Joni Mitchell, Neil Young, Nico, David Crosby: discos clássicos do pop angustiado

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 11/11/2013

 

A revista inglesa “Uncut” traz uma entrevista sensacional com a cantora e compositora Joni Mitchell, que está completando 70 anos.

Com sua verve corrosiva e um ego do tamanho do mundo, Joni é garantia de diversão. Deve ser a única pessoa do planeta com moral para achincalhar Bob Dylan.

 

 

Na entrevista, Joni diz que Dylan é um músico de segunda categoria e um plagiador, que copiou muitas de suas letras de um romance japonês (ela não entrega qual).

A revista traz ainda uma lista dos “50 maiores discos de cantores/compositores”, com LPs de Dylan, Leonard Cohen, Nick Drake, Beck, John Grant... e Joni Mitchell, claro.

A era dos cantores/compositores, marcada por discos confessionais, teve seu auge no início dos anos 70, época em que o pop se recuperava de vários baques.

Entre o fim dos 60 e o início dos 70, os Beatles acabaram, o show dos Stones em Altamont acabou em morte, Charles Manson e sua gangue mataram sete pessoas, a Guarda Nacional matou quatro estudantes em Ohio e o mundo perdeu Brian Jones, Jim Morrison, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Martin Luther King e Bobby Kennedy. Apesar dos protestos, a Guerra do Vietnã só piorava.

Estava claro que o sonho hippie de paz e amor tinha ido pro brejo.

A reação a esse fenômeno foi o isolamento. Músicos começaram a largar suas bandas e partir para uma música mais pessoal e confessional. De repente, saíram de moda longas jams psicodélicas; o lance era se enfurnar num canto escuro, cheirar pó e cantar sobre seus problemas.

David Crosby saiu do Byrds, Graham Nash deixou o Hollies, Neil Young largou o Buffalo Springfield, Lou Reed abandonou o Velvet Underground e John Lennon aproveitou o fim dos Beatles para iniciar sua carreira solo.

David Geffen, um dos maiores gênios da indústria da música, sacou a tendência e criou a gravadora Asylum, que virou a meca do bloco do eu sozinho. Assinou Judee Sill, Jackson Browne, Joni Mitchell, Linda Ronstadt, Glenn Frey, Tom Waits, Warren Zeavon e até Bob Dylan (quem quiser ler mais sobre essa época, recomendo o livro “Hotel California”, de Barney Hoskins).

O sucesso planetário de Simon & Garfunkel mostrou que o mundo estava pronto para trovadores cantando pop minimalista. Tchau, psicodelia; bem-vinda, introspecção!

Até o fim dos anos 70, vários discos de banquinho e violão foram sucesso mundial: “Sweet Baby James” (James Taylor), “Tapestry” (Carole King), “Harvest” (Neil Young), “Teaser and the Firecat” (Cat Stevens) e “No Secrets” (Carly Simon).

Se os discos soavam plácidos e serenos, traziam algumas das letras mais tristes e desesperadas do pop.

Fiz uma lista, em ordem cronológica, de meus discos prediletos do gênero. Para ouvir e chorar junto...

Dez discos clássicos de solidão e angústia

Nico – The Marble Index (1969) - Aposto um jantar como Siouxsie Sioux, Robert Smith e Peter Murphy passaram longas horas ouvindo esse disco dilacerante. John Cale botou todo seu arsenal vanguardista de drones e distorção a serviço da voz glacial de Nico, e o resultado é um dos LPs mais tristes e bonitos já gravados, com canções sobre heroína, corações partidos e orgias xamanísticas com Jim Morrison. Segundo um executivo da gravadora Elektra, o disco vendeu seis cópias. Nico penou com heroína a vida toda. Morreu em 1988, ao cair de uma bicicleta em Ibiza.

Skip Spence – Oar (1969) - Em 1968, Alexander “Skip” Spence, guitarrista do Moby Grape, atacou seus companheiros de banda com um machado durante um surto psicótico. Internado numa clínica psiquiátrica por seis meses, saiu de lá e gravou esse disco inesquecível, polaróide de uma alma em  conflito.

