Famosos e TV Corpo de Eva Wilma é sepultado neste domingo (16), em SP

Corpo de Eva Wilma é sepultado neste domingo (16), em SP

Atriz morreu aos 87 anos por complicações de um câncer no ovário que foi descoberto recentemente

  • Famosos e TV | Do R7

Eva Wilma foi uma das maiores atrizes brasileiras

Eva Wilma foi uma das maiores atrizes brasileiras

Reprodução/Instagram

O corpo da atriz Eva Wilma, de 87 anos, foi sepultado no final da tarde deste domingo (16), em São Paulo. A cerimônia foi restrita à família e amigos e não teve o local divulgado. Os parentes mais próximos queriam privacidade e também foi uma medida para não gerar aglomeração de fãs.

Eva Wilma morreu na noite deste sábado (15) em decorrência de um câncer no ovário descoberto recentemente. Ela estava internada no Hospital Israelita Albert Einstein. Ela foi internada em 10 de janeiro com um quadro de pneumonia e, dias depois, foi descoberto um câncer no ovário.

TRAJETÓRIA

A arte faz parte da vida de Eva desde pequena. Aos 14 anos, ela já atuava como bailarina clássica.

Da dança, ela começou a ter oportunidade no teatro, participando de inúmeras peças. Logo no começo da carreira, fez clássicos como Hamlet, Edipo Rei, A Canção para Bernadette e Casa de Bonecas.

No cinema, ela estreou em 1953 quando foi convidada pelo diretor italiano Luciano Salce para o filme Uma Pulga na Balança. Ela fez filmes como Assassinato em Copacabana, A Sogra, O Quinto Poder, A Ilha, São Paulo S/A, Asa Branca - Um Sonho Brasileiro, O Signo da Cidade e A Guerra dos Vizinhos. Sua última produção nas telonas foi Minha Mãe, Minha Filha, de 2018.

Ela estrou na TV ao participar do seriado Namorados de São Paulo, de Cassiano Gabus Mendes, na TV Tupo, de 1953.

Eva Wilma foi uma das mais queridas atrizes do Brasil

Eva Wilma foi uma das mais queridas atrizes do Brasil

TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO-22/01/2016

A produção foi então adaptada para se tornar Alô, Doçura!, inspirada no sucesso I Love Lucy. Eva se tornou protagonista com Mário Sérgio e, na sequência, o ator foi substituído por John Herbert.

Eva e Herbert se casaram em 1955 e ficaram juntos até 1976. O casal teve dois filhos: Vivien e John  Herbert.

O sucesso do seriado foi tanto que o casal se tornou um dos mais marcantes da época na TV brasileira.

Na Record, Eva fez ao lado do marido novelas como Comédia Carioca e Prisioneiro de um Sonho.

Na década de 60, ela também fez papeis marcantes em produções como Ana Maria Meu amor, Fatalidade e Angústia de Amar, novela baseada no filme O Que Aconteceu a Baby Jane?, e O Amor Tem Cara de Mulher, seriado pelo qual foi aclamada.

Já na década de 70, fez sucessos como Meu Pé de Laranja Lima, interpretou as gêmeas Ruth e Raquel na primeira versão de Mulheres de Areia e viveu Dinah, também na primeira adaptação da novela A Viagem.

Eva fez alguns trabalhos com o ator e diretor Carlos Zara, com quem se casaria em 1979. Eles ficaram juntos por 23 anos, até a morte de Zara em 2002.

Em 1980, Eva Wilma foi contratada pela Globo, onde fez de cara novelas como Plumas e Paetês, Elas por Elas e Ciranda de Pedra. Na década, fez trabalhos marcantes como Guerra dos Sexos, na qual viveu Bárbara Guerra, Sassaricando, novela em que interpretou Penélope Bacelar e Que Rei Sou Eu?, onde viveu a Marquesa D'Anjou.

Nos anos 90, deu vida a um de seus papeis mais queridos, a vilã Maria Altiva, de A Indomada, com seu famoso bordão "Oxente, my god". Ela também fez novelas como O Rei do Gado, História de Amor e Pátria Minha.

Outro personagem marcante da atriz foi a Tia Íris, da novela Fina Estampa, em 2011. Já em 2014, ela chamou a atenção como a alcóolatra Fábia, de Verdades Secretas.

A última novela de Eva foi O Tempo Não Para, de 2018, enquanto sua última aparição na TV foi na série Os Experientes, de 2019.

No teatro, estrelou recentemente O Que Terá Acontecido a Baby Jane?, ao lado de Nicette Bruno, que morreu de covid-19 em 2020. A montagem foi bastante elogiada.

Eva foi premiada por sua atuação desde o início da carreira, colecionando prêmios em seus mais de 60 anos de sucesso.

Últimas