Cinema e Séries Demi Lovato fala sobre overdose, relação com drogas e estupro

Demi Lovato fala sobre overdose, relação com drogas e estupro

Em documentário sobre sua vida, a artista revelou que foi estuprada pelo traficante que lhe vendia drogas no dia do incidente

Demi Lovato fala abertamente sobre sua overdose

Demi Lovato fala abertamente sobre sua overdose

Reprodução/Youtube

Demi Lovato está decidida a abrir para o público tudo o que enfrentou nos últimos anos devido ao seu problema com as drogas.  Na noite desta terça-feira, no documentário "Demi Lovato: Dancing with the Devil", que teve sua pré-estreia no festival SXSW, a artista revelou que chegou a fazer uma "maratona" de drogas intensa meses antes de uma overdose, que sofreu em 2019.

Demi contou que cerca de três meses antes do incidente, ela chegou a usar muitos tipos de drogas, misturando metanfetamina, MDMA, cocaína, maconha, álcool e oxicodona. “Só isso já deveria ter me matado”, destacou ela, acrescentando que esse "coquetel" acabou não sendo suficiente.

Duas semanas depois da mistura, Demi foi apresentada ao crack e à heroína. De acordo com o site Page Six, o documentário chega a mostrar fotos de dela desmaiando sob o efeito de crack, e fumando heroína. “Comecei a usar de forma recreativa e, obviamente, você não pode fazer isso com heroína antes de se tornar viciada nela”, explicou ela.

A cantora disse ainda que no dia da overdose ela sofreu abuso sexual do seu traficante. "O que as pessoas não sabem é que, naquela noite, eu não só sofri uma overdose. Ele também se aproveitou de mim. Quando me encontraram, eu estava nua e cheia de hematomas. Ele me deixou para morrer. Só meses depois é que eu consegui pensar: 'Eu não estava em condições de dar consentimento a ele'."

Meses depois da overdose, ela teve uma recaída, mas contou que isso a fez refletir. "Eu tinha acabado de sair de um retiro de uma semana, para tratar o meu trauma. Na noite em que voltei para casa, liguei para ele. Eu queria reescrever a história, queria que fosse minha escolha o abuso que eu sofri. [...] Depois, fiquei pensando: como tive coragem de usar de novo as drogas que me fizeram ir para o hospital? Fiquei mortificada com a decisão que tomei."

A artista revelou ainda que atualmente está sóbria, mas que continua bebendo com moderação e usando maconha. Para ela, "a sobriedade não é a mesma coisa para todo mundo", e que precisou "se liberar da visão radical de que um drinque era a mesma coisa que um cachimbo de crack".

O documentário estará disponível no Youtube a partir do dia 23 de março.

Últimas