Famosos e TV Gizelly comenta acusações de Duda contra Nego do Borel: 'Libertação'

Gizelly comenta acusações de Duda contra Nego do Borel: 'Libertação'

A advogada da modelo avaliou as denúncias feitas por ela e disse que declarações vão ajudar outras mulheres que sofrem caladas

Resumindo a Notícia

  • Duda Reis acusa Nego do Borel de violência e abuso físico
  • Gizelly Bicalho defende os interesses da modelo na Justiça
  • A advogada avalia que sua cliente 'ganhou vida' após expor as publicações
  • Ela ressalta que violência doméstica não tem classe social
Izabella Borges (à esquerda), Duda Reis (ao centro) e Gizelly Bicalho (à direita)

Izabella Borges (à esquerda), Duda Reis (ao centro) e Gizelly Bicalho (à direita)

Reprodução/Instagram

O ano de 2021 começou trazendo um assunto muito difícil à tona no mundo das celebridades: a violência doméstica contra as mulheres. Além de Pétala Barreiros, Maria Eduarda Reis Barreiros, mais conhecida como Duda Reis, expôs publicamente, no dia 12 de janeiro, as supostas agressões e abusos que sofria de seu ex-noivo, Leno Maycon Viana Gomes, famoso como Nego do Borel, que nega as acusações.

Tudo começou após o vazamento de um áudio da youtuber Lisandra Barcelos relatando um envolvimento sexual com o funkeiro enquanto ele namorava com Duda. Foi então que a modelo decidiu expor publicamente tudo o que enfrentou durante o seu relacionamento de três anos com o artista, que acabou no dia 23 de dezembro de 2020.

Duda Reis, Nego do Borel e Lisa Barcelos

Duda Reis, Nego do Borel e Lisa Barcelos

Reprodução/Instagram

No dia 12 de janeiro deste ano, a atriz contou detalhes sobre a relação do casal que, segundo ela, era baseada em chantagens, traições e agressões. "Passei muita coisa que vou poder testemunhar e usar de incentivo para vocês. Chantagens emocionais, verbais, medo pela minha vida e decidi botar a boca no trombone. Não dá pra ficar passando pano pra macho assim, porque a próxima namorada será a próxima vítima e ponto final", relatou Duda.

Comovida com todas as declarações da jovem de 19 anos nas redes sociais, a advogada Gizelly Bicalho contou ao R7 que procurou a atriz para ajudá-la emocionalmente e juridicamente no que precisasse. "Quando eu vi aquela menina relatando tudo o que ela passou eu falei: 'Cara eu preciso ajudar'. Eu sou advogada, tenho capacidade e conhecimento para isso e decidi ajudar a Duda", disse. "Eu já tinha passado por isso também, em casa com a minha mãe, porque meu pai batia nela e eu vivi um relacionamento abusivo. Por isso, eu quis tanto ajudar", completou.

A criminalista relatou ainda que entrou em contato com a sua parceira de trabalho, a advogada Izabella Borges, para assumirem o caso. "Quando eu liguei para Duda, ela disse que ia na delegacia naquele dia sozinha, só com um amigo. Eu falei que não tinha a menor condição dela ir à nenhum lugar sozinha, quanto mais a uma delegacia", contou. "Na mesma hora, eu liguei para Izabella, que é minha parceira, e perguntei se ela topava tocar o caso da Duda comigo. Ela aceitou e acompanhou a Duda na delegacia", declarou.

Por isso, a jurista aconselhou. "Mulheres do Brasil, não vão sozinha à uma delegacia. Você é vítima, está completamente abalada e vulnerável. Delegacia é um ambiente que é muito pesado, às vezes, você vê gente sendo preso, armas e fica acuada. Para as pessoas que trabalham em delegacia, você é apenas mais um caso e, para eles, a sua situação é algo normal. Então, o policial vai te fazer perguntas, pedir para você falar sobre aquilo e a vítima, muitas vezes, está fragilizada, confusa e insegura. Então, a presença de um advogado ou advogada é essencial", explicou.

Gizelly defende Duda na Justiça

Gizelly defende Duda na Justiça

Reprodução/Instagram

Exposições públicas

Questionada sobre a escolha da atriz de tornar o assunto público, Gizelly disse não acreditar que isso possa atrapalhá-la na Justiça. Na verdade, a jurista avalia que as falas de sua cliente "foram como uma libertação". "Eu, como amiga dela, vejo que isso tudo foi como uma libertação para ela. Antes, você olhava os vídeos da Duda e percebia que ela tinha um olhar morto. Hoje, você percebe que ela está com vida e o quanto isso foi ótimo para ela."

E refletiu: "Eu não posso julgar se isso é certo ou errado [expor os casos publicamente], porque quando você está desesperado, você só quer pedir socorro. E mesmo sabendo que a internet é uma potência, você precisa fazer aquilo. Pelo o que eu vi, a Pétala [Barreiros] pediu socorro  por tudo o que estava acontecendo e ela não sabia mais o que fazer e a Duda também".

Para a advogada, o testemunho da influenciadora pode encorajar outras mulheres famosas e anônimas a fazerem o mesmo. "Eu vejo esse processo de fala como um processo de autoconhecimento, porque você consegue entender o que você estava passando e empoderar outras mulheres. Hoje, a Duda me fala: 'Gi, esse é o meu propósito. Eu quero ajudar outras mulheres a saírem dessa'.", contou a criminalista, que sempre levantou essa bandeira em suas redes sociais.