John Lennon / Plastic Ono Band (1970) – Nem tanto um disco quanto uma sessão de terapia musicada, o primeiro LP solo de Lennon é um triunfo do minimalismo confessional. Nunca um artista tão famoso expôs sua psique de forma tão aberta, em canções sobre Deus (“God”), abandono familiar (“Mother”) e solidão (“Isolation”). O som cru e espartano foi uma reação à superprodução dos últimos trabalhos dos Beatles e prenunciou o punk.

David Crosby – If I Could Only Remember My Name (1971) - Em 1969, Christine Hinton, namorada de David Crosby, se despediu dele, pegou o carro do casal e foi levar o gato no veterinário. Na esquina, o bichano pulou no colo de Christine, que perdeu controle do carro e bateu de frente num ônibus escolar. Christine morreu na hora. Crosby, que já não era das pessoas mais tranqüilas do mundo, entrou em parafuso: trancou-se em casa, cheirou metade da Bolívia e cometeu esse disco extraordinário, cujo título – “Se eu Pudesse Ao Menos Lembrar Meu Nome” – dá uma idéia do estado mental em que se encontrava. Amigos como Graham Nash, Santana, Jefferson Airplane e Joni Mitchell deram uma força. Essa versão de “Traction in the Rain” na BBC é demais:

Joni Mitchell – Blue (1971) – Uma obra-prima lamuriosa sobre o fim dos relacionamentos de Mitchell com Graham Nash e James Taylor e o evento que marcaria a vida da cantora: em 1965, ela descobriu que estava grávida. Sem condições de sustentar a criança, deu sua filha para adoção. A música “Little Green” (“criança, com uma criança, fingindo...”) é sobre essa experiência traumática, que só foi revelada ao público nos anos 90.

Judee Sill – Heart Food (1973) – A vida de Judee Sill foi punk: órfã, viciada em drogas ainda adolescente, acabou na cadeia por furto e se prostituiu para comprar heroína. Gravou dois discos minimalistas e arrasadores, com influência de ocultismo e temas religiosos. Não venderam nada, mas influenciaram gente como Beth Orton, Jeff Buckley, Bill Calahan (Smog), Mark Eitzel e Beck. Sill morreu em 1979, aos 35 anos, de overdose.

Neil Young – Tonight’s the Night (1975) – Em 1973, depois das mortes por overdose de Danny Whitten, guitarrista do Crazy Horse, e do roadie Bruce Berry, Neil Young reuniu amigos em seu rancho e promoveu sessões de gravação que se estendiam madrugada adentro, regadas a tequila e pó. O exorcismo rendeu o disco mais dark de sua carreira. Tão dark que Young levou dois anos para ter coragem de lançá-lo.

Arnaldo Batista – Lóki (1974) – Depois de sair dos Mutantes e terminar o romance com Rita Lee, Arnaldo gravou este disco, tão lindo quanto doloroso de ouvir. Sua voz é tão frágil que parece que Arnaldo vai se despedaçar a qualquer momento. Oito anos depois, ele se jogaria de uma janela.

Dennis Wilson – Pacific Ocean Blue (1977) – Por anos, Dennis viveu nos Beach Boys à sombra dos irmãos Brian e Carl e do primo, Mike Love. Era o mais rebelde dos irmãos Wilson e o que mais apanhou do pai, Murray, um psicopata cujo hobby era torturar a prole. Cultivando um complexo de inferioridade gigantesco, Dennis, um playboy cocainômano e viciado em sexo, amigo de Charles Manson, penou por quase oito anos para tomar coragem e gravar suas próprias canções. O resultado é o majestoso “Pacific Ocean Blue”, jóia do soft-rock orquestral. Só os Wilson para fazer a tristeza soar tão bela. Dennis morreria seis anos depois, ao mergulhar bêbado no Pacífico.

Marvin Gaye – Here My Dear (1978) – Quando se divorciou de Anna Gordy, irmã de Berry Gordy, chefão da gravadora Motown, Marvin Gaye estava na pior: cheirava 500 dólares por dia e não tinha dinheiro para pagar o divórcio e a pensão do filho pequeno. Seu advogado fez um trato com Anna: Marvin gravaria um disco e dividiria os royalties com ela. O resultado foi um LP duplo que periga ser o mais arrasador documento musical sobre um casamento desfeito. Em 1984, Marvin Gaye, 44, seria assassinado a tiros pelo próprio pai.

