Porta dos Fundos fala em 'censura' após Justiça derrubar vídeo

Grupo enfatizou que o trabalho deles é fazer humor e disse "acreditar no Poder Judiciário em manter a defesa histórica da Constituição Brasileira"

Publicação foi compartilhada no Instagram

Publicação foi compartilhada no Instagram

Reprodução/Instagram

Após a Justiça determinar a retirada do ar do especial de Natal do Porta dos Fundos, o grupo humorístico se manifestou pela primeira vez nesta quinta-feira (9).

Nas redes sociais, o Porta lamentou a decisão e afirmou que é "contra qualquer ato de censura, violência, ilegalidade, autoritarismo e tudo aquilo que não esperávamos mais ter de repudiar em pleno 2020. Nosso trabalho é fazer humor e, a partir dele, entreter e estimular reflexões".

Além disso, o grupo declarou que vai continuar produzindo as esquetes e disse "acreditar no Poder Judiciário em manter a defesa histórica da Constituição Brasileira e seguimos com a certeza que as instituições democráticas serão preservadas". 

A Netflix também se manifestou no Twitter e declarou apoio ao Porta dos Fundos: "Sobre o especial do Porta dos Fundos: Apoio fortemente a expressão artística e vou lutar para defender esse importante princípio, que é o coração de grandes histórias".

O especial de Natal do Porta dos Fundos, Primeira Tentação de Cristo, faz uma sátira religiosa e tem como enredo o aniversário de 30 anos de Jesus Cristo. Divulgado em dezembro de 2019 na plataforma de streaming, o episódio causou polêmica e foi alvo de um abaixo-assinado on-line que acusava o grupo humorístico de "ofender gravemente os cristãos".

Leia a publicação do Porta dos Fundos na íntegra