souza da Silva - 3/6/13 - 15h04

      Minha mãe, que, com sabedoria soube contornar todos os obstáculos que a vida lhe pregou e prega. Ela sim. Viúva a 18 anos mantém a família unida e homens de bem, respeitando o semelhante.
    10. fernanda de andrade - 4/6/13 - 00h19

      minha rainha claro minha mae que esta enfrentando todos as barreira dessa mundo , pelo homem que n sobe dar valor ... mas nessa vida nois mulheres deve ser indenpendente e nao ter que precisa desses homem que nao vale nd ..
    11. Maria José Ferreira dos Santos - 23/2/14 - 21h30

      Eu,em 1985, aos vinte e sete anos de idade larguei a estabilidade de um emprego público Federal no qual atuava há nove anos e mudei de Belém do Pará para o Rio de Janeiro com meu marido e meus filhos em busca de tratamento especializado para o meu filho Marcelo, que por erro médico nasceu com paralisia cerebral o que afetou a sua psicomotricidade e fala. A luta foi grande e ele só conseguiu seu primeiro emprego aos vinte e sete anos de idade.Hoje, ele está com trinta e três anos de idade, e trabalhou durante seis anos como assistente administrativo numa grande multinacional e hoje trabalha na mesma função numa empresa pública.Por todo esse tempo estive integralmente dedicada a ele. Após quinze anos sem exercer nenhuma atividade profissional, tive a oportunidade de ver anunciado no JORNAL EXTRA no ano de 2001 um curso de Qualificação em Salgados no Restaurante Escola do Palácio Guanabara da rede FAETEC.Consegui concluir o curso e me profissionalizar. Esse curso foi fundamental para o meu regresso à vida profissional e mudou a minha vida, pois a partir daí não parei mais. Num segundo momento tomei conhecimento sobre um Curso de Ensino Médio para Jovens e Adultos. Fiz minha inscrição e conclui o curso. Em seguida realizei o curso de Gastronomia e conclui minha graduação em 2004, saindo da Universidade já empregada como culinarista de uma multinacional. Trabalhei no núcleo de qualificação profissional da DIF (Diretoria de Formação Inicial e Continuada), como Coordenadora adjunta nos CETEPs (Centro de Educação Tecnológica e profissionalizante) Duque de Caxias Alemão e atualmente estou como Coordenadora do CETEP Santa Marta da rede FAETEC, instituição responsável pela minha primeira formação. Embora feliz com a escolha de ser dona de casa e mãe por um longo período, hoje aos cinquenta e seis anos de idade, me sinto realizada como uma profissional respeitada e comprometida com a Educação Profissional de Jovens e Adultos que alimentam os mesmos sonhos que eu. Sou pós graduada em Supervisão e Administração Escolar. Faço parte como Colaboradora da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência da OAB- RJ.Por toda essa história de vida, que representa não uma trajetória ímpar e individual, mas de milhões de mulheres brasileiras e lutadoras, considero-me vencedora, pois insisti, persisti e não desisti. Em 13 de março de 2012, fui agraciada com o prêmio leitora Toda Extra,uma promoção do Jornal Extra, em que centenas de mulheres enviaram suas histórias de vida. Enviei a história acima e fui escolhida como uma das três finalistas e através de votação popular no site do jornal fui a mais votada com mais de sete mil votos.
    12. Fabiana Oliveira Maia - 8/3/14 - 11h37

      Mulher amiga,minha mãe.... Mulher que inicia seu dia trabalhando E termina, amando... Mulher que protege, luta briga e chora E que nunca deixa o cansaço Tirar o seu sorriso, sua força, a esperança Que está sempre pronta a amar, Mesmo que esteja chorando por dentro No seu olhar trás sempre um sorriso Mesmo cansada, arruma forças para continuar E quando cai, se levanta tirando de sua queda Uma grande lição Aprendendo então, a passar por cima das armadilhas da vida Mulher Guerreira que se torna Forte e frágil ao mesmo tempo Que busca dentro de seu interior a força que precisa Que chora para se fortalecer através das lágrimas que rolam Que se levanta para poder Levantar a quem está em sua volta Precisando de uma palavra de carinho De esperança, de amor... Essa é a mulher guerreira Que se faz de forte Mas ao mesmo tempo é tão frágil Como um cristal...
Comunicar erro
X

Link para esta página:

Espalhe por aí:

  • RSS
  • Live
  • del.icio.us
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google Bookmarks

HORÁRIO DE ROBERTO JUSTUS + NA RECORD: SEGUNDA-FEIRA À 0H30