Prefeitura de São Paulo espera 5 milhões em Carnaval de Rua

Capital terá, ao todo, 516 blocos, em 556 desfiles e 300 trajetos, distribuídos em diferentes regiões. Pré-carnaval ocorre em 23 e 24 de fevereiro

Carnaval de Rua em São Paulo

Carnaval de Rua de São Paulo será o maior da história do município, com 516 blocos

Carnaval de Rua de São Paulo será o maior da história do município, com 516 blocos

09.02.2016/TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO

Em 2019, a cidade de São Paulo irá receber a maior quantidade de desfiles da história do Carnaval de Rua do município. Ao todo, serão 516 blocos, em 556 desfiles e 300 trajetos. É esperado 5 milhões de pessoas durante o feriado, entre 2 e 5 de março.

“Não será permitida a venda de espaços, nem de abadás que dão o direito a áreas privilegiadas. Ele (carnaval) é descentralizado, com desfiles por todas as regiões da cidade”, afirmou o prefeito Bruno Covas (PSDB).

Leia mais: Um ano depois, morte de jovem em poste no Carnaval não tem culpados

Ao todo, 29 subprefeituras terão desfiles direcionados para todos os tipos de público, com atrações de diferentes ritmos, origens e estilos. O pré-carnaval ocorre nos dias 23 e 24 de fevereiro, o carnaval, entre 2 e 5 de março, e o pós-carnaval, em 9 e 10 de março.

Neste ano, a prefeitura disponibilizou recursos para os blocos com até quatro mil foliões e que tenham pelo menos três anos de história. Para eles, serão cedidos carros de som e ambulâncias durante os desfiles entre os dias 2 e 5 de março. “O fomento é uma forma de incentivar os blocos comunitários a participarem da festa, tornando as demais regiões tão atrativas quanto Sé e Pinheios”, argumentou o secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi.

Megablocos

Dentre os 516 blocos inscritos, 16 são considerados como megablocos, por receberem mais que 100 mil pessoas. Este ano, a Lapa, Pinheiros, Sé e Vila Mariana irão receber grandes desfiles.

A avenida Marquês de São Vicente entrou pela primeira vez na lista de trajetos e será palco dos megablocos nos dias 2 e 9 de março — os blocos Agrada Gregos e Largadinho desfilarão na avenida. Casa Comigo fará seu desfile durante o pré-carnaval, no dia 23 de fevereiro, na avenida Faria Lima, que também recebe o Má-Que-Bloco, no dia 2 de março.

Veja mais: Em 2ª tentativa, Carnaval de Rua de São Paulo consegue patrocinador

A região central é a que mais recebe blocos de carnaval. Este ano, serão 164 desfiles na Sé, sendo sete deles, megablocos. No dia 24 de fevereiro, o Acadêmicos do Baixo Augusta percorrerá a rua da Consolação. No dia 2 de março, é a vez do bloco Tarado Ni Você percorrer o cruzamento entre as Avenidas Ipiranga e São João.

O trio elétrico do Bloco Lua Vai desfilará no dia 4 de março e no dia 5, será a vez do Agrada Gregos e Domingo Ela Nao Vai. Ambos desfilarão pela avenida Tiradentes, que compõe pela primeira vez a lista de trajetos oficiais da folia. A avenida Tiradentes também receberá megablocos no pós-carnaval. O Bloco do Sebah Vieira percorrerá a avenida no sábado, 9 de março. No domingo, dia 10 de março, é a vez do Bloco Lexa Sapequinha estrear no carnaval paulistano.

Fechando o calendário oficial da cidade, Daniela Mercury desfilará com o bloco Pipoca da Rainha na rua da Consolação, encerrando o desfile de megablocos da região da Sé.

A avenida Pedro Álvares Cabral também receberá megablocos. No dia 23 de fevereiro, será o desfile do famoso Bloco Bicho Maluco. No dia 24 é a vez do desfile do Monobloco fazer a festa.

Confira: Bruno Covas troca comando da Secretaria da Cultura de São Paulo

No dia 3 de março, a via receberá pela primeira vez o Bloco Bem Sertanejo e, no dia 4, o bloco Pinga Ni Mim. No dia 9, o bloco Vumbora fará a festa encerrando as atividades na avenida Pedro Álvares Cabral.

Mobilidade e Transporte

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) preparou um esquema especial de bloqueios e desvios para os desfiles. A novidade deste ano será, também, a realização de desfiles nas avenidas Engenheiro Luis Carlos Berrini, Marquês de São Vicente e Tiradentes.

A região da Vila Madalena, na zona oeste, irá adotar mais uma vez o modelo de ZAE (Zona de Atenção Especial), com o fechamento do quadrilátero formado pelas ruas Wisard, Girassol, Inácio Pereira da Rocha, Morás e Simão Alvares.