'Vidas negras importam', diz Meghan sobre protestos nos EUA

Esposa do príncipe britânico Harry e duquesa de Sussex se posicionou sobre os desdobramentos da morte de George Floyd, em Minneapolis

Meghan comenta protestos contra o racismo em vídeo

Meghan comenta protestos contra o racismo em vídeo

Reuters - 04/06/2020

Meghan Markle, esposa do príncipe britânico Harry e duquesa de Sussex, se posicionou sobre os desdobramentos da morte de George Floyd, dizendo que lamentava que as crianças tivessem crescido em um mundo onde ainda existia racismo e que os eventos atuais nos Estados Unidos eram "devastadores".

"Eu sei que você sabe que vidas negras são importantes", disse Meghan em um vídeo que gravou para estudantes que se formaram em sua antiga escola em Los Angeles, que foi ao ar na quarta-feira (3).

A morte de Floyd tornou-se o mais recente destaque da recorrente brutalidade policial contra afro-americanos e levou a protestos em todo o país, alguns violentos, com toques de recolher impostos em algumas cidades para reprimir a desordem.

"Nas últimas duas semanas, planejei dizer algumas palavras a vocês para sua formatura e, como vimos na semana passada, o que está acontecendo em nosso país, nosso Estado e nossa cidade natal de LA é absolutamente devastador", disse Meghan, cuja mãe é afro-americana.

"A primeira coisa que quero lhes dizer é que sinto muito, sinto muito por terem que crescer em um mundo em que isso ainda está presente", afirmou ela em sua mensagem para as meninas do Immaculate Heart High School.

A duquesa, que também é ex-atriz, disse que queria falar "a coisa certa" e estava nervosa porque suas palavras seriam "analisadas detalhadamente".

"A única coisa errada a dizer é não dizer nada. Porque a vida de George Floyd importava, e a vida de Breonna Taylor importava, e a vida de Philando Castile importava e a vida de Tamir Rice importava, e tantas outras pessoas cujos nomes conhecemos e cujos nomes não sabemos", acrescentou.

A família real britânica, por tradição, não comenta questões políticas. No entanto, Meghan e Harry deixaram seus cargos oficiais da realeza no final de março e agora moram em Los Angeles com seu filho, Archie.

Em sua mensagem, Meghan refletiu sobre suas próprias lembranças das manifestações de 1992 em Los Angeles.

"Essas memórias não desaparecem e eu não consigo imaginar que, aos 17 ou 18 anos, que é a sua idade agora, vocês teriam que ter uma versão diferente desse mesmo tipo de experiência", disse ela.

"Isso é algo que vocês devem entender, mas entender como uma lição de história, não como sua realidade. Então, lamento que, de certa forma, não tenhamos levado o mundo ao lugar que vocês merecem."

(Por Michael Holden)