Clint, a defesa do indivíduo e Kathy Bates no Oscar

Clint Eastwood sofreu verdadeiro linchamento moral quando O Caso Richard Jewell estreou nos EUA. A imprensa caiu matando, acusando-o de estar de volta aos tempos chauvinistas de seu personagem Dirty Harry, quando ele era o terror - e o alvo favorito - das feministas. Tudo por causa do tratamento dado à personagem da jornalista interpretada por Olivia Wilde. Na ficção de Richard Jewell, ela é uma carreirista que chega a dormir com o agente do FBI, em busca de informações privilegiadas. Adota a visão dele - o patético Richard, em vez de ser um herói, seria um criminoso - e a expõe como manchete do jornal. Ao descobrir que foi usada, em vez de usar, recua, mas é tarde. O estrago está feito.

Vale retomar a história porque neste sábado, na TV paga, o canal Warner resgata, às 18h51 outro filme de Clint - Sully, o Herói do Rio Hudson. O que Sully tem a ver com Richard Jewell? Tudo. Richard Jewell é sobre um segurança de parque de diversões que já tentou tudo na vida para realizar o sonho de ser policial.

Um tanto por incompetência, outro por excesso de zelo que o leva a se posicionar acima da lei, ele é sempre o homem errado. Até que, durante a Olimpíada de Atlanta, percebe aquela sacola no parque. Arma um circo, convencido de que ela pode conter uma bomba - e contém. Vira herói, até que o FBI, buscando um culpado, levanta a suspeita de que a bomba foi plantada por ele. A vida de Jewell vira um inferno.

O Caso Richard Jewell baseia-se numa história real - como Sully. Numa emergência, piloto consegue a façanha de pousar o avião avariado no Rio Hudson. Salva todos os passageiros, vira herói na mídia - num dia. No outro, como ocorre com Jewell, as autoridades da aeronáutica e seguradoras começam a tecer uma outra versão para o ocorrido. Sully não seguiu protocolos de segurança, o herói passa a ser investigado - para ser desmascarado. Como Paul Walter Hauser, Tom Hanks veste o personagem como luva. Ambos são excepcionais nos papéis.

Como autor, Clint vem fazendo a crítica ao choque entre o indivíduo e as instituições. O FBI e seu notório chefão, J. Edgar Hoover, já foram seus alvos. Hoover foi, por décadas, o poder oculto na vida norte-americana. Controlava, chantageava e ameaçava todo mundo, ao mesmo tempo que fazia segredo de sua homossexualidade reprimida.

O FBI, por meio do agente interpretado por Jon Hamm, quase destrói Jewell. Salva-o o advogado que Sam Rockwell cria com a costumeira competência. Do ponto de vista autoral, Richard Jewell é outro capítulo importante na trajetória do astro/diretor. O filme mostra como se destrói uma reputação. Pode-se extrapolar e chegar ao uso das redes sociais pelo presidente Trump. A Academia, para valorizar o novo Clint, indicou Kathy Bates como melhor coadjuvante. Faz a mãe de Richard Jewell.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.