Morre, aos 94 anos, o ator francês Michel Piccoli

"Michel faleceu nos braços de sua mulher e seus filhos, de consequências de um acidente vascular cerebral", disse o ex-presidente do Festival de Cannes

Piccoli em cena do filme 'As Coisas da Vida'

Piccoli em cena do filme 'As Coisas da Vida'

Reprodução/YouTube

Foi-se Michel Piccoli, aos 94 anos. Ator gigante do cinema francês e mundial, fez papéis inesquecíveis em filmes de Jean-Luc Godard ("O Desprezo"), Luis Buñuel ("A Bela da Tarde"), Manoel de Oliveira ("Vou para Casa") e Nanni Moretti ("Habemus Papam").

O cinéfilo vai lembrar dele como o marido de Brigitte Bardot em "O Desprezo", considerado senão o melhor pelo menos o mais belo dos filmes de Godard. Ou o perverso amigo de Catherine Deneuve em "A Bela da Tarde". Ou, já idoso, como o comovente personagem desenhado por Manoel de Oliveira em "Vou para Casa". E, mais recentemente, como o papa em Crise de "Habemus Papam", do italiano Nanni Moretti.

Nunca foi um galã, mas defendia-se com seu talento. Minimalista e exata, sua interpretação torna-se marcante pela concisão de gestos, expressões e voz. Foi desses atores que, pela força da personalidade, tornam-se coautores das obras das quais participam.

Segundo o jornal francês "Libération", a notícia da morte foi dada por Gilles Jacob, ex-presidente do Festival de Cannes e amigo do ator: "Michel Piccoli faleceu 12 de maio, nos braços de sua mulher Ludvine e seus filhos Inord e Missia, de consequências de um acidente vascular cerebral".