'Câmera Record' debate casos de ataques de fúria no trânsito

Flagrantes assustadores de descontrole emocional abrem discussão sobre surtos ao volante

Marcos Hummel comanda o 'Câmera Record'

Marcos Hummel comanda o 'Câmera Record'

Edu Moraes/Record TV

No Câmera Record deste domingo (10), especialistas vão explicar por que o trânsito mexe tanto com os nervos do brasileiro. "O limite de tolerância das pessoas é extremamente baixo e a possibilidade de alguma atitude violenta, extremamente alta", reforça Alberto Sabbag, especialista em Medicina de Tráfego.

O programa mostra alguns casos que ganharam repercussão recentemente. Cercado por um grupo de motoqueiros, um pedreiro sai de sua caminhonete, carrega uma foice e vai pra cima do rapaz que teria ferido a filha dele ao bater com o capacete no para-brisa do carro.

Confusão instalada, minutos depois ele atropela e arrasta pelo asfalto um outro motoqueiro, que acompanhava o tumulto. São poucos segundos de uma explosão de raiva em Londrina (PR), mas os breves instantes ilustram com precisão o convívio cada vez mais tenso entre os 73 milhões de motoristas e 32 milhões de motociclistas que dividem ruas e avenidas Brasil adentro.

Nesta semana, em São Paulo, ganhou manchetes a violência com que um motorista de ônibus reagiu a uma discussão com um flanelinha. O condutor atacou o guardador de carros com um facão e disparou contra pessoas que entraram em confronto com ele. Quando ficou sem munição, o motorista foi espancado pela população e escapou por pouco de um linchamento.

E ainda: o caso do agente de trânsito espancado por causa de um cartão de estacionamento e o motorista de 65 anos de idade que levou uma surra de um fisiculturista no Rio de Janeiro.

Apresentado por Marcos Hummel, o Câmera Record vai ao ar domingo, à meia-noite, logo depois de A Fazenda.