'Jornal da Record', 1º telejornal do TikTok, ultrapassa 80 mil seguidores

Com apenas cinco meses no ar, perfil do jornalístico no aplicativo faz sucesso entre internautas; no YouTube, 'JR' cresceu 21% no primeiro semestre do ano

'Jornal da Record' vai ao ar em cinco edições diárias

'Jornal da Record' vai ao ar em cinco edições diárias

Record TV

O TikTok aos poucos conquistou os brasileiros e tornou-se um sucesso no país. O Jornal da Record ganhou um perfil no aplicativo antes mesmo de ficar tão conhecido e foi o primeiro telejornal do Brasil a aderir a ele. São apenas cinco meses no ar e o JR já ultrapassou a marca de 80 mil seguidores. Além disso, no YouTube, o JR cresceu 21% nos primeiros seis meses deste ano.

A adesão do jornal ao TikTok reforça o perfil multiplataforma dos produtos da família do Jornal da Record, concebidos não apenas para serem exibidos na TV aberta, mas também nos ambientes digitais, ampliando o alcance de público.

Todo o conteúdo produzido é criado pela equipe do telejornal, com foco nas particularidades de cada uma das plataformas. Por isso, o JR no TikTok tem um estilo bastante informal, com algumas doses de humor. Um exemplo de que é possível usar informação séria de uma forma leve é o vídeo sobre fake news, que ensina quando compartilhar ou não uma informação.

No YouTube, o canal do Jornal da Record mostrou o maior crescimento entre as contas da emissora, com 21% de aumento no primeiro semestre, em relação ao seis meses anteriores. 

No Twitter, a conta do Jornal da Record teve destaque entre as visualizações. Em março, em apenas um dia, foram registradas mais de 2.3 milhões de visualizações em 24 horas.

Os acessos ao portal R7, do Grupo Record, cresceram cerca de 40% entre os meses de março e abril, também impulsionados pelo Jornal da Record. Dentro do conteúdo do JR, a subeditoria de saúde trouxe um expressivo desempenho em crescimento da audiência de 160% no mês de abril. Os conteúdos do JR 24h foram os que trouxeram maior crescimento, cerca de 67% em abril e 43% em maio, comparado aos primeiros meses do ano de 2020.