Herói de 'Hotel Ruanda' pode pegar até prisão perpétua, diz promotoria

Paul Rusesabagina, retratado em um filme de Hollywood, é acusado de terrorismo, cumplicidade em assassinato e adesão a grupo armado irregular

Rusesabagina foi retratado como herói em filme

Rusesabagina foi retratado como herói em filme

Clement Uwiringiyimana / Reuters - 31.8.2020

Paul Rusesabagina, retratado como herói em um filme de Hollywood sobre o genocídio de Ruanda em 1994, pode pegar de 25 anos até prisão perpétua se for condenado por vários crimes, disse a promotoria.

Rusesabagina, que certa vez pediu uma resistência armada contra o governo em um vídeo do YouTube, foi acusado em um tribunal de Kigali na segunda-feira por 13 acusações, incluindo terrorismo, cumplicidade em assassinato e formação ou adesão a um grupo armado irregular.

"Por alguns dos crimes, ele pode pegar 25 anos, e alguns até prisão perpétua", disse Faustin Nkusi, porta-voz da promotoria de Ruanda, à Reuters por telefone.

Rusesabagina se recusou a responder a todas as acusações na segunda-feira, dizendo que quer apelar contra cada uma. O tribunal decidirá sobre fiança na quinta-feira.

Seu caso chamou a atenção para o governo do presidente Paul Kagame, que foi acusado por grupos de direitos de sufocar a dissidência. Nkusi rejeitou as críticas, dizendo que a promotoria vai garantir que ele tenha um julgamento justo.

A família de Rusesabagina pediu um julgamento internacional. Eles também acusaram o governo de negar a ele a representação legal de sua escolha.

O filme indicado ao Oscar Hotel Ruanda retratou Rusesabagina, um ex-gerente de hotel, como tendo usado suas conexões com a elite hutu para proteger os tutsis que fugiam do massacre.