Famosos e TV 'Se tem direito de imagem, mostra', diz neta de fã da Anitta

'Se tem direito de imagem, mostra', diz neta de fã da Anitta

Gabriela Pinheiro, neta de Maria Ilza, que apareceu em série da cantora, conversou com R7 sobre polêmica envolvendo avó

  • Famosos e TV | Gabriela Piva, do R7*

Resumindo a Notícia

  • O R7 conversou com filha e neta de Maria Ilza, fã de Anitta, para entender outros detalhes do caso
  • Família quer retirar episódio em que "Tia Ilza" aparece na série 'Anitta: Made in Honório'
  • Para isso, entraram com uma ação judicial contra a cantora
  • Artista alega que possui o direito de imagem e que ainda não foi notificada sobre o processo

O documentário Anitta: Made In Honorio, da Netflix, exibiu várias facetas da cantora, que fez questão de "mostrar a realidade de sua vida, sem manipular a veracidade dos fatos", segundo nota enviada à imprensa pelo porta-voz da artista. Contudo, nem todos ficaram felizes com a forma que foram retratados.

O R7 conversou, nesta sexta-feira (15), com Gabriela Pinheiro e Maria Conceição de Azevedo, neta e filha de Maria Ilza, que apareceu no 5º episódio da série da artista. Em Anitta: Made In Honório, a fã foi filmada dentro da casa da cantora entregando uma blusa que costurou para ela. Porém, a família de "Tia Ilza", como ficou conhecida, não gostou da forma como ela foi tratada, já que a mãe de Anitta falou no seriado que ela "invadiu" a casa da dona de Combatchy. Para completar, Gabriela e Maria Conceição também alegaram que Maria Ilza não assinou qualquer termo para permitir o uso de sua imagem.

'Se tem direito de imagem, mostra', diz neta de fã de Anitta

'Se tem direito de imagem, mostra', diz neta de fã de Anitta

Reprodução/Record TV

Por isso, a família resolveu entrar com uma ação, de n° 0297081-59.2020.8.19.0001, que tramita na 2ª vara Cível da Comarca de Macaé, no Rio de Janeiro, contra a cantora para que o episódio seja retirado do ar.

Na noite de ontem (14), a própria Anitta afirmou no Twitter que tanto ela quanto a Netflix possuem o documento para legalizar aparição de Maria Ilza no seriado. Já Gabriela rebateu o posicionamento: "Se tem direito de imagem, mostra", falou.

De acordo com a advogada Roberta Oliveira Carmona, a Netflix só tem a obrigação de mostrar a autorização caso recebam uma ordem judicial.

A reportagem também ouviu Gabriel de Paula Ferreira, o advogado da família e, segundo ele, Maria Ilza garantiu não ter autorizado a sua participação em Anitta: Made in Honório: "Em uma declaração, ela afirma, categoricamente, que não há autorização nem via telefone ou por escrito", falou. 

Além disso, um boato que dizia que a família teria desistido da ação também começou a circular. "Não teve isso, o processo continua em andamento, vivíssimo", afirmou a filha de Maria Ilza, que disse ter ficado muito abalada com Anitta. Em nota enviada à imprensa, a advocacia contratada pela família de Maria Ilza esclareceu a situação (leia na íntegra).

"Minha mãe vai ficar mais seis meses, mais ou menos, em tratamento contra às complicações da covid-19. Quando ela voltou para casa e teve mais noção do que tinha acontecido, ela caiu aos prantos", relatou. 

Ainda, elas falaram que a cantora não foi procurá-las antes do lançamento ou depois que a ação judicial viralizou na web. As duas também não procuraram a artista. "A gente está esperando citar [no processo] para ver como vai ficar", explicaram.

Repercussão 

Gabriela e a mãe contam que a família virou "chacota" em Macaé, no Rio de Janeiro, onde vivem. Elas tentaram evitar que "Tia Ilza" soubesse do documentário, já que ela passou os últimos dois meses internada com covid-19 e só foi liberada na última segunda-feira (11). Elas falam que, assim como a maioria se questiona na internet, elas também "não sabem como a Netflix não pediu um documento desses".