Medo dos julgamentos

Gizelly descreveu ainda que culpa e vergonha são os sentimentos que mais ocupam as cabeças das mulheres vítimas de violência doméstica e esse também foi o caso de Duda. "No primeiro contato que eu tive com a Duda, a primeira coisa que ela me falou foi que estava se sentindo culpada por tudo o que viveu. Eu disse para ela que culpa e vergonha são dois sentimentos que as mulheres que sofrem violência doméstica têm muito. Elas têm vergonha de falar para os amigos, para a família, porque não querem ouvir eles falando: 'Eu te avisei' ou 'Eu já tinha percebido'. Na maioria dos casos, a mulher já está afastada de todos porque o companheiro é abusivo e corta essas relações e ela se sente culpada por ter deixado a coisa chegar a esse ponto."

Duda relatou que tinha culpa e vergonha pelo que viveu

Duda relatou que tinha culpa e vergonha pelo que viveu

Reprodução/Instagram

Segundo a advogada, até ela foi alvo de críticas por defender os interesses da modelo contra Nego do Borel na Justiça. "Eu recebi muitas críticas por ter pego o caso da Duda de gente falando que eu queria aparecer. A minha resposta é que eu já fazia isso muito antes. Eu sou advogada, já atuei em vários casos envolvendo mulheres como pro bono, inclusive já contei isso várias vezes publicamente. Quem me conhece e me segue sabe da minha índole, do meu caráter, do meu coração e eu já fiz isso por muitas mulheres que não aparecia em lugar nenhum porque essa sou eu e eu gosto de ajudar", disse.

Por esses julgamentos, Gizelly endossou a importância de familiares, amigos e pessoas próximas. Uma das amigas que ajudou Duda foi a modelo Yasmin Brunet. Ela contou aos fãs, pouco depois do desabafo da ex de Nego do Borel, que teve uma conversa com a jovem antes do anúncio do término do noivado. "Conversei com ela uma madrugada e tenho muita gratidão por ela ter me escolhido para dividir algo tão difícil", escreveu ela na publicação.

Ao R7, a filha de Luiza Brunet confirmou a conversa e se disse muito grata por Duda ter confiado nela. "A Duda me procurou para me contar o que estava acontecendo, porque ela sentiu vontade de fazer isso. Eu a ouvi e dei conselhos baseado no que eu já tinha passado. Fiquei grata por ela confiar em mim e me contar coisas da vida dela me dando a chance de ajudar. Eu gosto muito dela e desejo o melhor. Que ela possa ajudar muitas meninas novas que sofrem com relacionamentos abusivos", disse.

Apoio psicológico

Não é novidade que o Brasil é um dos países que mais matam mulheres — ocupando o 5º lugar no ranking —, segundo o ACNUDH (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos). Gizelly reforçou que a assistência psicológica também é um caminho para quem busca forças para sair de uma relação cheia de machucados e sofrimentos.

"A gente precisa entender que o primeiro ponto é que não existe classe social quando se fala em violência doméstica. Vimos os casos da Duda e da Pétala que são mulheres influentes com milhões de seguidores", começou. "É importantíssimo procurarmos ajuda psicológica, porque nesse processo a gente deixa de se amar. Eles tiram a nossa autoestima, o nosso amor-próprio e é difícil virar a chavinha no começo, porque não é do dia para a noite que você volta a se amar. É um processo que a gente precisa entender que se a pessoa te bate a culpa não é sua é exclusivamente dela. Amor não dói. Amor não machuca", completou.

Próximos passos

Como dito acima por Gizelly, Duda foi acompanhada de Izabella Borges à Delegacia de Defesa da Mulher, em São Paulo, onde registrou um boletim de ocorrência contra Nego do Borel. Ela prestou seu depoimento e fez cinco acusações contra o artista, sendo elas: lesão corporal, estupro de vulnerável, ameaça, injúria e violência doméstica.

Duda conseguiu uma medida protetiva contra Nego do Borel

Duda conseguiu uma medida protetiva contra Nego do Borel

Reprodução/Instagram

Até o momento, a modelo conseguiu uma medida protetiva em que o funkeiro não pode: se aproximar da modelo e nem de seus familiares, citar o nome dela em entrevistas e conteúdos públicos e nem comentar em fotos ou posts referentes a ex. Gizelly avaliou a medida como uma "primeira vitória" de muitos passos que ainda estão por vir. "Agora, estamos aguardando ele ser intimado. Embora ele não tenha recebido oficialmente a intimação, ele já sabe da existência da medida, porque foi algo que ele mesmo disse em uma entrevista."

O artista entrou com um pedido de liminar que previa a exclusão das publicações da atriz contra ele da internet, mas o pedido foi negado no último dia 17 de janeiro.

Por fim, a advogada de Duda Reis esclareceu que ainda existe um caminho longo até o desfecho do caso. "Agora, estamos aguardando a carta precatória chegar no Rio de Janeiro para que o Leno Maycon seja intimado sobre as medidas protetivas. Depois, ele vai ser ouvido em sede policial e, em seguida, as testemunhas, até que a delegada tenha a conclusão do inquérito. Depois disso, ela manda a conclusão para o fórum, que vai encaminhá-lo para o Ministério Público", explicou.

"O Ministério Público pode pedir novas diligências, como uma perícia ou ouvir novas testemunhas, ou oferecer a denúncia. A partir do oferecimento da denúncia, a pessoa deixa de ser investigada e passa a ser ré. Temos muitos passos a percorrer", concluiu ela.

Últimas