Cinema e Séries Morre David 'Coco' Blaustein, um dos maiores cineastas argentinos

Morre David 'Coco' Blaustein, um dos maiores cineastas argentinos

Documentarista, que na última quarta-feira (11) sofreu um AVC (acidente vascular cerebral), estava internado, mas não resistiu

AFP
Cineasta sofreu um derrame que o levou a ficar internado

Cineasta sofreu um derrame que o levou a ficar internado

Divulgação

O cineasta e documentarista argentino David Blaustein morreu nesta segunda-feira (16), aos 68 anos, após ter sofrido um AVC (acidente vascular cerebral), de acordo com comunicado emitido pelo Ministério da Cultura local. 

“Lamentamos profundamente a morte de David 'Coco' Blaustein, uma das maiores referências do cinema político em nosso país”, tuitou o ministério, chamando a morte de “perda irreparável para a cultura argentina”.

Na última quarta-feira (11), o cineasta sofreu um derrame que o levou a ficar internado, informou Bucky Butkovic, responsável pela divulgação de seus filmes.

Cazadores de utopías, lançado em 1996, com depoimentos de militantes da década de 1970 do grupo guerrilheiro Montoneros, foi o primeiro de uma dezena de documentários que ele filmou ou produziu.

"Despedimo-nos com imenso pesar de nosso querido amigo David 'Coco' Blaustein, diretor, cineasta, ativista político, da vida, da justiça, da memória e do futuro. Um companheiro de generosidade e calor incomparáveis", escreveram as Avós da Praça de Maio, cujo trabalho e luta na busca dos bebês, filhos dos desaparecidos, roubados na ditadura argentina (1976-1983), foi retratado no documentário Botín de guerra, realizado em 2000.

O cineasta Juan José Campanella, diretor do premiado O segredo de seus olhos, lamentou em um tuíte a morte de seu colega, a quem descreveu como "um daqueles homens que é um prazer estar com ele. Um amante e defensor do cinema argentino. Um enorme documentarista. Mas, acima de tudo, um cavalheiro de belíssima imagem".

O DOCA (grupo Documentalistas de Argentina) descreveu Blaustein como "essencial", que apresentava Manivela, um programa de rádio dedicado ao cinema latino-americano.

“É uma história que afasta quem optou por contar o proibido, o silenciado, a resistência, a memória e as lutas populares. Os que acabam de encontrar linguagem, olhar e bandeira no seu cinema do real”, tuitou o grupo HIJOS (dos desaparecidos).

Acabava de terminar "Vai acabar", documentário de 115 minutos co-dirigido com o cineasta Andrés Cedrón, no qual recolhe depoimentos de trabalhadores que arriscaram a vida por reivindicações sindicais durante a ditadura.

Make homeland (2006), Rebel Fragments (2009), Soy beans (2009), são outros títulos famosos de sua autoria.

Últimas