"O que a Anitta fez foi muito sério. É uma falta de respeito muito grande com qualquer pessoa. Que isso sirva de lição para ela não [agir mais assim], porque ganhar às custas de uma pessoa de 72 anos não é certo, né", continuou Maria. "Minha mãe tinha botado prótese nos dois joelhos, e aí vem me dizer que ela 'invadiu' um condomínio de luxo? Ela virou o quê? Mulher-Maravilha?", ironizou.

A neta de "Tia Ilza" também alegou ter ficado muito decepcionada com a forma como a avó foi retratada na série: "Eu nem assisti o documentário, só a parte em que minha avó apareceu. Quando eu assisti, eu fiquei em choque. Ela não merecia isso, do jeito que ela ama a Anitta; não merecia ser retratada desse jeito".

Outra história que Maria destacou aconteceu depois da gravação da série documental. Ela disse que a Maria Ilza chegou a costurar outras roupas para Anitta, após a cantora ter pedido - cena que foi exibida no seriado - para ela criar "todo um figurino" para show.

"Ela costurou mais roupas e levou lá, de novo. Ela não entrou [no condomínio], deixou na portaria e pediu para que entregassem para Anitta", disse. "Eu não sei o que aconteceu para ela fazer essa situação que fez com minha mãe, que é fã dela desde o começo de sua carreira. Mamãe não era estranha para Anitta, que chamava minha mãe de 'Vó Ilza'. O que passou na cabeça dessa menina para fazer o que ela fez com essa menina e dizer que minha mãe invadiu a casa dela? Uma pessoa de sã consciência não faria uma coisa dessas", completou.

Gabriela afirmou que tinha muito respeito e admiração pela cantora e empresária, mas confessou: "Hoje em dia, eu vejo que é tudo uma fake news, que é tudo uma coisa inventada por ela, porque, na verdade, ela só pensa nela mesma, não pensa nas outras pessoas. Ela faz tudo o que está ao alcance dela para se promover, e não pensa nas outras pessoas", disparou.

A reportagem também procurou a assessoria da Anitta, que não se pronunciou sobre a entrevista. O espaço continua aberto para futuras manifestações. Já a Netflix falou que "não se pronuncia sobre processos em andamento".

Nota de imprensa dos advogados:

O escritório de advocacia o qual patrocina os interesses da Sra. Maria Ilza.,

diante das notícias veiculadas, especialmente em periódicos e sites de relacionamento
pessoal, vem, singelamente, esclarecer os fatos jurídicos/processuais os quais envolvem
as partes, para uma melhor compreensão de todos os senhores.
A ação de tutela de urgência de caráter antecedente, ou seja, antecede a ação
principal, de n° 0297081-59.2020.8.19.0001, exatamente a ação que é mencionada na R.
matéria, teve a sua desistência, pois o corpo jurídico do escritório, por uma questão
técnica e estratégica, entendeu que a mesma não teria mais objeto (leia-se sentido), já
que o seu único pedido era a exclusão da imagem da Autora do episódio no qual figura
como personagem central.
Como o D. Juiz do plantão judiciário entendeu que não seria pertinente naquele
momento o pedido de urgência, decidiu o escritório, por questões técnicas e
estratégicas, desistir daquela ação.
Contudo, a ação principal, ação de n° 0021590-46.2020.8.19.0028, a qual
tramita na 2ª vara Cível da Comarca de Macaé, RJ, já fora distribuída no juízo natural,
com os devidos pedidos cabíveis relacionados ao caso concreto, conforme demonstrado
e fundamentado na petição inicial.
Portanto, a ação movida em face dos Réus encontra-se em seu pleno
desenvolvimento, aguardando a intimação dos Requeridos para apresentarem suas
defesas técnicas, ou seja, não houve desistência de ação, muito pelo contrário, a Autora
continua perseguindo de maneira incansável o seu direito o qual fora peremptoriamente
afrontado e ignorado pelos Requeridos.
No mais, nos colocamos à disposição para quaisquer dúvidas ou
esclarecimentos.
Atenciosamente,
SCHIAVO DE PAULA ADVOGADOS

*Estagiária do R7, sob supervisão de Camila Juliotti

Últimas