Cinema e Séries Ator francês Jean-Paul Belmondo morre aos 88 anos

Ator francês Jean-Paul Belmondo morre aos 88 anos

Segundo o advogado do artista, Michel Godest, ele já estava cansado há algum tempo e descansou em paz

AFP
Ator francês Jean-Paul Belmondo morre aos 88 anos

Ator francês Jean-Paul Belmondo morre aos 88 anos

AFP

O ator francês Jean-Paul Belmondo, um dos intérpretes mais consagrados do cinema francês, morreu na segunda-feira em sua casa em Paris aos 88 anos, anunciou seu advogado à AFP.

"Ele estava muito cansado há algum tempo. Ele saiu em silêncio", disse seu advogado, Michel Godest. Apelidado no mundo do cinema de "Bébel", Belmondo participou de 80 filmes, alguns deles inesquecíveis, como À bout de souffle (Breathless, À beira da fuga) ou L'homme de Rio (O homem do Rio).

Belmondo, um dos últimos grandes astros populares de sua geração, junto com Alain Delon ou Brigitte Bardot, desapareceu quase completamente das telas de cinema desde que sofreu um derrame em 2001.

Um encontro com o cineasta Jean-Luc Godard - outra figura importante na Nouvelle Vague da sétima arte - selou seu destino.

"Venha para o meu quarto, faremos um filme e eu lhe darei 50 mil francos", disse Godard a Belmondo, por quem havia cruzado na rua. Belmondo ainda não tinha 30 anos. E depois viria a sua participação, em 1960, no emblemático “À Bout de Souffle”.

Depois do sucesso do filme, os diretores "vieram até mim", Belmondo relatou em 2016 em um álbum de recortes, Mille vies valent mieux qu'une (Mil vidas valem mais que uma).

Mas "Bébel" não ocuparia apenas um papel central na Nouvelle Vague. Ele também deixou a marca de um ator físico, amante das lutas, cultivando uma grande dose de humor, como fez em Le Cerveau (O Cérebro).

Seu físico de boxeador lhe renderia sucessos populares em El Hombre de Rio de Philippe De Broca, Le Professionnel (The Professional, 1981) de Georges Lautner ou L'as des as (Ás de ases), por Gérard Oury.

Belmondo atuou sob as ordens dos mais renomados diretores da época, como Vittorio de Sica, François Truffaut, Claude Chabrol, Alain Resnais e Claude Lelouch.

Últimas