 

Menções (muito) honrosas:

Syd Barrett - The Madcap Laughs (1969/1970), Nick Drake – Pink Moon (1972), Leonard Cohen – Songs of Leonard Cohen (1967), Erasmo Carlos – Carlos, Erasmo (1971), James Taylor – Sweet Baby James (1970), Gram Parsons – Grievous Angel (1974), Gene Clark – No Other (1974), Bob Dylan – Blood on the Tracks (1975).

P.S.: O blog está de férias até 5 de janeiro. Infelizmente, não poderei moderar ou aprova comentários até lá. Ótimo fim de ano para todos!

110 Comentários

"Joni Mitchell, Neil Young, Nico, David Crosby: discos clássicos do pop angustiado"

22 de December de 2014 às 07:05 - Postado por André Barcinski

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Felipe
    - 22/01/2015 - 21:06

    Nosssaaa Andre!! Bem lokoo esse texto! Adoro sua dinamica de escrever. Vc devia escrever um livro sobre esses 10 discos com um abordagem mais profunda! Seria duc@ralh0......abraços

    Responder
  • Flávio Guimarães
    - 06/01/2015 - 12:15

    Ótima lista !!! Eu incluiria o BORA BORA do Paralamas que, apesar de ter sua parte mais pra cima, é 90% feito com base na dor de corno do Herbert por causa da Paula Toller. [ ]s, F.

    Responder
  • Vladimir Cunha
    - 28/12/2014 - 21:01

    Essa e uma epoca muito interessante do pop e que e retratada de um jeito nao muito simpatico na autobiografia do Bill Graham (da pra sentir o desgosto dele com os egos gigantes, a cocaina em excesso e o fim do romantismo dos anos 70). Agora, em outro extremo, uma leitura que fecha esse assunto sob outra perspectiva e a biografia do Black Sabbath escrita pelo Mick Wall. Acho que talvez seja um dos livros mais tristes que ja li, mas essencial pra entender a industria da musica dos anos 70.

    Responder
  • Tinho
    - 23/12/2014 - 23:11

    Boa noite, Alguém me manda o link do filme do Nick Cave. Grato.

    Responder
  • Fábio
    - 23/12/2014 - 19:05

    Este disco do Marvin Gaye ao lado do what's going on, são sensacionais, Barça! PS: Guilherme Santos vai para o seu Flu. Aguarde, será uma emoção atrás da outra! Boas Festas, André !

    Responder
  • Banana Joe
    - 23/12/2014 - 11:18

    Um dos melhores posts do ano. Padrão A.B. de qualidade. Infelizmente mais um dos grandes se foi... Mr. Joe Cocker. Quando puder, aguardamos um post em homenagem, depois de ouvir muito o som do cara revi o quadro do SNL onde ele canta e é imitado de forma hilária pelo também brilhante John Belushi.

    Responder
  • Flavia Durante
    - 23/12/2014 - 11:07

    E da Laura Nyro, vc nao gosta? Recomendo tb o documentário Troubadors, sobre a cena singer-songwriter que surgiu ao redor do club Troubadors ;-)

    Responder
  • André pontes
    - 23/12/2014 - 10:29

    Barça, volta! Precisamos de um post seu sobre o Joe Cocker. Ele merece demais!

    Responder
  • Eduardo Messias
    - 23/12/2014 - 09:15

    André, sem querer comparar, mas ainda temos o "Heart Attack and Vine" do Tom Waits e o esquecido "Diamond and Rust" da Joan Baez, na linha folk-mas-putz-Dylan-por-que-você-fez-isso-comigo? Acho a canção título cruelmente bela e tocante, mas que não se perca pelo cover do (!) Judas Priest. Grande post!

    Responder
  • F de G
    - 23/12/2014 - 08:22

    Caralho... Skip Spence é divino! OAR é uma relíquia.... little hands é uma pérola de mantra!

    Responder
1 2 3 4 5